conecte-se conosco


Estado

Estado atinge saldo de mais de 6 mil postos de trabalho em setembro

Publicados

em

 

O Estado do Espírito Santo registrou evolução no mercado de trabalho, no mês de setembro deste ano, com saldo de 6.089 empregos com carteira assinada, de acordo com dados divulgados, nesta terça-feira (26), por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) do Ministério do Trabalho e Previdência. 

Desse total, o maior saldo foi no setor de Serviços (+2.382), seguido pela Indústria (+1.636), Comércio (+1.348) e Construção Civil (+855). Entre os setores analisados, a penas a Agropecuária registrou queda no saldo (-132).

O secretário de Estado de Inovação e Desenvolvimento, Tyago Hoffmann, comenta que as informações divulgadas por meio do Caged são um termômetro para as ações implementadas pelo Governo do Espírito Santo. “As políticas públicas do Estado que integram o Plano Espírito Santo – Convivência Consciente já tem efeito. As ações vão desde a concessão de linhas de crédito para empreendedores, desburocratização para abertura de empresas, incentivo à educação, a oferta constante de cursos de qualificação gratuitos em todas as regiões do Estado, este conjunto se reflete, a cada mês, nos principais indicadores econômicos. Nos fornecem um retrato atualizado da economia capixaba”, disse.

Entre as atividades que mais empregaram no Espírito Santo no período analisado estão aquelas voltadas a produção de bens e serviços industriais, vendedores do comércio em lojas e mercados, serviços administrativos e técnicos de nível médio. Do total de 6.089 vagas de empregos, 3.039 das oportunidades foram ocupadas por jovens da faixa etária de 18 a 24 anos.

“Ficamos muito felizes em ver o destaque na admissão de jovens, com mais da metade do saldo em empregos ocupado por esta faixa etária. Para conquistarem estas oportunidades, nossos jovens precisam de qualificação. Outro número interessante da pesquisa é a colocação alcançada por técnicos de nível médio. Esses resultados refletem claramente os impactos da política de Educação Profissional do governador Renato Casagrande, cujas ações são coordenadas pela Secretaria de Inovação e Desenvolvimento, por meio da oferta de qualificação profissional e técnica com o nosso programa Qualificar ES e as escolas técnicas estaduais”, pontuou o secretário.

Plano Espírito Santo — Convivência Consciente

O Plano Espírito Santo — Convivência Consciente é um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico e priorizando as pessoas, com o objetivo de reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia do novo Coronavírus (Covid-19).

Além da estimativa de criação de mais de 100 mil vagas de emprego, são previstos quase R$ 33 bilhões em investimentos do Governo do Estado, Federal e do setor privado até o final de 2022.

O Plano é resultado de um grande pacto que foi selado entre o poder público e o setor produtivo para o enfrentamento dos desafios impostos pela pandemia, exigindo que as ações sejam executadas a partir de uma visão interdisciplinar e multisetorial, com foco em respostas inovadoras.

 

Comentários Facebook
Propaganda

Estado

Instituto Ponte é pela 4ª vez consecutiva uma das 100 Melhores ONGs do Brasil

Publicados

em

Por

O Prêmio Melhores ONGs acaba de anunciar as 100 organizações brasileiras do terceiro setor vencedoras em 2021 e o Instituto Ponte (IP) é uma delas.  Na lista, já disponível no site melhores.org.br, é possível conhecer o nome das organizações reconhecidas por suas boas práticas em quesitos como governança, transparência, comunicação e financiamento.

Fundado e presidido por Bartira Almeida, o IP atua há sete anos, no Espírito Santo, oferecendo oportunidades educacionais e acesso a atividades de desenvolvimento dos aspectos acadêmicos e socioemocionais para jovens talentosos de escolas públicas, do ensino fundamental à universidade. A proposta é ajudar que esses alunos, por meio da sua dedicação e mérito próprio, ascenderem socialmente em poucas gerações e transformarem as suas vidas e de suas famílias.

“Receber esse reconhecimento e pela quarta vez consecutiva, nos enche de orgulho e, ao mesmo tempo, de muita responsabilidade. Afinal, aumenta o nosso compromisso em seguirmos como uma entidade comprometida com valores como ética, transparência, foco nos resultados e gratidão.  Estar entre as 100 melhores do país também nos impulsiona e potencializa nossa vontade de fazer ainda mais por esses jovens, que só precisam de uma oportunidade para fazer a diferença na sua própria história e na da sociedade”, afirmou Bartira.

O Prêmio

Este ano, apesar da continuidade das dificuldades impostas pela pandemia, o Prêmio teve um número recorde de inscrições: 1033 organizações. “Para a gente, 2021 é um ano muito especial, não só porque tivemos o maior número de ONGs inscritas, mas também por uma sequência de anos com melhorias significativas no nível das inscrições. São organizações cada vez mais profissionais”, afirma Fernando Nogueira, pesquisador da Fundação Getúlio Vargas (FGV), que coordena o processo de avaliação das concorrentes do Prêmio desde a primeira edição. “Ficamos ainda mais alegres se lembramos que este é um ano complicado, que vem depois de outro que já tinha sido difícil. Isso mostra a importância das organizações da sociedade civil, mas também que elas têm tido um reconhecimento dos doadores, das comunidades, das pessoas físicas, das empresas, que a maior parte do Brasil valoriza a atuação dessas organizações”.

A cada edição o Prêmio se torna cada vez mais conhecido no setor. “São duas alegrias: a consolidação do Prêmio e o lançamento dos melhores por estado”, afirma Marcelo Estraviz, diretor do Instituto Doar. Com esse crescimento, a expectativa para as próximas edições é poder ter metodologias cada vez mais apuradas e novas categorias específicas. “Um dia sonhamos que era possível promover o reconhecimento de pessoas e instituições dedicadas a fazer o bem. Hoje já estamos completando cinco anos e cada vez mais animados para os próximos”, completa Cássia Christe, diretora executiva do Instituto O Mundo Que Queremos.

Os destaques nas categorias especiais por tipo de causa e melhor ONG entre todas serão conhecidos durante a cerimônia oficial de premiação, que está marcada para o dia 9 de dezembro, às 18h, com transmissão pelo youtube do Canal Futura. A novidade deste ano é o reconhecimento da melhor de cada estado — além das 100 melhores, já são reconhecidas a melhor de cada causa, as dez melhores de pequeno porte e a melhor entre elas.

Maior Torcida do Brasil

Outra novidade desta edição é que, pela primeira vez, a ONG que levar mais gente para torcer por ela também vai ser reconhecida. É a campanha “Maior Torcida do Brasil”, que convoca as 100 melhores a chamar todos os seus apoiadores para acompanhar a cerimônia de premiação, mostrando também que elas têm muita gente engajada com seus trabalhos.

O Prêmio

O Prêmio Melhores ONGs é realizado pelo O Mundo que Queremos, pelo Instituto Doar e pelo Ambev VOA, com apoio de pesquisadores da Fundação Getúlio Vargas (FGV), do Instituto Humanize e do Canal Futura. Reconhece, desde 2017, o trabalho fundamental prestado pelas instituições não-governamentais no Brasil e também funciona como um farol para orientar doações, alcançando grande visibilidade no setor, na medida em que se consolida como a principal referência em ONGs no país. A intenção, além de reconhecer a relevância dos trabalhos prestados, é incentivar boas práticas, contribuindo também para a melhoria na gestão de todas as participantes, incluindo as que não são premiadas.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana