conecte-se conosco

Política Estadual

Frente discute situação de motoristas de aplicativos no E.S

Publicado

Segurança, melhoria nas condições de trabalho, entre outras demandas devem ser assuntos da pauta da reunião da Frente Parlamentar em Defesa dos Motoristas de Aplicativos no Estado do Espírito Santo.  A frente se reúne nesta sexta-feira (22), às 9h30, no Plenário Rui Barbosa da Assembleia Legislativa (Ales).

A frente é presidida pelo deputado Vandinho Leite (PSDB) e tem como secretário-executivo o deputado Delegado Lorenzo Pazolini (sem partido). O colegiado foi criado para discutir, debater e identificar mecanismos, proposições e ações que possibilitam aos motoristas de aplicativos do Espírito Santo melhores condições de trabalho, segurança, bem como a defesa de seus direitos.

Convidados

Para participar da reunião, estão convidados: prefeito da Serra, Audifax Barcelos; secretária Municipal de Desenvolvimento Urbano da Serra, Miriam Guidini; secretário Municipal de Defesa Social da Serra, Maximilano Werneck de Souza; responsável pela Delegacia Especializada de repressão aos Crimes Cibernéticos, delegado Brenno Andrade de Souza Silva; presidente da Associação dos Motoristas de Aplicativos do Espírito Santo, Luiz Fernando Muller; comandante da Polícia Ostensiva Metropolitana (CPOM) [cargo vago com a nomeação do novo comandante da PMES]; diretor de Relações Institucionais da 99 Tecnologia, Paulo Massi Dallari; e o responsável pelas políticas públicas da Uber, Pedro Santos.

Leia mais:  Von cobra ônibus com instalações higienizadas

Comentários Facebook
publicidade

Política Estadual

Esgotamento: Aracruz tem projetos, mas precisa de recursos

Publicado

Aracruz tem 42% de cobertura de rede e tratamento de esgoto e espera até 2026 alcançar a universalização do saneamento. Os projetos executivos para as obras já foram elaborados e investimento total gira em torno de R$ 253 milhões. Mas, segundo o diretor-geral do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) municipal, Elias Antônio Coelho Marochio, o problema é a falta de recursos para colocar as obras em prática, que ainda precisam ser captados.

Na reunião da Frente Parlamentar de Fiscalização de Obras de Coleta e Tratamento de Esgoto no ES, realizada nesta quinta-feira (12), o diretor cobrou uma linha de financiamento, sobretudo junto ao governo do Estado, uma vez que só a taxa paga pela população pelo serviço não é suficiente para ampliar o sistema. “Hoje os Saaes estão meio que órfãos, não temos uma linha de financiamento”, afirmou.

De acordo com ele, o governo tem investido muito na Cesan. A autarquia inclusive assumirá a distribuição de água e a rede de esgoto e tratamento na região da orla, muito em função dos investimentos empresariais, como o estaleiro Jurong, e ao apelo turístico do local – aliviando em R$ 100 milhões (do total de R$ 253 milhões) os investimentos municipais previstos.

Leia mais:  Psiquiatra alerta para depressão em crianças e adolescentes

Cesan x Saae

O sistema de funcionamento híbrido despertou questionamento do deputado Gandini (Cidadania), presidente da FP. Se a Cesan já vai assumir a orla, perguntou, por que não poderia ficar encarregada por todo o sistema de saneamento de Aracruz (que inclui outras três regiões). “Pelo que estou vendo o Saae não tem condição nenhuma de executar (os investimentos)”.

Elias associou o crescimento da Cesan aos recursos que o governo do Estado aloca na companhia, pois “tarifa não paga o negócio”. “Por que o governo investe só na Cesan? Vamos lembrar aqui que Aracruz e os demais municípios compõem o caixa do governo”, avaliou. Se isso fosse feito, o serviço poderia ser tocado pelo Saae porque apresenta custo operacional menor.

Para o vice-prefeito de Aracruz, Lucio Zanol (PTN), essa dificuldade estaria associada à visão que a população local tem sobre a Cesan, de uma empresa que cobra tarifas altas. Para que essa mudança fosse colocada em prática, seria necessário aprovar uma lei na câmara municipal e os vereadores sofreriam pressão dos moradores da cidade, ponderou.

Leia mais:  Frente debate saneamento de Aracruz

Para o morador da Barra do Sahy Jean Pedrini a proximidade do Saae com a comunidade não pode ser esquecida. “Geralmente os trabalhadores são pessoas ligadas à comunidade”, explicou. “Eles entendem o Saae como uma família, uma extensão de sua casa”. 

Já o representante da Cesan Luiz Cláudio Victor Rodrigues adiantou que o contrato para o início das obras na orla será assinado nos próximos dias, com prazo de entrega em 6 anos. Ele não descartou que a companhia assuma o serviço em todo o município. “É muito importante para gente que esse sistema funcione, que o contrato dê certo, e que a gente possa evoluir. Quem sabe a gente não evolui para o município inteiro?”, finalizou. 

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana