Ex-presidente Collor de Melo na mira da Polícia Federal por suspeita de lavagem de dinheiro

A Polícia Federal deflagrou, na manhã desta sexta-feira (11/10/2019), em Maceió (AL) e Curitiba (PR), a Operação Arremate com o objetivo de combater suposto esquema de lavagem de dinheiro por meio de compras de imóveis disponibilizados pelo poder público. Os mandados de busca e apreensão foram autorizados pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

As investigações visam identificar e comprovar o provável envolvimento do ex-presidente Fernando Collor de Melo, atual senador pelo Pros. Ele seria responsável por arrematações de imóveis em hastas públicas ocorridas nos anos de 2010, 2011, 2012 e 2016. Há suspeita de utilização de laranjas com o objetivo de ocultar a participação dele como beneficiário final das operações.

Estão sendo cumpridos 16 mandados de busca e apreensão com o objetivo de arrecadar elementos de prova relacionados aos fatos investigados. No total, 70 policiais federais participam das diligências nos dois estados.

Os valores das arrematações sob investigação são de aproximadamente R$ 6 milhões, sem as correções. Os envolvidos poderão responder na medida de suas responsabilidades pelos crimes de lavagem de ativos, corrupção ativa, corrupção passiva, peculato, falsificações e organização criminosa. A reportagem ainda não conseguiu contato com o senador. O espaço está aberto.