Trump cogita nomear filho Eric embaixador no Brasil, em troca com Eduardo

Eduardo Bolsonaro no Salão Oval da Casa Branca com Donald Trump e o pai durante visita oficial do presidente aos Estados Unidos: chanceler Ernesto Araújo ficou de fora Foto: Reprodução/Twitter

Em um movimento diplomático inusitado na história recente da diplomacia mundial, o presidente Donald Trump poderá designar para assumir a embaixada dos Estados Unidos em Brasília um dos seus cinco filhos, Eric , irmão de Ivanka , assessora influente do pai.

Segundo fontes do governo brasileiro, Eric Trump viria para o Brasil se o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) for nomeado embaixador em Washington, como o seu pai e presidente Jair Bolsonaro indicou ontem que pretende fazer. Por coincidência, Eric tem a mesma idade de Eduardo, 35 anos.

Eric Trump e Eduardo Bolsonaro, juntos em evento no clube de Mar-a-Lago, na Flórida, em fevereiro Foto: Reprodução/Facebook

A informação é que essa possibilidade estaria muito mais condicionada ao Brasil — país que não tem tradição de nomeações políticas para as principais embaixadas, ao contrário dos Estados Unidos, onde a comum a indicação de doadores de campanha e políticos fora da carreira diplomárica. Segundo fontes envolvidas no assunto, o envio dos filhos dos dois presidentes para assumir as respectivas embaixadas consolidaria as relações bilaterais.

Uma fonte comentou que o que mais se ouve em Washington é que a atuação da embaixada brasileira é “muito protocolar, burocrática e apagada”.

Os americanos já teriam deixaram claro que querem uma troca de nomeações políticas para as embaixadas. Personalidades como o ex-estrategista da campanha de Trump e um dos ideólogos da onda nacionalista de direita, Steve Bannon; o ex-subsecretário de Estado dos EUA para a América Latina, Roger Noriega; e o ex-embaixador dos Estados Unidos em Brasília Clifford Sobel sempre insistiram nesse ponto.