conecte-se conosco

Política Estadual

HIV/Aids: queda de casos exige políticas de prevenção

Publicado

No estado do Espírito Santo, há aproximadamente 16 mil pessoas com o HIV/Aids. Destas, 15 mil estão registradas e notificadas, de acordo com as informações de médicos infectologistas que participaram da audiência pública promovida pela Comissão de Saúde e Saneamento da Assembleia Legislativa (Ales). A reunião foi realizada nesta segunda-feira (2), no Auditório Augusto Ruschi, e debateu a situação do atendimento dessas pessoas.

Doutor Hércules, presidente da comissão, ressaltou que, hoje, o fato de a pessoa ser soropositiva e desenvolver o HIV não quer dizer que ela esteja condenada à morte, pois a medicina está se desenvolvendo a ponto de garantir a vida para a pessoa com Aids. O paciente com a síndrome tem uma vida normal.

Políticas públicas

O coordenador da Rede Nacional de Pessoas Vivendo Com HIV e Aids: RPN+Brasil, Dario Sérgio Rosa Coelho, defendeu medidas para diminuir os casos novos da doença. Ele cita o estado de São Paulo que está diminuindo os casos pela ação preventiva e zerando a contaminação vertical (da mãe para o bebê).

Coelho informou que os novos casos de HIV/Aids estão predominantemente entre os jovens de 14 a 24 anos. Ele reivindicou medidas de políticas públicas, transversais, no estado. Para ele, é uma questão de direitos humanos.

Leia mais:  Guarapari recebe 11ª audiência de Segurança

Prevenção

A médica infectologista e coordenadora estadual de IST/Aids da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), Sandra Fagundes, destacou que o desafio é aumentar cada vez mais o teste e ter um diagnóstico preventivo, e sendo detectado o vírus, agir para que o sistema imunológico do paciente não seja afetado.

Fagundes informaou que há 16 mil pessoas infectadas com o HIV. “Sabemos que pelo menos 10% dessas pessoas, por algum motivo, estão sob riscos por falta de tratamento”.  Ela atribuiu esse número ao preconceito e disse que é preciso educação sexual nas escolas.

A médica informou que no estado foi registrada a redução de 16% em 2018 em relação a 2017, segundo o último boletim epidemiológico do Ministério da Saúde.

Formação

A professora e médica infectologista do Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes da Ufes (Hucam) Rubia Miossi, lembrou que muita gente não faz tratamento pela condição social.

Miossi enfatizou a necessidade de ações para combater o preconceito na sociedade, pois as pessoas ainda têm medo da exposição. Para a médica seria preciso reforçar a ideia de que HIV hoje não significa que sua vida tenha que mudar radicalmente. Ela relatou casos de seus pacientes que são mais de 600 pessoas.

Leia mais:  Justiça mantém seis despachos denegatórios

“É preciso investir nas pessoas e na formação de equipes”, finalizou a professora, ao tratar da diminuição de profissionais na área. Outro importante passo seria vencer inclusive preconceito dos profissionais da saúde e garantir que o tratamento chegue à atenção básica.

Transporte gratuito

O presidente da Companhia Estadual de Transportes Coletivos de Passageiros do Estado do ES (Ceturb-ES), Raphael Trés da Hora, informou que há na companhia cerca de 4.500 cadastrados no programa Mão na Roda.

Ele ponderou que é possível dar gratuidade para o transporte público para as pessoas com HIV/Aids, mas seria preciso conversar de como se construir uma medida que possa garantir o benefício, principalmente para aqueles de baixa renda. São necessários os dados técnicos e que se levante a real necessidade para procurar os recursos necessários.

Comentários Facebook
publicidade

Política Estadual

Ales convoca sessão para votar projetos a favor de vítimas das chuvas

Publicado

O presidente da Assembleia Legislativa (Ales), deputado Erick Musso (Republicanos), convocará o plenário extraordinariamente, na próxima segunda-feira (27), a pedido do governador Renato Casagrande (PSB). Na oportunidade, os parlamentares vão analisar duas matérias que vão ajudar a população dos municípios do sul do estado atingidos pelas fortes chuvas da última semana.

Na pauta dos deputados, a reedição do cartão reconstrução, no valor de até R$ 3 mil. Terão direito moradores com renda de até três salários mínimos e que estão inscritos no Cadastro Único (CadÚnico) de benefícios sociais do Governo Federal. Não é empréstimo, mas uma doação do Governo do Estado. Com isso, moradores poderão comprar material de construção, móveis e eletrodomésticos. O dinheiro virá do Fundo de Reserva de Contingência do governo estadual. 

Ainda será encaminhado outro projeto de lei para que se aprove um fundo de aval com recursos de até R$15 milhões para garantir financiamentos a pessoas físicas e microempresas para os atingidos pelas chuvas, de acordo com as normas do projeto.

Leia mais:  TV Assembleia exibe entrevista do coronel Quintino

E um terceiro projeto, que vai suspender a cobrança de ICMS de produtos e mercadorias que forem doados por empresas para entidades que ajudem nas regiões afetadas. 

“A Assembleia Legislativa está pronta para ajudar o Governo do Estado no auxílio às vitimas das chuvas que atingiram a população dos municípios do sul do Estado. Quero parabenizar o governador Renato Casagrande pela excelente iniciativa e dizer que os deputados estão prontos para votar projetos que farão a diferença na vida de centenas de milhares de capixabas”, disse Musso.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana