Plano Safra 2019/2020 é lançado e garante recursos para habitação rural

Segundo a ministra, a principal característica do Plano Safra 2019/2020 é a priorização dos pequenos e médios agricultores

Nesta terça-feira (18), o Ministério da Agricultura lançou o Plano Safra 2019/2020, que garante crédito para que os agricultores possam custear e investir em suas produções. Entre os destaques, foi anunciado pela Ministra Tereza Cristina R$ 500 milhões em recursos para a construção de 10 mil habitações rurais, aos custos dos juros do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf).

O vice-presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária (FPA), deputado federal Evair de Melo (PP-ES), destacou a decisão do Governo Federal como um “grande acerto” em prol do desenvolvimento do agronegócio. “Habitação rural é uma carência do Brasil e nós tínhamos a necessidade em termos este recurso. Tenho certeza que o Governo Federal está dando um passo enorme para o aumento da dignidade da população do campo, que tanto precisa e merece atenção e políticas públicas que permitam seu crescimento”.

O parlamentar também deu destaque ao anúncio, feito por Tereza Cristina, que garantiu R$ 1 bilhão para a subvenção e aperfeiçoamento do Seguro Rural, mais que o dobro do ano passado. A Ministra estima que a área assegurada chegará a 15,6 milhões de hectares, com mais de 212 mil apólices e um total de R$ 42 bilhões.

Plano Safra

Tereza Cristina anunciou que serão R$ 225 bilhões para o Plano Safra, sendo que R$ 222,7 bilhões serão para o Crédito Rural. Deste valor, quase R$ 170 bilhões vão para o custeio, comercialização e industrialização e mais de R$ 53 bilhões irão para investimentos na agricultura nacional.

Os beneficiários do Pronaf terão à disposição mais de R$ 31 bilhões, além de recursos para custeio com juros de 3% ao ano, para produção de alimentos básicos, recuperação de áreas degradadas, cultivo protegido, armazenagem, tanques de resfriamento de leite, energia renovável, exploração extrativista sustentável, além da produção de ervas medicinais, aromática e condimentares.

Serão R$ 13,4 bilhões para o Seguro da Agricultura Familiar (Seaf) e o Programa de Garantia Agropecuária (Proagro) em 120 culturas diferentes, além de R$ 468 milhões para o Garantia Safra, que apoia agricultores familiares em municípios com risco de perda de safra por fatores climáticos. Para a comercialização nas modalidades de aquisição direta, contratos de opção de venda e subvenção de preços, serão R$ 1,85 bilhão.

“Vamos privilegiar, ou focar mais, no número maior de produtores para pegar os recursos do Plano Safra. Não é que vamos discriminar os maiores, para eles teremos outras opções, para que também tenham recursos mais baratos e mais compatíveis com a nossa atividade agropecuária. Mas vamos fazer com que os pequenos e os médios tenham mais acesso ao crédito, o que eles nem sempre tiveram”, afirmou Tereza Cristina.