conecte-se conosco


Nacional

Duas crianças entre 10 e 14 anos são estupradas a cada hora no Brasil

Publicados

em

 

source
Relatório da Unicef mostra índices de casos de abuso sexual no Brasil

Relatório da Unicef mostra índices de casos de abuso sexual no Brasil – Reprodução – 21/06/2022

Mais de 74 mil crianças de 10 a 14 anos foram estupradas no Brasil entre 2017 e 2020 – uma média de 50 por dia, ou duas por hora. Essa é a faixa etária que mais sofre esse tipo de crime (45%), dentre o total de vítimas de 0 a 19 anos. Os dados, apresentados no fim do ano passado pelo Unicef e pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, reforçam que o caso da menina de 11 anos estuprada em Santa Catarina não é uma exceção.

A grande maioria das vítimas de violência sexual é menina – quase 80%, e na mesma faixa etária da criança que foi impedida por uma juíza de realizar o aborto previsto em lei no caso de violência sexual. Ainda segundo o estudo do Unicef e do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a maioria de crimes do tipo ocorre na residência da vítima. Para os casos em que há informações sobre a autoria dos crimes, 86% dos autores eram conhecidos.

“Como o estupro acontece dentro de casa e por alguém com vínculo familiar e afetivo, muitas vezes a família tem dificuldade de romper com a violência. Às vezes, a mãe da criança é mais simples, não quer expor a família, muitas vezes até sofreu violência na infância”, disse Juliana Martins, coordenadora institucional do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os dados fazem parte do relatório “Panorama da violência letal e sexual contra crianças e adolescentes no Brasil”, publicado em outubro passado. O relatório informa que 179.277 crianças e adolescentes foram vítimas de estupro de vulnerável e estupro entre 2017 e 2020, uma média de 45 mil caso por ano – ou 123 casos por dia. Vítimas vulneráveis são aquelas com até 13 anos e juridicamente incapazes de consentir uma relação sexual; ou ainda que não conseguem oferecer resistência, seja por deficiência, enfermidade ou por estarem sob o efeito de drogas.

Meninas brancas aparecem como as que mais sofrem com esse crime sexual. Segundo o documento, 86% das vítimas de estupro são do sexo feminino e 55%, brancas.

O levantamento mostra um aumento do número de casos a partir dos 3 anos. Entre 3 e 8 anos, há uma estabilidade. O crime volta a crescer de forma mais acelerada a partir dos 10 anos, até atingir seu pico aos 13 anos.

Essa é uma faixa etária extremamente vulnerável também do ponto de vista de saúde mental, lembra a psicóloga Daniela Pedroso, especializada em temas de violência sexual e aborto.

“Nessa idade existe até uma dificuldade de se entender o que está acontecendo, o que é essa gravidez. Muitas vezes essas gestações chegam tardiamente aos serviços de aborto legal porque falamos de crianças, de meninas, que não têm conhecimento sobre o próprio corpo. Quando descobrem, a gravidez já está avançada”, afirma.

Segundo Daniela, nesses casos o acompanhamento psicológico se torna ainda mais essencial.

“São crianças sem condição de discernir sobre fatos sexuais. O atendimento é feito com ludoterapia, brincadeiras mesmo, sentar no chão com elas”, conta a psicóloga, que trabalha há 25 anos em casos do tipo em São Paulo.

De acordo com Daniela, a complexidade é ainda maior quando é negado o respaldo legal para interromper a gestação, como no caso da menina de 11 anos de Santa Catarina:

“Estudos científicos nos últimos 40 anos mostram que o dano psicológico é mais sério quando a gestação é levada a termo do que quando a gestação é interrompida. São crianças que serão privadas da escola, de seus contatos, dos seus relacionamentos”.

Juliana, do Fórum de Segurança Pública, alerta que os estupros são crimes com altos índices de subnotificação, e que os boletins de ocorrência ainda possuem muitas falhas. Esse cenário, segundo ela, foi agravado pela pandemia, em especial durante o período de maior isolamento social.

Além da restrição de circular, a pandemia fez com que os órgãos públicos tivessem alterações em horários e dias de funcionamento. Com a maioria das escolas operando apenas virtualmente, crianças e adolescentes deixaram de frequentar o principal espaço em que, usualmente, têm contato com adultos fora do círculo familiar.

“Durante a pandemia, as notificações caíram, mas os casos não necessariamente diminuíram”, afirmou a coordenadora do Fórum. “Nesse período, ao contrário de estupros em geral, os de vulneráveis aconteceram de segunda a sexta-feira, pela manhã e tarde. Horários em que essas crianças não estavam na escola, e que os cuidadores estavam em casa”.

Violência sexual em Santa Catarina

O relatório mostrou ainda a distribuição regional dos registros de violência sexual com vítimas entre 0 e 19 anos. Em 2020, Santa Catarina apresentou a quinta maior taxa de violência sexual. As taxas representam o número de estupro e estupro de vulnerável por 100 mil habitantes.

Naquele ano, os cinco estados que apresentaram as piores taxas foram Mato Grosso do Sul (186,0), Rondônia (146,2), Paraná (139,7), Mato Grosso (136,5) e Santa Catarina (135,2). Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, que possuem dados para uma série histórica completa, vêm demonstrando redução das taxas ao longo dos anos.

As taxas de Paraná e Santa Catarina tiveram oscilações ao longo do tempo, mas no último ano também tiveram redução.

Comentários Facebook
Propaganda

Nacional

SP: Cobra Sylas é encontrada dentro do fogão de casa, em Perdizes

Publicados

em

source
Dona da jibóia Silas comemorou nas redes sociais
Reprodução

Dona da jibóia Silas comemorou nas redes sociais

A cobra Sylas, desaparecida desde a última terça-feira (23), foi encontrada dentro da própria casa neste domingo (26). A informação foi publicada pela dona do animal em suas redes sociais.

Sylas, uma Jibóia Arco-Íris da Caatinga, estava dentro do fogão, em uma área coberta por uma proteção. As imagens da câmara de segurança do condomínio mostraram que o animal não tinha saído pela janela do apartamento.

“O Sylas foi encontrado ontem a noite, dentro do fogão, eu havia olhado anteriormente, mas acredito que ele estava numa posição que não dava para ver. Ontem ainda estava inconformada e conversei com muitos biológos, pessoas da área e até mesmo com amigas que também possuem esses animaizinhos e todos tinham certeza que ele ainda estaria no apartamento”, escreveu a dona nas redes sociais.

“Peço desculpas pelo “caos” gerado pelos arredores, mas como disse, eu revirei aqui de ponta cabeça e como a janela do quarto estava aberta, decidi alertar a VIZINHANÇA que ele poderia ter ido a algum lugar fora daqui, eu estava desesperada e preocupada com o que poderiam fazer com ele a solta por aí sem saberem que é um pet”, completou.

“Depois de ter visto as imagens da câmera, durante a noite toda, fiquei intrigada e estava bem obvio que ele não havia saído daqui! A espécie do Sylas possui hábitos noturnos, como ele trocou de pele no sábado, estava com fome e se aproveitou de uma pequena brecha na fiação para fugir e encontrar alimento, mas são animais que não percorrem grandes distâncias, ainda mais no inverno, já que são animais ectotermicos (precisam se aquecer com o ambiente) e seu metabolismo estava bem baixo pelo frio, isso só mostra que quando um animal desses escapa, ele irá encontrar o primeiro local quentinho e escuro para ficar, não sairá perturbando ou indo pra cima de alguém.”

Com 1,70m de comprimento, o animal não é peçonhento, pesa 2kg e segundo a dona, tem autorização para viver no apartamento. O sumiço chamou atenção quando a dona divulgou nas redes sociais que pagaria uma recompensa por quem a localizasse.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana