conecte-se conosco


Cidades

Festa do Raiar da Liberdade é retomada em Monte Alegre, em Cachoeiro

Publicados

em

Fotos: Luan Volpato
A comunidade quilombola de Monte Alegre, interior de Cachoeiro de Itapemirim, é um dos locais que celebram anualmente a tradicional festa Raiar da Liberdade, que relembra a emblemática data de 13 de maio. Por conta da pandemia, a comemoração presencial foi suspensa em 2020 e em 2021. Agora ela está sendo retomada, mas, este ano, será um pouco diferente: ela será realizada apenas com o grupo local – o Caxambu Santa Cruz –, para que a tradicional roda de caxambu possa ser registrada em vídeo, juntamente com o processo de preparo da tradicional feijoada e do acendimento da fogueira, que é um dos principais elementos da festa.
Isso se deve ao fato de que, na ocasião, um grupo de técnicos estará concluindo o trabalho de realização de um inventário necessário ao reconhecimento do Raiar da Liberdade como Patrimônio Imaterial do Espírito Santo. Há alguns anos o Caxambu Santa Cruz vem se organizando para pleitear, junto ao Conselho Estadual de Cultura, esse reconhecimento, e, este ano, conta com os recursos do Edital 12 do Funcultura (Seleção de Projetos e Concessão de Prêmio para Valorização dos Patrimônios Imateriais Reconhecidos e Registrados no Estado do Espírito Santo).
Mesmo que este ano não se realize a festa como sempre ocorreu, os membros do Santa Cruz garantem que ainda em 2022 farão muitas outras rodas de caxambu no quilombo, sempre abertas a toda a comunidade e a visitantes.
O Raiar da Liberdade sempre foi um encontro festivo, em que grupos de caxambu, jongo, folia de reis, bate flechas e charola de São Sebastião, capoeira e quadrilha festejaram a liberdade conquistada em 1888 pelo povo negro. No entanto, “ao contrário da história oficial, que difunde nas escolas a ideia de que a liberdade foi uma dádiva da ‘bondosa’ Princesa Isabel, hoje temos a consciência de que foram os processos de resistência dos negros que fizeram com que o império brasileiro, por medo, ‘concedesse’ a liberdade ao povo negro. Quilombos, como Monte Alegre, foram fundamentais nesse processo. Por isso, temos que festejar, mas também difundir a nossa versão da história”, destaca dona Geralda Nogueira Calixto, uma das mestras do grupo.
O Raiar da Liberdade provavelmente é a mais antiga festa da cultura tradicional do Espírito Santo que vem sendo mantida pelo compromisso dos integrantes do Caxambu Santa Cruz há 134 anos, sendo que, nas últimas 6 décadas, tem como principal organizadora a mestra Maria Laurinda Adão. O pesquisador Genildo Coelho Hautequestt Filho destaca a importância do reconhecimento dessa festa pelo Estado, o que poderá trazer muitos benefícios sociais, culturais e até econômicos para o quilombo. “Nesse contexto, é importante destacar o trabalho que a Associação de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial Cachoeirense tem feito nos últimos 22 anos para a preservação das tradições culturais capixabas, em especial na elaboração de projetos culturais em benefício dos grupos de patrimônio imaterial de Cachoeiro”, comenta Genildo.
Nesta sexta-feira, 13, às 16h, acontecerá mais uma reunião da comissão que está estudando atualizações e melhorias na Lei de Registro do Patrimônio Vivo de Cachoeiro de Itapemirim. Essa comissão tem representantes da Prefeitura Municipal, do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – IPHAN, da Secretaria de Estado da Cultura – SECULT e da Associação de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial Cachoeirense. “Cachoeiro tem a segunda mais antiga lei de reconhecimento e preservação do patrimônio vivo no Brasil, que foi promulgada ainda no ano de 2002 e, por isso, precisa ser atualizada”, destaca Bruno Fajardo Lima, mestre de capoeira e presidente da Associação.
Terezinha de Jesus de Oliveira, mestra de bate flechas e integrante da comissão de revisão da lei, destaca que “estamos certos de que, com a atualização da lei, conseguiremos melhorar ainda mais sua implementação”.
A roda de caxambu, que marca a comemoração do Raiar da Liberdade este ano, acontecerá também nesta sexta, 13 de maio, às 18h30, no Quilombo de Monte Alegre, e é aberta a toda a comunidade e a visitantes que queiram conhecer o caxambu.Como chegar

Seguir pela BR482 (Cachoeiro x Alegre) e virar à direita no trevo de Burarama. Após a sede do Incaper, virar à direita e seguir por mais 8 km de estrada não pavimentada (que passa por dentro da Floresta Nacional de Pacotuba) até a comunidade de Monte Alegre.

Comentários Facebook
Propaganda

Cidades

Autores capixabas e de outros estados lançarão livros na 8ª Bienal Rubem Braga

Publicados

em

Por

Serão apresentados 14 títulos de gêneros como romance, poesia e crônica - Foto: Márcia Leal

Durante a programação da 8ª Bienal Rubem Braga, organizada pela Prefeitura de Cachoeiro, autores cachoeirenses e de outras partes do país irão lançar suas obras literárias durante o evento. Ao todo, serão apresentados 14 títulos, dos mais variados gêneros, como romance, poesia e crônica.

Em formato híbrido, com atividades on-line e presenciais, a Bienal será realizada entre os dias 23 e 29 de maio. As mesas de lançamento de livros acontecerão no sábado (28), às 10h, e no domingo (29), às 10h e 14h. Elas poderão ser acompanhadas pelo canal oficial da Secretaria Municipal de Cultura de Cachoeiro no YouTube (Semcult Cachoeiro).

A cachoeirense Luciene Carla é uma das escritoras que irá apresentar seu trabalho. De acordo com a autora, o livro intitulado “Entre o cuidar e o curar”, fruto de uma dissertação de mestrado, fala sobre as Santas Casas, desde o surgimento delas, em Lisboa, Portugal, à vinda para o Brasil e à implementação da instituição em Cachoeiro.

“Procurei focar na atuação das freiras enfermeiras, que administraram a instituição de 1929 a 1950, destacando o trabalho delas, a institucionalização da enfermagem no Brasil e, ainda, exemplificar vertentes do feminismo. Eu consegui lançar esse livro na Casa da Memória, mas ter a oportunidade de fazer o lançamento em uma Bienal é algo muito significativo. Esse é um material muito rico para quem deseja conhecer a história dessa instituição, que é tão marcante. Acredito que seja um livro que todos deviam ler”, explica.

Já o paulista Josué Nascimento vai apresentar o seu livro “Humanidade universal” que, segundo o autor, aborda a trajetória histórica da humanidade, ao longo das diversas etapas da vida humana no planeta, sob a ótica do cristianismo e aponta as mazelas e dificuldades existenciais a partir da recusa humana de viver de acordo com os estatutos divinos.

“A obra tem a pretensão de trazer à luz a necessidade de uma mudança estrutural no pensamento pós-moderno a fim de um retorno à normalidade cotidiana. É uma honra poder expor minhas ideias, justamente, num evento de grande porte, como a Bienal”, esclarece.

Obras que serão lançadas durante a 8ª Bienal Rubem Braga

Sábado (28 de maio)

— 10h – “Entre o cuidar e o curar”, Luciene Carla (Cachoeiro de Itapemirim); “E-books: jogos teatrais e memorial”, Roberto Carlos Farias de Oliveira (Cachoeiro de Itapemirim; Antologia Poética “Lembranças” , Rômulo Farias de Oliveira / Roberto Carlos Farias de Oliveira / Thatiane Cardoso / Lucimar Costa e outros (Cachoeiro de Itapemirim).

Domingo (29 de maio)

— 10h –  “Escrita Instrumento de luta”, Marilene Depes (Cachoeiro de Itapemirim); “Samples”, Savio Lima Lopes (Cachoeiro de Itapemirim); “Do casulo ao voo”, Leidiane Malini (Cachoeiro de Itapemirim) e “Jongo de Marataízes”, “São José do Calçado” e “Os pescadores do porto da Barra de Itapemirim”, Bárbara Pérez (Marataízes).

— 14h – “Trânsitos da alma”, Elaine Dal Gobbo (Cariacica); “Minha tia guardiã”, Deane Monteiro Vieira Costa (Vitória); “Humanidade universal”, Josué Nascimento (São Paulo) e “O carcará” e “Duda e o pedagogo”, Aélcio De Bruim (Cachoeiro de Itapemirim).

Programação da Bienal

Além das mesas de lançamento de livros, a edição 2022 da Bienal Rubem Braga contará, também, com mesas de debate on-line, que terá participação de escritores renomados. São eles: Antônio Torres, membro da Academia Brasileira de Letras (ABL), Micheliny Verunschk, Carolina Munhóz, Isa Colli, Claufe Rodrigues, Roberta Malta e Henrique Rodrigues.

Oficinas em escolas e centro culturais, city tour dedicado a Rubem Braga, exposições e uma feira de artesanato também estão entre as atividades. Clique aqui e confira a programação completa do evento.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana