conecte-se conosco


Cidades

Cartazes em escola de Vila Velha culpam as mulheres pela onda de agressões

Cartazes com frases machistas expostos no pátio de uma escola estadual de Vila Velha, no Espírito Santo, geraram revolta na web após uma postagem ser feita em uma rede social, nesta terça-feira (19). Os cartazes que, de acordo com alunos, foram feitos para um trabalho escolar sobre o mês da mulher, traziam dizeres como “No […]

Publicados

em

Cartazes com frases machistas expostos no pátio de uma escola estadual de Vila Velha, no Espírito Santo, geraram revolta na web após uma postagem ser feita em uma rede social, nesta terça-feira (19). Os cartazes que, de acordo com alunos, foram feitos para um trabalho escolar sobre o mês da mulher, traziam dizeres como “No começo ela gosta, mas depois começa a dizer que é assédio” e “Aprenda a se vestir, se comportar e dar limites”.

O caso aconteceu na Escola Estadual Padre Humberto Piacente, que fica no bairro Alecrim. De acordo com uma aluna do 1º ano do Ensino Médio, que preferiu não se identificar, várias ações e trabalhos escolares estão sendo realizados na escola sobre o Dia da Mulher neste mês de março.

Segundo ela, um dos trabalhos foi passado por uma professora de história. No comunicado enviado aos alunos sobre a atividade, ela escreveu “Valorização da mulher começa pela mulher” e sugeriu temas como “Como a mulher deve se comportar”, “Como a mulher deve se vestir” e “Mulher x Palavrões”.

Os cartazes feitos pelos alunos foram apresentados no dia 13 de março e, depois, expostos no pátio da escola. Alguns indicavam como as mulheres deveriam se comportar e se vestir para que não fossem assediadas.

Um deles trazia a fotos de Jane Cherubim, que foi agredida e abandonada na estrada pelo então namorado. Ao lado, estava escrita a frase:

“As mulheres deveriam ser menos vulgar e respeitar seu próprio corpo, ter mais consciência na hora de se envolver com alguns homens, pois muitas mulheres se envolvem com alguns homens sem conhecer”.Para alguns estudantes, a intenção da professora era causar reflexão com uma espécie de ironia. Mas, segundo eles, nenhum aviso ou alerta neste sentido foi anexado ao cartazes.

“Achei um pouco errado da parte da escola eles colocarem no muro sem uma explicação. Muita gente ficou lendo e não gostou, tirou fotos. Teve turma que não fez esse trabalho, então o pessoal ia lá, via os cartazes e perguntava para o pessoal da nossa sala”, disse uma aluna.

Foi o que aconteceu com uma outra estudante, ao se deparar com os cartazes no corredor. Ela, que também preferiu não se identificar, faz parte de outra turma que não participou dessa atividade.

“Eu comentei com uma amiga minha e a gente achou super errado. É como se estivesse culpando a gente, como se a gente não pudesse usar a roupa que quer e tivesse que ficar em casa. Eles têm que falar sobre outras coisas, mostrar maneiras de denunciar, dizer que a polícia está agindo, que as mulheres não estão sozinhas”, disse a estudante.

Comentários Facebook
Propaganda

Cidades

Defesa Civil Nacional repassa R$ 96,4 mil para o município de Alegre

Publicados

em

Por

Casa destruída após queda de muro em Alegre. Um homem morreu - Foto: Reprodução / Redes Sociais

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), autorizou o repasse de R$ 96,4 mil para ações de defesa civil na cidade de Alegre, no Espírito Santo. A portaria foi publicada nesta sexta-feira (24) no Diário Oficial da União. A cidade capixaba sofreu com chuvas intensas e usará o recurso para a reconstrução de uma ponte. A ação beneficiará cerca de 29,5 mil pessoas.

Em todo o País, estados e municípios atingidos por desastres e que já tenham obtido o reconhecimento federal de situação de emergência ou de estado de calamidade pública podem solicitar recursos do MDR para atendimento à população afetada. As ações envolvem restabelecimento de serviços essenciais e reconstrução de equipamentos de infraestrutura danificados.

A solicitação deve ser feita por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2iD). Com base nas informações enviadas, a equipe técnica da Defesa Civil Nacional avalia as metas e os valores solicitados. Com a aprovação, é publicada portaria no DOU com a especificação do montante a ser liberado.

Comentários Facebook

Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana