conecte-se conosco

Nacional

Bebê que desapareceu em maternidade foi incinerado por engano

Publicado

source

O corpo do bebê recém-nascido Rogério Cardoso de Almeida Filho, que estava desaparecido, foi incinerado por engano. O caso aconteceu na Maternidade Marlene Teixeira, em Aparecida de Goiânia, em Goiás.

Leia também: Após decidir não abortar, mãe dá à luz bebê com três pernas e dois pênis

bebê arrow-options
shutterstock

bebê

Segundo a família do bebê , ele nasceu no sétimo mês de gestação, na tarde da última quinta-feira (24), e viveu por cerca de 12 horas. Consta na certidão de óbito que ele morreu por problemas respiratórios. As informações são do G1 .

Leia também: Adolescente mata irmã grávida e arranca bebê dela da barriga para aplicar golpe

Entretanto, após a morte o corpo desapareceu. A Secretaria Municipal de Saúde de Aparecida de Goiânia informou então que a empresa responsável pelo recolhimento dos resíduos biológicos cometeu um equívoco e levou o corpo do recém-nascido para ser incinerado , o que é procedimento de praxe no caso dos resíduos biológicos.

“Já estou sofrendo muito porque perdi meu bebê no hospital, e agora não tem nem corpo, não posso enterrar meu filho”, disse ao G1 a mãe de Rogério.

Leia mais:  Polícia prende três suspeitos de participar do roubo ao Aeroporto de Viracopos

A Secretaria de Saúde informou ainda que serão aplicadas todas as sanções cabíveis junto aos responsáveis e finaliza dizendo que “a Secretaria lamenta profundamente o ocorrido, se solidariza com os familiares e informa que prestará toda assistência e reparos que estiverem ao alcance da gestão municipal.

bebê arrow-options
Reprodução/TV Anhanguera

Rogério Cardoso de Almeira, pai do bebê que morreu

Leia também: Durante enterro da filha, casal acha bebê de 3 dias enterrada viva em cova

A Polícia Civil informou que o caso do bebê está sendo investigado pela Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA).

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Garçom chamado de José Wilker servirá Regina Duarte na secretaria da Cultura

Publicado

por

Se assumir oficialmente a Secretaria Especial de Cultura, Regina Duarte será servida por um garçom conhecido pelo nome de um antigo colega da atriz na novela “Roque Santeiro” (1985) : José Wilker.

“Aqui todos me chamam de José Wilker ou de Leonardo Di Caprio”, diz o copeiro Wilker Francisco Barbosa de Lima Silva, 32 anos, que trabalha há nove anos na secretaria.

“As mulheres aqui falam que eu pareço com ele [Di Caprio], por causa do Titanic. Já José Wilker é por causa do meu nome mesmo. Ficam brincando: ‘José Wilker esta vivo aqui em Brasília! [risos]”, conta.

Ele foi batizado assim porque sua mãe era “apaixonada” pelo ator da Globo, que morreu em 2014 . “Mas na família dela todos os irmãos são José, ela não colocou porque ia ficar muito José”.

Wilker fica na copa do segundo andar do prédio da pasta. O gabinete do secretario fica no quarto. “A gente serve mais secretá¡rio quando tem reunião grande no auditório”, diz ele.

Leia mais:  'Nunca vi um presidente da Funai que não gosta de índio', afirma subprocurador

“Não sou muito fã de novela”, conta Wilker, que não viu “Roque Santeiro”, mas ouviu falar. Para ele, uma possibilidade de Regina para o comando da secretaria “uma novidade”.

Veja a coluna completa de Mônica Bergamo, na Folha de S. Paulo.

 

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana