Um novo (e bom) começo para Castelo

"A cassação de Luiz Carlos Piassi comprova, conforme alertamos na eleição, em 2016, que ele não tinha condições legais de disputar as eleições por estar condenado por improbidade administrativa."

Três anos depois das eleições municipais, Castelo tem a chance de dar uma guinada na sua administração. O imbróglio envolvendo o então prefeito Luiz Carlos Piassi (MDB) chegou ao fim e, com ele, a determinação de novas eleições no município.

Condenado em ação civil pública por improbidade administrativa, Piassi só participou do pleito graças a uma liminar da Justiça. Tiro no pé. Uma ação protocolada pelo então candidato Cesinha Casagrande (PSB), deu fim a um mandato que sequer devia ter começado. Cesinha é irmão do governador Renato Casagrande, que ganhou as eleições com ampla maioria em Castelo.

E agora, como fica o cenário político da cidade? Certamente, os candidatos da última eleição municipal vão buscar seu lugar ao sol. Cesinha vem como preferido, até por ter ajudado a desvendar a farsa da candidatura de Piassi. Ponto pra ele.

“A cassação de Luiz Carlos Piassi comprova, conforme alertamos na eleição, em 2016, que ele não tinha condições legais de disputar as eleições por estar condenado por improbidade administrativa. Infelizmente, a demora causou prejuízo para nossa população e gerou uma instabilidade política que paralisou a atual administração por quase três anos. Nesse momento, é importante buscar um caminho que dê aos castelenses estabilidade política e administrativa necessária para retomar o desenvolvimento e gerar oportunidades”, ressaltou Cesinha Casagrande.

João Paulo Nali (PTB) também deve participar das novas eleições, mesmo se calando diante da candidatura e eleição de Piassi. Quem sabe uma aliança política com o PSB seja o caminho mais seguro e eficaz para uma eleição que já deu errado uma vez. Vale lembrar que, ao contrário do ditado, santo de casa faz milagre sim.