conecte-se conosco

Saúde

A importância da análise facial para uma harmonização orofacial perfeita

Publicado

source

Preencher um rosto é dar exatamente o que ele precisa; suprindo suas necessidades, e realçando o que já é belo. É como fazer uma escultura utilizando os princípios de sombra e luz explorados na maquiagem. E isso requer uma gama de conhecimentos, um toque artístico e uma técnica apurada. É o que explica a dra Marcela Puglisi.

Leia também: Tem dúvidas sobre radiografia odontológica? Doutor Bruno Puglisi responde

coluna arrow-options
Divulgação

A importância da análise facial para uma harmonização orofacial perfeita

Para isso, devemos responder algumas perguntas primordiais:

Qual rosto deve e pode ser preenchido?

Quais áreas devem ser abordadas? Malar, mandíbula, mento ou várias regiões ao mesmo tempo?

Qual desenho da região a ser preenchido?

E então podemos definir:

Qual material utilizado! Se ácido hialurônico (qual a melhor reticulação e em qual plano será implantado?)

Qual volume para cada região!

O nosso foco é a face . E a análise facial contribui para o entendimento do complexo crânio facial.

Para obter o melhor resultado, o primeiro passo para se tratar uma face são as medições das proporções faciais. A interpretação e o relacionamento dessas medidas é de fundamental importância para recompormos as proporções para cada tipo facial evitando excessos nos procedimentos e fugindo da artificialidade. Esse é o principal objetivo da harmonização orofacial .

Leia mais:  Alunos diagnosticados com problemas visuais durante mutirão vão receber óculos gratuitamente

Leia também: Qual a relação entre diabetes e os seus dentes?

Definir beleza é subjetivo. E como dizia Leonardo da Vinci: ” Somente a observação é a chave para o entendimento”

Temos medições específicas na face do paciente como: a altura facial,distância bizigomática e distância bigoníaca. Podendo ser medida por uma régua ou por um paquímetro.Guias criados em parâmetros na nossa literatura vão facilitar a interpretação das qualidades e defeitos estéticos de cada paciente.

Podemos calcular as medidas de acordo com a PROPORÇĀO ÁUREA: calculada dividindo medidas de áreas da face. A parte superior(numerador) pela parte inferior(denominador). E quanto mais próximo se chegar ao número da proporção áurea que é 1,618 mais bonita é considerada a face e, portanto a pessoa.

1- Topo da cabeça até o queixo / Largura da cabeça.

2- Topo da cabeça até a pupila / Da pupila até o lábio.

3- Ponta do nariz ao queixo / Dos lábios até o queixo.

4- Ponta do nariz ao queixo / Da pupila até a ponta do nariz.

5- Largura do nariz / Da ponta do nariz até os lábios.

Leia mais:  Maconha para fins medicinais perto de ser liberada pelo Senado

6- Distância externa entre os olhos / Da linha da implantação capilar até a pupila.

7- Comprimento dos lábios / Largura do nariz.

Leia também: Erros na escovação dos dentes que cometemos todos os dias

Uma harmonização fundamentada nos princípios de análise facial nos permitirá alcançar resultados muito mais previsíveis ,seguros e naturais possíveis. Identificar e mapear as principais zonas estratégicas da face com necessidade ou não de volumização da face não significa deixar todo mundo igual e sim devolver a harmonia e as proporções individuais entre as estruturas faciais de cada paciente. E é assim que a análise facial contribui para o entendimento do complexo crânio facial.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Bebê com distúrbio raro precisa de cuidados especiais para evitar infecções

Publicado

source

O pequeno Michal Winter, de dois anos de idade, nasceu com ictiose arlequim, um grave distúrbio genético caracterizado pelo espessamento da camada de queratina que forma a pele. As pessoas com essa condição possuem a pele grossa, que tende a repuxar e esticar, causando deformações e feridas no rosto e ao longo do corpo.

Leia também: Mãe se recusa a amamentar filho que nasceu com condição rara

bebê com ictiose arlequim arrow-options
Reprodução/Facebook/Anna Ciesielska

Michal Winter, de dois anos, tem ictiose arlequim, um raro distúrbio genético que o faz precisar de cuidados especiais

Por conta do distúrbio , a mãe, Anna Ciesielska, de 30 anos, que vive no Reino Unido, precisa aplicar hidratante a cada quatro horas no corpo do filho. A condição rara faz com que Winter não ande e prejudicou seu crescimento, deixando-o o menor que o tamanho ideal de uma criança de sua idade.

No geral, cerca de uma a cada 500 mil pessoas nascem com a enfermidade e, nos Estados Unidos, sete nascimentos anuais apresentam a ictiose arlequim , segundo informações da Organização de Doenças Raras do país. Para se ter uma ideia, a taxa de mortalidade depois de três semanas do nascimento é grande e a média de vida é até os três anos de idade.

Leia mais:  Secretaria de Saúde de Cachoeiro atua na reposição de estoque de vacinas

Leia também: Conheça a bebê que sofre de doença tão rara que nem sequer tem nome

De acordo com a Caters News Agency , por conta de sua aparência, o bebê é constantemente vítima de olhares. “Eu estava em uma loja e alguém veio até nós, olhou para Michal e perguntou se ele era um boneco”, diz Anna, acrescentando que, quando ele começou a se mover, “eles ficaram surpresos por ele ser um menino de verdade.”

A mãe ainda conta que, quando o filho nasceu, os médicos ainda não tinham o diagnóstico final. “Quando o vi pela primeira vez, fiquei muito chateada”, diz. Isso porque a mulher estava preocupada com o fato do bebê sentir dores por conta do distúrbio genético. Hoje, ela explica que, apesar dos desafio diários, a criança é “feliz e amorosa” e a enche de orgulho.

Cuidados especiais

No dia a dia, há vários cuidados necessários para evitar complicações à saúde. Além de utilizar hidratante no filho, a mãe também limita quanto tempo ele fica exposto ao sol e monitora a temperatura dos cômodos, pois ele não consegue regular sua própria temperatura corporal.

Leia mais:  Aprenda a fazer uma massagem facial que ajuda quem tem sinusite

Leia também: Adolescente com doença rara se torna “alérgica a quase tudo”

“Ele tem sempre risco de infecção e de ficar doente”, diz. “Temos que ter muito cuidado o tempo todo”, completa. Apesar dos comentários maldosos que recebe de algumas pessoas por conta do distúrbio do filho, ela também recebe ajuda – e aproveita para agradecer. “Felizmente, tivemos apoio”, finaliza. 

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana