conecte-se conosco


Economia

Dívida Pública cai 0,68% em setembro e continua abaixo de R$ 5,5 tri

Publicados

em


O vencimento de mais de R$ 200 bilhões em títulos públicos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia) fez a Dívida Pública Federal (DPF) cair pela primeira vez desde abril. Segundo números divulgados hoje (27) pelo Tesouro Nacional, a DPF passou de R$ 5,481 trilhões em agosto para R$ 5,443 trilhões em setembro, recuo de 0,68%.

O Tesouro, no entanto, prevê que a DPF continuará subindo nos próximos meses. De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), apresentado no fim de maio, o estoque da DPF deve encerrar 2021 entre R$ 5,5 trilhões e R$ 5,8 trilhões.

A Dívida Pública Mobiliária (em títulos) interna (DPMFi) caiu 0,98%, passando de R$ 5,237 trilhões em agosto para R$ 5,186 trilhões em setembro. No mês passado, o Tesouro resgatou R$ 90,27 bilhões em títulos a mais do que emitiu. Isso se deve ao vencimento de R$ 234,04 bilhões em Letras Financeiras do Tesouro (LFT), título corrigido pela Selic.

A queda da DPMFi só não foi maior porque houve a apropriação de R$ 38,72 bilhões em juros. Por meio da apropriação de juros, o governo reconhece, mês a mês, a correção dos juros que incide sobre os títulos e incorpora o valor ao estoque da dívida pública.

Depois de ter caído para R$ 72,03 bilhões em agosto, as emissões voltaram a subir em setembro. No mês passado, o Tesouro emitiu R$ 145,93 bilhões, o maior nível desde maio. Os resgates da DPMFi somaram R$ 236,2 bilhões, influenciados principalmente pelo vencimento dos papéis atrelados à Selic.

A alta também foi impulsionada pela Dívida Pública Federal externa (DPFe), que subiu 5,83%, passando de R$ 243,51 bilhões em agosto para R$ 257,7 bilhões em setembro. O principal fator foi a valorização de 5,76% do dólar no mês passado.

Colchão

Nos últimos meses, o Tesouro tinha intensificado a emissão de títulos públicos para recompor o colchão da dívida pública (reserva financeira usada em momentos de turbulência ou de forte concentração de vencimentos). Essa reserva caiu de R$ 1,227 trilhão em agosto para R$ 1,128 trilhão em setembro.

Atualmente, o colchão cobre quase um ano de vencimentos da dívida pública. Nos próximos 12 meses, está previsto o vencimento de R$ 1,308 trilhão em títulos federais.

Nos primeiros meses da pandemia da covid-19, o governo queimou parte desse colchão para compensar a instabilidade no mercado financeiro. Em setembro do ano passado, o Banco Central teve de repassar ao Tesouro R$ 325 bilhões para ajudar a recompor essa reserva. O restante está sendo feito com as novas emissões.

Em abril, a Emenda à Constituição do Novo Marco Fiscal, originária da PEC Emergencial, reforçou o colchão com mais R$ 140 bilhões da desvinculação do superávit de fundos públicos.

Composição

O vencimento de títulos vinculados à Selic mudou a composição da DPF. A proporção desse tipo de papel caiu de 36,11% para 33,95%. O PAF prevê que o indicador feche 2021 entre 33% e 37%. O Tesouro prevê que a participação voltará a subir nos próximos meses, com os investidores comprando títulos corrigidos pelos juros básicos da economia, num cenário de alta da Selic.

A fatia de títulos prefixados (com rendimento definido no momento da emissão) subiu de 31,86% para 32,58%. O PAF prevê que a fatia da inflação na dívida pública encerre o ano em uma faixa entre 31% e 35%.

A fatia de títulos corrigidos pela inflação na DPF aumentou de 27,35% para 28,48%. Composto por antigos títulos da dívida interna corrigidos em dólar e pela dívida externa, o peso do câmbio na dívida pública passou de 4,68% para 4,99%. Os dois tipos de indexadores estão dentro dos limites estabelecidos pelo PAF para o fim de 2021, entre 26% e 30% para os papéis vinculados à inflação e entre 3% e 7% para o câmbio.

Detentores

As instituições financeiras seguem como principais detentores da Dívida Pública Federal interna, com 31,3% de participação no estoque. Os fundos de investimento, com 23,2%, e os fundos de pensão, com 21,8%, aparecem em seguida na lista de detentores da dívida.

Apesar das turbulências no mercado financeiro em setembro, a participação dos não residentes (estrangeiros) subiu levemente de 9,8% em agosto para 10,1% em setembro. O percentual está no maior nível desde fevereiro de 2020, antes do início da pandemia da covid-19. Os demais grupos somam 13,7% de participação, segundo os dados apurados no mês.

Por meio da dívida pública, o governo pega dinheiro emprestado dos investidores para honrar compromissos financeiros. Em troca, compromete-se a devolver os recursos depois de alguns anos, com alguma correção, que pode seguir a taxa Selic (juros básicos da economia), a inflação, o dólar ou ser prefixada (definida com antecedência).

Edição: Fernando Fraga

Comentários Facebook
Propaganda

Economia

Os 7 passos para negociar suas dívidas usando o 13º salário

Publicados

em

Por

O número de famílias brasileiras com dívidas a vencer aumentou para 74%, um novo recorde em comparação com o ano anterior, em que a alta foi de 6,8 pontos. Os dados são da Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (PEIC), divulgada em outubro de 2021 pela Confederação Nacional do Comércio.

Todos nós queremos estar em dia com nossas contas. Mas como negociar melhor nossas dívidas ao receber uma renda extra, como por exemplo, o 13º salário? Neste final de ano algumas dicas de como otimizar as negociações e melhorar os resultados podem ser um excelente presente de Natal, além de ser aquela janela de oportunidade que faltava para trazer tranquilidade para o próximo ano e permitir começar 2022 com o pé direito.

É importante compreender que negociação deve ser encarada como um processo estruturado, portanto a primeira sugestão é sempre fazer todas as fases deste processo, principalmente quando se trata de um assunto importante que tenha alto valor, como uma dívida financeira. O processo de uma negociação tem em sua essência três fases: preparação (antes), execução (durante) e controle (depois). Se você quer melhorar o resultado deve melhorar o processo, ou seja, investir tempo e esforço de forma sábia em cada uma dessas etapas.

Os especialistas Alfredo Bravo e Glauco Cavalcanti, professores da Fundação Getúlio Vargas, professores da FGV e especialistas em negociação prepararam 7 dicas para negociar suas dívidas:

1 – Conheça o valor total das suas dívidas: listar as dívidas por ordem de atraso e urgência de pagamento pode ser um ótimo passo para solução do problema. Entenda quais dívidas geram juros mais altos porque provavelmente são essas que estão comprometendo sua renda mensal.

2 – Faça um balanço do seu fôlego financeiro: é importante saber quanto você ganha e quais são os principais gastos. Este estudo é fundamental para definir o que deve ser cortado do seu orçamento a fim de saldar suas dívidas. Ter os números em mãos lhe ajudará a pensar na melhor estratégia financeira.

3 – Monte o planejamento para negociação: sabendo o tamanho da dívida e seu fôlego financeiro mensal, fica mais fácil negociar com as instituições credoras. Mas antes é importante definir os 7 elementos do planejamento, que são: objeto, objetivos, interesses, alternativas em caso de não acordo, moedas de troca, campo da negociação e argumentos que serão utilizados.

4 – Negocie com os credores: após fazer o contato com os credores solicite propostas para quitação do saldo devedor. Compare as condições apresentadas com todo seu planejamento e avance neste processo negocial utilizando argumentos baseados em critérios objetivos, ou seja, dados e fatos que convençam a outra parte.

5 – Troque dívidas mais caras por mais baratas: em caso de não acordo com os credores você poderá partir para portabilidade de crédito, ou seja, procurar instituições que ofereçam melhores condições de pagamento e assim transferir sua dívida. O objetivo é que pague juros mais baixos e crie um fôlego financeiro enquanto não consegue sair da dívida.

6 – Negocie suas contas de consumo: contas de telefone, internet, TV a cabo, anuidade do cartão de crédito e tarifas bancárias são gastos mensais que podem ser reduzidos quando praticamos a negociação. Enquanto negocia suas dívidas, esteja atento aos gastos mensais que podem ser reduzidos. Entenda que chegou a hora de sair do vermelho e todo esforço é válido neste momento.

7 – Corte os gastos desnecessários: de nada adianta negociar com os credores, reduzir as contas de consumo e manter gastos desnecessários. Neste sentido vale conscientizar toda família para um esforço conjunto. Vale fazer uma varredura dos serviços de internet, academia que está sendo paga sem uso e compras por impulso. O consumo mais consciente pode ajudar a família a voltar a ter equilíbrio financeiro.

Entenda que final do ano é o período ideal para fazer o balanço da sua vida, rever hábitos e adotar novas práticas financeiras. Estudar mais sobre educação financeira e melhorar sua habilidade para negociar podem lhe auxiliar a atingir a paz que você tanto procura.

Sobre os Especialistas:

As informações sobre a metodologia desenvolvida estão reunidas no livro Negociação 7.0 – Os sete passos do planejamento para uma negociação eficaz que acaba de ser lançado e está disponível na Amazon e na Hotmart. A obra foi escrita por:

Glauco Cavalcanti – É professor da FGV, palestrante, escritor e sócio fundador da GC-5 Negotiation Solutions, empresa especializada em treinamento corporativo que conta com um grupo de consultores de excelência na área de negociação . É PhD pela Florida Christian University, Mestre em Gestão Empresarial pela Fundação Getúlio Vargas, com MBA em Marketing pela Fundação Getúlio Vargas e Graduado em Administração de Empresas pela PUC-RJ.

Alfredo Bravo – É professor da FGV, palestrante, escritor e consultor com mais de 25 anos de experiência em Negociação, Vendas e TI . Atualmente é diretor comercial da Paragon TI, empresa que trabalha com projetos de sistema de informação envolvendo hardware, software e serviços. É Doutor em Administração pela Universidade Nacional de Rosário – UNR e Mestre em Sistemas de Gestão pela Universidade Federal Fluminense – UFF. Graduado em Administração de Empresas pela Universidade Federal Fluminense – UFF, tem MBA em Administração de Empresas e Negócios pela Fundação Getúlio Vargas – FGV.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana