conecte-se conosco

Mundo

“Catástrofe ecológica” na Austrália ainda vai aumentar, apontam cientistas

Publicado

source

Agência Brasil

Incêndio arrow-options
Reprodução/Twitter

Fogo já devastou diversas áreas e matou pessoas e animais em todo o país

Os incêndios florestais das últimas semanas na Austrália são uma “catástrofe ecológica” que demorará décadas para ser superada e que exige apoio financeiro significativo e mudanças de políticas ambientais, advertem especialistas.

Leia também: “Responsáveis por queda de avião serão punidos”, garante presidente do Irã

Segundo Stuart Blanch, cientista ambiental e um dos responsáveis pelo setor de reflorestamento da World Wide Fund – Austràlia (WWF-A), essas mudanças exigem, necessariamente, medidas concretas para evitar que “continue a aumentar a temperatura do forno” que “cozinha” o planeta Terra.

“Estamos diante de uma catástrofe ecológica, a estimativa é de perda de 1 bilhão de animais, mas sabemos que esse número vai aumentar quando informações mais precisaa forem compiladas”, disse.

Nas últimas semanas, o fogo queimou uma área maior que Portugal – a época dos incêndios ainda não terminou -, com sérios danos a ecossistemas, especialmente na costa leste do país, deixando várias espécies ameaçadas.

O número de 1 bilhão de animais mortos baseia-se em estudo feito em 2007 por um grupo de cientistas especializados em répteis, mamíferos e outros animais que estimava que, em média, havia entre 150 e 160 animais vertebrados em cada hectare do ecossistema.

“O número de 1 bilhão é uma extrapolação conservadora dessa média de animais, considerando os mais de 10 milhões de hectares queimados”, explicou.

Em média, 80% desses animais são répteis, incluindo lagartos e cobras, 12% a 15% são aves e 5% a 8% são mamíferos, ficando fora do total morcegos, sapos, peixes e insetos, cujas populações não foram contabilizadas pelo estudo.

Novos levantamentos estão sendo feitos para determinar com mais precisão a presença desses e de outros animais nos vários ecossistemas da Austrália, para assim permitir avaliações mais detalhadas em casos como os atuais, acrescentou.

Segundo Blanch, ainda que os animais selvagens e as próprias florestas tenham se adaptado ao fogo ao longo de milhares de anos, não implica que os animais tenham conseguido escapar dos atuais incêndios, de dimensão e extensão fora do normal.

“Os fogos que temos agora não são como no passado. São muito maiores, muito mais intensos, mais quentes, menos previsíveis e muito dos animais não conseguem escapar, até mesmo os pássaros”, explicou.

“O fogo viaja muito rápido, e a intensidade do calor acaba depois por alcançar muitos animais que fugiram. Há muitos animais que conseguem escapar, mas que acabam morrendo, porque ficam sem habitat, ficam sem comida. Por isso o impacto é dessa dimensão”..

Falta de comida, cansaço dos animais, que têm de viajar grandes distâncias, e até os que ficam presos em vedações de propriedades agrícolas, acabam por , aumentar a perda de vida selvagem.

Anna Felton, da organização ambiental Wires – que administra uma rede de voluntários envolvidos no apoio à vida selvagem – diz que é impossível saber quantos animais morreram, mas que muitas espécies já estavam com problemas devido à falta de água e alimentos por causa da seca prolongada em vários locais.

A Wires diz que “nunca na sua história viu um momento de emergências paralelas como as que começaram em novembro” com os fogos a terem um impacto a longo prazo para os animais que sobreviveram.

Só em dezembro, a organização recebeu mais de 20 mil chamadas – mais 14% que no ano passado. Os voluntários da Wires fizeram mais de 3.300 salvamentos de animais.

Leia também: Líderes do Irã enfrentam indignação pública após derrubada de avião

“O fogo não discriminou espécies. E todas são necessárias para o equilíbrio ambiental. Mas ainda é cedo para saber o verdadeiro impacto porque continuamos na fase critica de salvamentos e de cuidados imediatos”, disse Fento em entrevista.

Entre os animais em maior risco, Stuart Blanch destaca a população de coalas, “especialmente vulneráveis na costa leste” e que “devem ser consideradas sob ameaça de extinção” e o ‘Regent Honey Eater’, pássaro que já estava ameaçado e que perdeu praticamente todo o seu habitat.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
publicidade

Mundo

Governo da França prende pedófilo internacionalmente procurado

Publicado


source
abuso
FreePik

Abuso sexual infantil

A França anunciou nesta segunda-feira (13) que prendeu um homem de 40 anos acusado de ser um dos 10 pedófilos mais procurados do mundo. O acusado administrava portais na chamada ” deep web ” e distribuía milhares de fotos e vídeos de pornografia infantil.


A prisão ocorreu no dia 7 de julho, próximo à cidade de Bordeaux, em uma ação do Escritório Central para a Repressão da Violência (OCRVP), em cooperação com a Europol, e foi anunciada pela Procuradoria da cidade francesa.

Conforme os procuradores, o homem reconheceu seus crimes e está em prisão preventiva. Ele responderá por “difusão organizada, detenção e gravação de pornografia infantil” e por “agressão sexual incestuosa” de um jovem de 15 anos, em um estupro “cometido por um ascendente” do adolescente.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana