conecte-se conosco


Ciência e Tecnologia

Facebook, WhatsApp e Instagram informam que falha foi causada por manutenção de rotina

A família de aplicativos do Facebook passou por uma grande instabilidade nesta quarta-feira (3): imagens não apareciam na rede social; fotos não carregavam no feed do Instagram nem nos Stories; enquanto os áudios davam erro no WhatsApp. O problema foi resolvido para a maioria dos usuários, mas qual foi a causa?Como é de costume, o […]

Publicados

em


A família de aplicativos do Facebook passou por uma grande instabilidade nesta quarta-feira (3): imagens não apareciam na rede social; fotos não carregavam no feed do Instagram nem nos Stories; enquanto os áudios davam erro no WhatsApp. O problema foi resolvido para a maioria dos usuários, mas qual foi a causa?Como é de costume, o Facebook não revela muitos detalhes. A conta oficial do FB Business no Twitter explica: “durante uma de nossas operações de manutenção de rotina, causamos um problema que dificulta o upload ou o envio de fotos e vídeos para algumas pessoas”.

A falha foi tão grave que o Facebook sugeriu uma pausa nas campanhas de anúncios “para evitar interrupções na entrega” — ou seja, porque os usuários talvez não pudessem ver as propagandas na rede social.Ontem às 20h45 (horário de Brasília), Facebook e Instagram disseram em suas contas oficiais no Twitter que “o problema foi resolvido e devemos estar de volta a 100% para todo mundo; lamentamos qualquer inconveniência”.

No entanto, o Down Detector ainda traz relatos recentes de problemas no Facebook. “Ainda tendo problemas hoje… ele não carrega meu conteúdo e uma mensagem aparece na parte inferior dizendo que ele parou de funcionar”, conta uma usuária. “O problema das fotos tinha sido resolvido em New Hampshire na noite passada, mas esta manhã a falha está de volta”, diz outro.

Também há alguns relatos sobre o Instagram: “meu feed está com problemas para carregar desde ontem”; “ainda não consigo ver os stories”; “o Instagram ainda está fora do ar toda vez que faço o login pelo Facebook, ou a página inicial do Instagram diz ‘Desculpe, ocorreu um erro inesperado’ “.

Comentários Facebook
Propaganda

Ciência e Tecnologia

Vacinação em SP começa a partir de 25 de janeiro, diz governo

Publicados

em

Por

O governo paulista anunciou nesta segunda-feira (7) que a vacinação contra Covid-19 começará no dia 25 de janeiro, dia do aniversário de São Paulo.

Serão 10 milhões de doses nessa primeira fase, que será voltada para idosos, profissionais de saúde, indígenas e quilombolas.

A vacinação será gratuita através do Sistema Único de Saúde do estado.

Cada município deverá elaborar um “plano de recebimento e armazenamento” da vacina. Mais detalhes serão anunciados na entrevista coletiva do governo a partir das 12h45.

Na semana que vem, o governo pedirá o registro do imunizante à Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária). Na última quinta-feira (3), foi anunciado que os resultados da fase 3 dos testes da Coronavac serão apresentados nas próximas semanas.

“No meu entendimento, todas as colocações anunciadas pelo Ministério da Saúde para que uma vacina preencha os requisitos para uso emergencial estarão cumpridas pela vacina do Butantan”, disse João Gabbardo, coordenador do Centro de Contingência da doença no estado.

Avanço das vacinas

Veja qual é o status das potenciais vacinas contra Covid-19 no mundo:

Pfizer/BioNTech

A vacina da Pfizer e sua parceira alemã BioNTech mostrou ser 90% eficaz na prevenção da doença com base em dados iniciais de um estudo amplo. O Reino Unido se tornou o primeiro país do mundo a aprovar o uso do imunizante contra a Covid-19, que começará a ser aplicado nesta terça (8).

Moderna

Já o imunizante da farmacêutica Moderna tem 94,5% de eficácia contra o novo coronavírus, de acordo com dados divulgados em novembro pela empresa, tornando-a a segunda vacina nos Estados Unidos a ter uma taxa de sucesso alta. A companhia espera ter entre 100 milhões e 125 milhões de doses de sua vacina contra o novo coronavírus disponíveis até o primeiro trimestre de 2021, com a maioria delas destinadas ao mercado dos Estados Unidos.

AstraZeneca/Oxford

Também em novembro, a AstraZeneca anunciou que sua potencial vacina contra a Covid-19, desenvolvida em parceria com a Universidade de Oxford, apresentou eficácia média de 70% na proteção contra o vírus, considerando testes de voluntários em estudos de fase 2 e 3 no Reino Unido e no Brasil.

A farmacêutica destacou, porém, que as taxas variam dependendo a quantidade de doses que certos grupos receberam: entre os que foram vacinados com duas doses completas, a eficácia observada foi de 62%; enquanto, em outro grupo que recebeu uma dose inteira e outra fracionada, a eficácia sobe para 90%.

Coronavac

Favorita do governo de São Paulo, a Coronavac, vacina experimental contra Covid-19 da chinesa Sinovac, induziu uma rápida resposta imune, mas o nível de anticorpos produzidos foi menor do que o visto em pessoas que se recuperaram da doença, mostraram dados preliminares dos testes clínicos com a vacina. O governador João Doria espera ter o produto disponível para vacinação já em janeiro de 2021.

Sputnik V

O fundo soberano russo, que financia o desenvolvimento da vacina Sputnik V contra a Covid-19, afirmou em novembro que o imunizante apresentou uma eficácia de 92%, de acordo com resultados provisórios de testes.

Moscou começou neste sábado (5) a vacinação com a Sputnik V, priorizando médicos e outros profissionais da área de saúde, professores e assistentes sociais. Cientistas levantaram preocupações sobre a velocidade com que o medicamento foi desenvolvido e com que o governo russo autorizou o registro, além de iniciar a vacinação em massa.

Comentários Facebook

Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana