conecte-se conosco


Saúde

Conheça os sintomas da doença do trato urinário que mais acomete os brasileiros

A incontinência urinária atinge, principalmente, mulheres e idosos, causando incômodo, constrangimento e até afastamento do convívio social. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), 35% das mulheres pós-menopausa apresentam incontinência urinária de esforço e 40% das gestantes apresentarão um ou mais episódios durante a gravidez, ou logo após o parto. Entre as pessoas acima […]

Publicados

em

A incontinência urinária atinge, principalmente, mulheres e idosos, causando incômodo, constrangimento e até afastamento do convívio social. Segundo dados da Sociedade Brasileira de Urologia (SBU), 35% das mulheres pós-menopausa apresentam incontinência urinária de esforço e 40% das gestantes apresentarão um ou mais episódios durante a gravidez, ou logo após o parto. Entre as pessoas acima de 65 anos, esse número pode chegar a mais de 60%.

Segundo o urologista Eduardo Muracca Yoshinaga, cerca de 10 milhões de brasileiros sofrem com este problema. O especialista explica que todas as pessoas aprendem a segurar a micção e isso torna esse processo automático. Mas, a perda desse controle pode acarretar a incontinência urinária.

Disfunção 

Essa disfunção é caracterizada pela perda involuntária de urina, aliada à incapacidade de controlar o momento e o local de esvaziar a bexiga. Normalmente há uma maior incidência em mulheres na faixa dos 50 anos (12%) e na faixa dos 80 anos (25%), porém, o público masculino também sofre com o problema que pode ter uma relação mais direta com a idade ou cirurgias da  próstata.

“Em bebês e crianças até os 6 anos, essa incontinência é comum pois, como ainda não aprenderam a controlar a necessidade de ir ao banheiro, acidentes ocasionais podem ocorrer com certa frequência. Os pais precisam estar alerta e acompanhar seus filhos para que não se torne um problema crônico ou algo mais sério”, comenta o especialista. 

As causas são diversas. Podem estar relacionadas à gravidez, parto, tumores, doenças que comprimem a bexiga ou pulmonares que geram pressão abdominal, obesidade, tosse crônica no caso de fumantes, obstrução do canal da uretra, genética, entre outras.

O importante é estar sempre alerta e procurar auxílio médico quando algum sintoma surgir, pois apenas o profissional qualificado poderá identificar a causa e o tipo de perda urinária para tratá-la com eficácia. “A boa notícia é que na maioria das vezes o problema pode ser solucionado por meio de diferentes tratamentos, que vão desde exercícios para fortalecer a musculatura do assoalho pélvico, medicamentos, até cirurgia”, reforça o médico.

Incontinência de urgência

É caracterizada por um desejo incontrolável de urinar, acarretando a perda da urina antes da chegada ao banheiro. Embora, em algumas mulheres, esteja relacionada a uma infecção urinária, na maioria dos casos não é possível definir uma causa específica.

Fístulas

A perda de pequena quantidade de urina quando a bexiga está cheia representa as fístulas e, normalmente, é resultado da incapacidade de esvaziar completamente a bexiga. Desta maneira, a urina continua acumulando até que ocorre um transbordamento.

Incontinência de esforço

Ocorre quando um esforço – tosse, espirro, segurar muito peso, dar risada – provoca o aumento da pressão no interior do abdômen sobre a bexiga. Se os músculos e ligamentos que dão suporte para a uretra estiverem enfraquecidos, ela se abrirá e haverá perda de urina. 

Comentários Facebook
Propaganda

Saúde

Lentes de contato para os dentes: saiba mais sobre essa técnica

Publicados

em

Por

Resistentes e com a capacidade de deixar os sorrisos mais bonitos, as lentes laminadas são duráveis, mas exigem cuidados

Os procedimentos estéticos dentários caíram no gosto dos brasileiros, e a odontologia está conseguindo entregar o sonho do sorriso bonito. Ultrafinas e com excelentes resultados, a longo prazo, as lentes de contato laminadas são ideais para a conquista do sorriso perfeito. Trata-se de películas, coladas na parte frontal dos dentes, por meio de aparelhos específicos. Por isso o apelido “lentes de contato”. Elas não só branqueiam os dentes, como também consertam pequenas deformidades.

Apesar de a técnica ser segura, é preciso escolher com cuidado o profissional que vai fazer a aplicação, alerta o cirurgião-dentista e professor do curso de Odontologia da Faculdade Pitágoras, Rafael Parteli. “O paciente deve pesquisar se o dentista está habilitado a realizar o procedimento, porém, é de bom senso buscar por um profissional que já tenha experiência comprovada e especialização com foco na área de estética, e é interessante o paciente pedir para ver casos já realizados”.

Rafael explica que as lentes laminadas modificam o formato, contorno, textura, cor e realinha os dentes. Elas levam esse nome por serem extremamente finas, assim como as lentes de contato oculares. “Os principais resultados são a devolução da anatomia e da oclusão e o restabelecimento da estética. Consequentemente o paciente tem uma melhora da autoestima, bem-estar, autoconfiança”.

É importante saber que as lentes de contato e as facetas laminadas são confeccionadas sob medida para cada paciente. “As lentes são indicadas para correção de formato e são mais finas do que as facetas de porcelana, que podem ser utilizadas em dentes mais desgastados e com outros tratamentos, por serem mais espessas”, explica o dentista.

Lentes de contato devem ser aplicadas em casos de dentes com aspecto infantil, dentição formada com dentes pequenos, desalinhamentos dentários e pequenas alterações de cores. O cirurgião alerta em relação a características do procedimento. “A cerâmica em que a faceta é confeccionada deve apresentar resistência para suportar as forças mastigatórias e não fraturarem. Deve possuir uma excelente adesão ao tecido dentário para evitar infiltrações, que podem ocasionar cáries, além da possibilidade de se soltar e causar constrangimento ao paciente”, explica.

Rafael explica que o tratamento é feito com pequenos desgastes na dentição, para criar um local adequado em que a faceta fique assentada sobre o dente. “Posteriormente o dente é moldado e o molde enviado a um laboratório de prótese que irá confeccionar as facetas, e só então as lentes são coladas nos dentes como uma espécie de adesivo líquido. A manutenção é a mesma que o dente natural, com consultas regulares ao dentista de 6 em 6 meses, para avaliação de possíveis cáries e remoção de placa e tártaros”, finaliza Rafael.

Comentários Facebook

Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana