conecte-se conosco


Mundo

Bolsonaro consultará Congresso se EUA invadirem Venezuela

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que a Venezuela não pode continuar como está e apontou risco de o país vizinho tornar-se uma espécie de Cuba ou de Coreia do Norte, apontando que, se houver uma invasão na Venezuela liderada pelos Estados Unidos, vai consultar o Conselho de Defesa Nacional e o Congresso para […]

Publicados

em

O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira que a Venezuela não pode continuar como está e apontou risco de o país vizinho tornar-se uma espécie de Cuba ou de Coreia do Norte, apontando que, se houver uma invasão na Venezuela liderada pelos Estados Unidos, vai consultar o Conselho de Defesa Nacional e o Congresso para decidir como o Brasil vai proceder.

“Quem está na vanguarda são os Estados Unidos. O Trump falou para mim lá, publicamente, já falou antes, que todas as possibilidades estão na mesa. Que que são todas as possibilidades? São todas as possibilidades. Ponto final”, disse Bolsonaro em entrevista à rádio Jovem Pan.

“Agora o que o Brasil pode fazer? Vamos supor que haja uma invasão militar lá. A decisão vai ser minha, mas eu vou ouvir o Conselho de Defesa Nacional e depois o Parlamento brasileiro para tomar a decisão de fato numa questão dessa daí. Agora, a Venezuela não pode continuar como está.”

Na entrevista, Bolsonaro fez a ressalva de que uma ação militar na Venezuela pode levar a ações de guerrilha e levar tempo demais. Ele disse que a atuação no momento do Brasil e dos Estados Unidos visa criar fissuras no Exército venezuelano para tirar o apoio dado pelos militares do país ao presidente Nicolás Maduro.

“A intenção que existe pelo americano e nossa também é haver uma fissura, uma divisão, no Exército venezuelano. Não tem outro caminho. Porque quem decide –falei isso um tempo atrás e fui criticado– quem decide se o país vive numa democracia ou numa ditadura são as Forças Armadas.”

O presidente colocou ainda a proposta de reforma da Previdência como uma das mais importantes de seu governo, e também afirmou que venceu a eleição presidencial do ano passado graças à ajuda de seu filho Carlos Bolsonaro, vereador no Rio de Janeiro, nas redes sociais. Ele negou ainda que gaste tempo demais nessas ferramentas.

“Entre Twitter, Facebook e Instagram, não me toma mais de 30 minutos por dia. Quem realmente me ajuda nessa coordenação é o Carlos Bolsonaro, por isso muita gente quer afastá-lo de mim”, disse.

Levy atrasado

À rádio, Bolsonaro também criticou o que chamou de “indústria de demarcação de terras indígenas” que, na avaliação dele, inviabiliza uma política desenvolvimentista para a Amazônia.

“A demarcação que eu puder rever, eu vou rever”, disse o presidente, acrescentando que, no encontro com Trump, disse a ele estar aberto a parcerias com os EUA para explorar a região amazônica.

“Quando eu estive agora com o Trump, conversei com ele entre outras coisas, que eu quero abrir para ele explorar na região amazônica em parceria. Como está, nós vamos perder a Amazônia.”

O presidente também fez uma cobrança pública ao presidente do banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, ao afirmar que ele está atrasado em lhe entregar uma resposta sobre a abertura da chamada caixa-preta do banco estatal.

“Temos alguns probleminhas, como no BNDES, que está faltando transparência, sim. Já conversei com o Levy, já conversei com o Paulo Guedes. Está faltando mais transparência para o BNDES”, disse.

“Eu tive uma conversa há três semanas –mais uma– com o Levy nesse sentido. E já está atrasada uma resposta dele à minha pessoa. Estive viajando essas três semanas e, semana que vem, no máximo –está começando uma agora– vou cobrar dele essa questão de abrir completamente, abrir para leigos”, acrescentou.

(Fonte: Eduardo Simões/Reuters)

Comentários Facebook
Propaganda

Mundo

Ucraniano que pilota o gigante Antonov An-225 diz que ‘maior avião do mundo ainda está inteiro’

Publicados

em

Por

Desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (24), rumores começaram a se proliferar na internet dando conta de que o Antonov An-225 Mryia, o maior avião comercial do mundo, havia sido danificado ou até mesmo destruído no ataque russo ao aeroporto de Gostomel, nos arredores de Kiev.

No entanto, há cerca de uma hora (desde que essa publicação foi escrita), o piloto-chefe da Antonov Airlines, Dmytro Antonov, confirmou via Facebook que o An-225 não foi destruído. O piloto é conhecido por manter um canal no YouTube em que mostra diversas operações de voo com o gigante avião, muitas das quais já foram repercutidas no AEROIN.

Enquanto relatos dão conta de que os russos teriam assumido o controle do aeroporto da cidade vizinha a Kiev, aparentemente os grandes aviões da Antonov não foram destruídos. A situação, no entanto, segue fora de controle. Dmytro Antonov assim disse no Facebook (tradução livre): “Queridos amigos. Tudo se comprovou. Grande decepção de novo. O aeroporto de Gostomel agora está sob as forças aéreas russas. Grandes aviões podem pousar esta noite. De positivo Mriya está inteiro. Nós esperamos e Glória para a Ucrânia”.

Fonte: AeroIn

Comentários Facebook

Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana