conecte-se conosco

Saúde

Esgoto pode indicar percentual de contaminados por Covid-19

Publicado


source

Agência Brasil

pesquisa
undefined

Pesquisadores estudam esgoto para identificar focos de Covid-19

Procedimento eficiente para a identificação de doenças infecto-contagiosas, o exame de fezes, quando feito em larga escala – via monitoramento de redes de esgoto – pode ser uma forma eficaz de identificar o percentual de indivíduos contaminados pelo novo coronavírus (covid-19) em uma região. Entre as vantagens dessa técnica está a de abranger tanto pessoas que apresentam como que não apresentam os sintomas da doença (assintomáticas).

O monitoramento de esgotos como ferramenta de vigilância epidemiológica não é uma novidade. Em meados dos anos 1850, o inglês John Snow usou dessa ferramenta para entender a ocorrência da cólera e identificar as residências de pessoas que morreram por conta da doença no bairro do Soho, em Londres.

Projeto-piloto

Diante da expectativa de essa ferramenta poder ser aplicada também para acompanhar a situação da atual pandemia no país, o projeto-piloto Monitoramento Covid Esgotos está sendo implementado nos sistemas de esgoto de Belo Horizonte e Contagem, ambos de Minas Gerais. Ao fazer esse tipo de monitoramento, são gerados dados que poderão ajudar os gestores na tomada de decisões inclusive sobre medidas como a de isolamento social.

A iniciativa, que terá duração inicial de dez meses, conta com a participação da Agência Nacional de Águas (ANA) e do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Estações Sustentáveis de Tratamento de Esgoto (INCT ETEs Sustentáveis), entidade vinculada à Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Leia mais: Vacina chinesa para Covid-19 é segura e rápida, diz estudo

Segundo o coordenador do INCT ETEs Sustentáveis e professor da UFMG, Carlos Chernicharo, a testagem do esgoto possibilita o diagnostico do conjunto de indivíduos de uma comunidade. “Assim sendo, o esgoto passa a ser a amostra de fezes e de urina que representa o conjunto da população “, explicou o professor, hoje (22), durante uma videoconferência promovido pela ANA.

“O que fazemos é novo apenas do ponto de vista de identificar a covid-19”, disse o professor. Os pesquisadores buscam, por meio desse projeto, identificar “tendências e alterações” na ocorrência da covid-19 nas diferentes regiões analisadas, para entender a prevalência e a dinâmica de sua circulação.

Boletim

De acordo com o primeiro boletim da semana inicial dos trabalhos de campo do Monitoramento Covid Esgotos, a presença do novo coronavírus foi detectada em oito entre 26 amostras (31%). As coletas foram realizadas nas sub-bacias do Ribeirão Arrudas e do Ribeirão do Onça.

O objetivo da pesquisa é o de mapear esgotos para indicar áreas com maior incidência da transmissão, de forma a subsidiar a adoção ou não de medidas, tendo por base a ciência. Além disso, possibilita avisos precoces dos riscos de aumento de incidência do novo coronavírus de forma regionalizada, para melhor embasar a tomada de decisão dos gestores públicos.

Na apresentação online, Chernicharo destacou que, com base no monitoramento do esgoto, “em teoria, um indivíduo contaminado pode ser identificado dentro de uma população de 100 a até 2 milhões de habitantes”.

Segundo o pesquisador, a implementação dessa ferramenta depende da disponibilidade de fatores como uma adequada infraestrutura laboratorial; o mapa da malha urbana de esgotos; a definição de pontos de amostragem; a coleta, preservação e transporte das amostras de esgoto; e o recebimento e processamento das amostras em laboratório . Uma nota técnica produzida pela equipe, na qual esses fatores são detalhados, será disponibilizadas a quem tiver interesse em conhecer o projeto-piloto.

Superintendente de Planejamento da ANA , Sérgio Morais, explicou que a primeira detecção do novo coronavírus em fezes ocorreu em 31 de janeiro nos Estados Unidos. Em março, um outro estudo, este na Holanda, detectou a covid-19 no esgoto. As coletas nos dois municípios mineiros que servirão de base para o projeto-piloto tiveram início no dia 13 de abril. “Nossa ideia é gerar uma metodologia, a partir desse projeto”, disse.

De acordo com o superintendente, a realidade brasileira apresenta limitações com relação à aplicação dessa ferramenta em alguns municípios, uma vez que 45% da população não dispõem de esgoto, e que 70% das cidades não possuem estações de tratamento de esgoto.

Leia mais: Novo estudo mostra que hidroxicloroquina aumenta risco de morte e de arritmia

Para o subcoordenador do INCT e professor do Departamento de Engenharia Sanitaria e Ambiental da UFMG, Cesar Mota, a detecção do RNA viral no esgoto foi surpreendente, já que esse tipo de molécula é muito sensível a fatores ambientais. “Mesmo com tudo que há no esgoto, como ácidos e temperaturas mais elevadas, foi possível detectar esse RNA viral nos esgotos, tanto nas fezes como na urina”, disse, acrescentando que, até o momento, nenhuma pesquisa comprovou a transmissão, via esgoto, da doença.

“O esgoto já é uma fonte inesgotável de doenças . A covid-19 é apenas mais uma. Por isso, usando equipamento de proteção, a contaminação é evitável. No entanto, precisamos ter cuidado com a transmissão feco-nasal, uma vez que, no caso da Sars, já foi identificada contaminação, por este meio, de residentes em prédios de Hong Kong”, complementou.

Regiões

Representando a Secretaria de Saúde do governo de Minas Gerais, o superintendente de Vigilância Sanitária estadual Filipe Laguardia disse que, “enquanto grande cliente do projeto”, o governo mineiro pretende identificar as regiões com maior incidência de infectados, de forma a auxiliar na tomada de decisões.

“Vemos alguns pontos motivadores para esse projeto. Um deles está relacionado à novidade que a doença representa. Toda informação nova sobre o comportamento e o agravo desse vírus é importante. Um outro ponto é a qualidade da proposta, que poderá disponibilizar informações científicas com as quais o poder público poderá se aliar”, disse o superintendente, animado também com a possibilidade de emissão de alertas precoces da circulação do vírus, a partir das análises feitas nos esgotos.

Essas possibilidades podem, segundo ele, compensar pelo menos parcialmente algumas das limitações pelas quais passam as autoridades sanitárias do país. Entre elas, o fato de o número de testes ser inferior à demanda.

“Muitos desses testes são de baixa qualidade. Além disso é grande o número de subnotificações de casos confirmados, especialmente os assintomáticos. Uma outra limitação é a pouca previsibilidade da evolução da doença”, argumentou, referindo-se à possibilidade de os exames considerarem tanto pessoas sintomáticas como as que não apresentam sintomas.

De acordo com o superintendente de Desenvolvimento Tecnológico, Inovação e Qualidade da Companha de Saneamento de Minas Gerais (Copasa), Marcus Tulius de Paula Reis, o projeto-piloto conta com 24 pontos de monitoramento. Dezoito deles na rede coletora, e os demais em pontos dos ribeirões Arridas e Onça; e em pontos de entrada e saída das estações de tratamentos de esgoto locais.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Para especialistas, medidas mais restritivas demoraram a vir em SP; entenda

Publicado


source

BBC News Brasil

Doria negou que a definição da data, um dia após o segundo turno das eleições municipais, tenha sido influenciada por questões políticas
Rafael Barifouse – Da BBC News Brasil em São Paulo

Doria negou que a definição da data, um dia após o segundo turno das eleições municipais, tenha sido influenciada por questões políticas

O governo de São Paulo anunciou um endurecimento das medidas de controle da pandemia de covid-19 . Todo o Estado está a partir de segunda-feira (30/11) na fase amarela do Plano São Paulo, que regula as atividades econômicas paulistas para combater o avanço do novo coronavírus (Sars-CoV-2).

As medidas anunciadas são uma reação ao aumento do número de casos, mortes e internações causadas pela doença no Estado nas últimas semanas.

Mas especialistas ouvidos pela BBC News Brasil avaliam que as ações divulgadas hoje deveriam ter sido tomadas antes. Na sua visão, o governo de São Paulo ignorou seus próprios especialistas e foi “omisso” na condução do combate à pandemia.

O comitê que assessora o governo paulista havia, diante deste quadro, recomendado já na semana passada a adoção de mais medidas de controle, mas o governador João Doria (PSDB) preferiu esperar até o anúncio da reavaliação do plano, prevista para esta segunda-feira.

Doria negou que a definição da data, um dia após o segundo turno das eleições municipais, tenha sido influenciada por questões políticas e reafirmou que ela foi feita apenas com bases técnicas e científicas.

O que foi anunciado?

Até segunda-feira, seis das 18 regiões do Estado estavam na fase verde, a quarta das cinco etapas previstas pelo Plano São Paulo. Todas as outras regiões estavam na fase amarela, imediatamente anterior à verde.

Agora, as regiões que já estavam na fase verde voltarão para a fase amarela.

Entre estas regiões, estão a capital e sua a região metropolitana, as regiões de Campinas, Sorocaba, Taubaté, Piracicaba e a Baixada Santista. Elas representam 76% da população do Estado.

A alteração implica nas seguintes mudanças:

– Comércio de rua, shopping centers, galerias e outros centros comerciais: ocupação máxima passa de 60% para 40% da capacidade, com adoção de período de funcionamento limitado a dez horas.

– Serviços: ocupação máxima passa de 60% para 40% da capacidade, com adoção de período de funcionamento limitado a dez horas.

– Bares, restaurantes e similares: consumo só será permitido ao ar livre ou em áreas arejadas; ocupação máxima passa de 60% para 40% da capacidade, com adoção de período de funcionamento limitado a dez horas; manutenção do horário de funcionamento até 22h.

– Salões de beleza e barbearias: ocupação máxima passa de 60% para 40% da capacidade, com adoção de período de funcionamento limitado a dez horas.

– Academias de ginástica: ocupação máxima passa de 60% para 30% da capacidade, com adoção do período de funcionamento limitado a dez horas; atendimento passa a ser com hora marcada e agendamento prévio; suspensão de atividades em grupo, com permissão apenas de aulas e atividades individuais.

– Eventos: ocupação máxima passa de 60% para 40% da capacidade do local; manutenção do controle de acesso obrigatório, com hora marcada; adoção de assentos marcados; manutenção do distanciamento mínimo entre assentos; proibição de eventos com público em pé.

O que disse o governo de SP?

Doria justificou a mudança ao dizer que houve um “claro aumento da instabilidade da pandemia”, mas esclareceu que bares, restaurantes e outros estabelecimentos comerciais, além das escolas, não serão fechados.

O governador afirmou que as medidas têm como objetivo “evitar aglomerações e o aumento do contágio”. “É uma medida de prudência que estamos tomando para melhorar o controle da pandemia”, disse Doria.

“Não é uma gripezinha, não é um resfriadinho. É uma pandemia gravíssima, a mais grave dos últimos cem anos, e isso vai exigir sacrifícios de todos e compreensão da situação dramática que estamos vivendo.”

João Doria celebra vitória de Bruno Covas

Reuters
Retrocesso em plano ocorre um dia após a reeleição de Bruno Covas (PSDB)

Doria descartou a adoção no Estado de um lockdown , como é chamado o conjunto de medidas de distanciamento social que prevê o fechamento do comércio não essencial e a proibição de circulação em espaços públicos.

“Não há perspectiva de lockdown . Não utilizamos o mecanismo em todos estes meses e, embora seja um mecanismo existente, não será aplicado”, afirmou o governador.

Antecipando críticas ao momento em que o anúncio foi feito, Doria negou que tenha havido um cálculo com base nas eleições municipais e num possível impacto negativo da repercussão do retrocesso sobre a candidatura do prefeito Bruno Covas (PSDB), que foi reeleito no domingo.

“O governo do Estado de São Paulo não teve, não tem e nunca terá nenhum interesse em medidas de ordem de saúde em medidas políticas nem eleitorais. As decisões são amparadas pelo que a ciência nos determina”, disse Doria.

“‘Ah, porque isso foi feito depois da eleição?’ Porque estava determinado dentro do programa do Plano SP. Não foi determinado pelo programa da eleição.”

A reclassificação estava orginalmente prevista para o dia 16 de novembro, mas foi adiada pelo governo estadual para o dia 30. Na época, houve um aumento de 18% nas internações por covid-19 no Estado.

O governo de São Paulo justificou a decisão na época dizendo que era preciso analisar os dados com mais cuidado, porque uma pane no sistema de dados do Ministério da Saúde poderia ter gerado distorções.

A secretária de Desenvolvimento Econômico, Patrícia Ellen, ressaltou durante o anúncio das novas medidas que o adiamento ocorreu para evitar que mais regiões do Estado passassem à fase verde, o que ocorreria se a reavaliação fosse feita naquele momento. Ellen não deu mais detalhes sobre os dados que embasaram essa decisão.

O que dizem os especialistas?

Na avaliação de epidemiologistas e infectologistas ouvidos pela BBC News Brasil, houve uma demora na adoção de medidas mais restritivas no Estado.

O próprio comitê de 20 especialistas que assessora o governo Doria no combate à covid-19 recomendou na quarta-feira passada (25/11) que as medidas de controle fossem ampliadas para combater a propagação do coronavírus.

Mas Doria preferiu esperar até a segunda-feira, quando já estava prevista uma atualização das ações. De acordo João Gabbardo, coordenador executivo do comitê, o governador avaliou que as sugestões feitas já estavam previstas no plano.

“Criar uma comissão de especialistas e não seguir sua recomendação é uma atitude um tanto petulante. Pra que a comissão existe se o governador não segue o que ela diz?”, questiona Marcio Sommer Bittencourt, médico do centro de pesquisa clínica e epidemiológica do Hospital Universitário da Universidade de São Paulo (USP).

O epidemiologista avalia que as seis regiões que estavam na fase verde já deveriam ter regredido com o aumento de casos, mortes e internações das últimas semanas.

Bittencourt destaca ainda que o Plano São Paulo passou por mudanças que favoreceram a reabertura da economia.

“Eles mudaram os níveis de corte entre uma etapa e outra, tornando mais fácil progredir para fases com menos medidas de controle, e diminuíram a frequência de avaliação de a cada 14 dias para a cada 28 dias”, afirma.

Desta forma, diz o médico, não é possível falar em atraso, porque, na prática, o governo de São Paulo está cumprindo o prazo que havia sido estabelecido.

“Não é que deixaram de fazer o que deveriam, mas eles não estão adiantando medidas. Estão seguindo o plano, que é excessivamente frágil”, avalia Bittencourt.

Raquel Stucchi, infectologista da Universidade Estadual de Campinas, avalia que os índices dos últimos dez dias apontavam claramente um aumento de casos e de internações na rede pública e privada.

“Deveriam ter revisado ali as medidas. Não é fazer lockdown , mas retroceder um pouco para diminuir as chances de aglomeração”, diz ela.

No entanto, Stucchi avalia que a aplicação do Plano São Paulo, que foi “bem executado” e teve “certo sucesso” até agora, foi influenciada nas últimas semanas por fatores políticos e que o governo de São Paulo foi “omisso”.

Vista aérea do minhocão, em São Paulo

EPA
São Paulo terá novas medidas de combate ao coronavírus

“Por que o governo decidiu não seguir um grupo de especialistas que afirma que a pandemia está fora de controle e que medidas precisam ser tomadas?”, questiona a médica.

“Não há nenhuma outra explicação para ações importantes terem sido adiadas a não ser que estavam pensando no segundo turno, imaginando que isso seria impopular ou talvez por medo de mostrar que não estavam conseguindo controlar a pandemia.”

Ana Freitas Ribeiro, do serviço de epidemiologia do Instituto de Infectologia Emílio Ribas, concorda que novas medidas já deveriam ter sido tomadas contra o agravamento da pandemia em São Paulo.

A médica sanitarista ressalta que é importante que haja uma reação rápida das autoridades ao aumento dos índices, porque o crescimento de casos e internações normalmente refletem infecções que ocorreram cerca de 15 dias antes.

Além disso, somente os casos graves são detectados com o sistema de testagem atual, e eles representam apenas 20% do total em média.

Ou seja, quando se percebe que a pandemia piorou, isso já está ocorrendo há algum tempo, e o que é captado pelas estatísticas é apenas uma pequena parcela da realidade.

Por isso, diz Ribeiro, o ideal é que haja uma reavaliação das medidas a cada 15 dias e não uma vez por mês.

“Se você espera mais do que isso, o crescimento (de casos) pode ser muito alto e não haver leitos suficientes. E se há um aumento não há nada que indique que vá cair se continuar a haver uma circulação intensa de pessoas, se você não conscientizar a população nem evitar aglomerações”, diz a médica.

Pedro Hallal, do Centro de Pesquisas Epidemiológicas da Universidade Federal de Pelotas (UFPel), concorda que a reavaliação deve ser feita em períodos mais curtos.

“Nosso senso de urgência na pandemia está sempre atrasado. Quando as pessoas se apavoram porque começou a lotar UTIs é porque o controle foi perdido duas ou três semanas antes”, afirma Hallal.

Em uma situação assim, é essencial adotar rapidamente novas medidas de controle de circulação de pessoas, porque esta é a única forma de conter um aumento repentino do número de casos e internações.

“Retardar estas medidas é uma atitude típica de quem não entende a dinâmica da pandemia.”

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana