Previdência: líderes do centrão fecham acordo que concede a policiais federais regras mais brandas

Policiais montam falso cemitário para protestar contra a reforma da Previdência Foto: Jorge William / Arquivo

Os líderes do centrão fecharam acordo para beneficiar os policiais (federais, rodoviários, segurança do Congresso e agentes penitenciários), na reforma da Previdência .

Haverá a incorporação no texto de uma regra de transição, que prevê idade mínima de aposentadoria de 53 anos (homem) e 52 anos (mulher) e pedágio de 100% sobre o tempo que falta. Essa proposta tinha sido recusada pela categoria , que voltou atrás nas últimas negociações, segundo o deputado Marcelo Freitas (PSL-MG). A sessão na Câmara para votar a proposta que muda as regras da aposentadoria foi aberta na manhã desta quarta-feira.

Com isso, ficou acertado que o partido Podemos vai retirar o destaque (votação do trecho separadamente) que pretenderia deixar esses profissionais de fora da reforma. No lugar, o partido vai apresentar uma emenda aglutinativa com o novo texto, com apoio do PSL. O tempo na atividade policial para quem já ingressou na carreira será de 15 anos para mulher e 20 anos para os homens. Para os novos, sobe para 25 anos. O impacto será de R$ 4 bilhões a R$ 5 bilhões.