Bairrismo, tradição e homenagens marcam a tradicional Festa de Cachoeiro

“Sempre tenho confiança de que não serei maltratado na porta do céu, e mesmo que São Pedro tenha ordem para não me deixar entrar, ele ficará indeciso quando eu lhe disser em voz baixa: ‘Eu sou lá de Cachoeiro…’”

O cachoeirense é apaixonado por sua cidade, e o bairrismo ultrapassou as crônicas de Rubem Braga e faz parte do cotidiano de quem reside na maior cidade do sul do Espírito Santo. ‘Meu Pequeno Cachoeiro’, composição famosa de Raul Sampaio, e levada para o mundo através de Roberto Carlos, deixou de ser pequeno faz tempo, mas a doce terra, que abriga mais de 200 mil habitantes, esbanja felicidade e boa recepção.

Ano a ano, a Festa de Cachoeiro resgata essa tradição de amor por essa terra. A cidade mantém sua cultura ao longo de seus 152 anos, e presta homenagens aos seus filhos ilustres que se destacam em outras terras, com o título de Cachoeirense Ausente Nº1, e pelos filhos que se destacam residindo na cidade, com o título de Cachoeirense Presente Nº1.

Além disso, a festa celebra seu padroeiro São Pedro, com a tradicional Corrida de São Pedro, sem deixar de lado os agradecimentos com a missa e a esperada Procissão de São Pedro. Ainda na lista de tradições, estão o Baile de Gala, que realiza a noite mais luxuosa da cidade, e é uma das poucas ainda realizadas no Brasil, e o Encontro dos Amigos da Praça Vermelha, que reúne boas lembranças e muito bate-papo.

A programação da festa teve início no último sábado (22) e segue até o próximo domingo (30), com shows nacionais, apresentações musicais, a alvorada com a Banda 26 de Julho, quem mantém a tradição desde as primeiras festas, e várias outras homenagens.

Baile de Gala

O Baile de Gala é a festa mais luxuosa e glamourosa do ano em Cachoeiro, e celebra os homenageados com o título de Cachoeirense Ausente Nº1 e Cachoeirense Presente, além de homenagear pessoas que foram destaque na sociedade durante o ano, com o título de ‘Honra ao Mérito’.

O Baile de Gala, que completa 80 anos em 2019, é o ponto alto da Festa de Cachoeiro

Neste ano, o evento completa 80 anos, e além das homenagens para a nutricionista Neuza Maria Brunoro Costa, Cachoeirense Ausente; a empresária Marilene Depes, Cachoeirense Presente; receberão o título de Honra ao Mérito, Fábio Bortolini e Maria Helena Vargas, além da ex-diretora social do Caçadores Carnavalescos Clube, Regina Grafanassi e a tesoureira, Marli Rubim.

A festa também é a mais produzida. O dress code (tipo de traje) é o vestido longo e bem trabalhado para as mulheres e o smoking para os homens.

Neste ano, a animação fica por conta da Banda Millenium, e como já de costume, às 5h, o maestro Nicanor e sua banda encerram o baile tocando ‘Meu Pequeno Cachoeiro’, hino oficial da cidade.

Encontro dos Amigos da Praça Vermelha

Tão tradicional quanto o Baile de Gala durante os festejos da cidade, o Encontro dos Amigos da Praça Vermelha reúne cachoeirenses de todos os lados do Brasil.

Uma tradição da festa é homenagear um Cachoeirense Ausente e um Presente. A escolha não é feita por meio de votação, mas sim uma escolha em consenso com os mais antigos fundadores, onde entram nomes de pessoas que são frequentadores, e raramente são homenageadas pessoas que fazem parte da organização da festa.

A festa, que hoje tem grandes proporções, começou em 1986 no Bar CDM, que funcionava na entrada da Ponte de Ferro, e era bem apertado. Mas, foi lá que os três amigos Ramon, Doca e Aúa resolveram promover o encontro dos frequentadores do Bar. Já o nome Praça Vermelha vem do fato de lá se reunirem os chamados esquerdistas. Era como se fosse um reduto socialista nos anos 50 e 60.

Cachoeirense Ausente Nº1

Criado na década de 40 pelo escritor Newton Braga, o título de Cachoeirense Ausente nº1 é concedido a homens e mulheres, nascidos no município, que residem e se destacam em outras cidades. Neste ano, a homenagem durante a Festa de Cachoeiro, é concedida à nutricionista e professora, Neuza Maria Brunoro Costa.

A Cachoeirense Ausente deste ano é a nutricionista e professora, Neuza Maria Brunoro Costa

Entre os cachoeirenses ausentes mais conhecidos figuram: o escritor Rubem Braga, o arquiteto Ary Garcia Roza, o cantor e compositor Roberto Carlos, o músico Raul Sampaio Cocco, o economista e ex-presidente do Banco Central, Ernane Galvêas, e os atores Jece Valadão e Carlos Imperial.

Cachoeirense Presente Nº1

A escritora e gerontóloga Marilene de Batista Depes é a homenageada da Festa de Cachoeiro com título de Cachoeirense Presente Nº1 de 2019. Ela foi eleita, por unanimidade, em abril deste ano, na Câmara de Vereadores do município. O projeto foi apresentado pelo vereador Braz Zagotto (SD.

A escritora e gerontóloga Marilene de Batista Depes é a Cachoeirense Presente Nº1

Marilene já atuou como secretária em várias gestões da administração municipal, além de ser presidente da Academia Cachoeirense de Letras (ACL), presidente do Conselho Municipal de Pessoas Idosas, presidente do Conselho da Mulher e diretora da Casa de Repouso Vila Aconchego.

Cachoeirenses para sempre lembrados

Neste ano, a prefeitura de Cachoeiro vai homenagear com o título póstumo de ‘Cachoeirense In Memoriam’, 96 pessoas que nasceram ou residiram, por longo tempo, no município e que se destacaram em suas áreas de atuação a nível local, nacional ou internacional, contribuindo para o desenvolvimento da cidade.

O título de ‘Cachoeirense In Memoriam’ foi estabelecido por meio de decreto do Poder Executivo, publicado em maio deste ano, juntando-se aos títulos de Cachoeirense Ausente e Cachoeirense Presente Nº1, concedidos anualmente. O objetivo é que, a cada ano, uma pessoa já falecida seja reconhecida com a honraria recém-criada.

Nesta primeira edição, foram selecionadas pessoas que faleceram entre 2018 e 1942 (ano em que teve início a tradição do Cachoeirense Ausente).