conecte-se conosco

Saúde

Imagem mostra anticorpos atuando contra o novo coronavírus; veja

Publicado

Anticorpos atuando contra o coronavírus. C. Barnes/Björkman laboratory

 

 

Um grupo de cientistas do Instituto de Tecnologia da Califórnia, nos Estados Unidos, divulgou nesta sexta-feira (30) a primeira imagem que mostra anticorpos neutralizando o novo coronavírus (Sars-CoV-2), responsável por causar a Covid-19.

O registro foi feito durante pesquisas ligadas a uma proteína presente no vírus usada por ele para infectar as células do corpo humano. Essa proteína recebe o nome de spike pelo seu formato.

O estudo, que tenta descobrir formas de combate à Covid-19, é feito com técnicas de microscopia digital. Ele foi publicado na revista científica Cell.

De acordo com o artigo, quando o organismo entra em contato com um micro-organismo que pode causar uma doença patologia, como é o caso do novo coronavírus, o sistema imunológico entra em ação para atuar contra o invasor.

Uma dessas formas de atuação ocorre por meio do surgimento de anticorpos neutralizantes, que “grudam” no vírus para impedir que ele siga seu caminho pelo corpo humano. É esse momento que a imagem divulgada nesta sexta mostra.

Os autores da pesquisa usaram sangue de pessoas que se recuperaram da Covid-19 para encontrar nele diferentes tipos de anticorpos que grudam no novo coronavírus. Os pesquisadores perceberam, no entanto, que em quase todos os casos eles grudam especificamente na proteína spike.

“Acreditamos que esta é a primeira vez que uma equipe cria imagens de um grupo de anticorpos agindo no sangue humano após uma infecção viral para ver a ação deles”, disse Christopher Barnes, coautor do estudo.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
publicidade

Saúde

Até quando será preciso usar máscara contra a Covid-19? Infectologista responde

Publicado


source
Centro de Manaus, pessoas usam máscara na rua
Mário Oliveira/SECOM

Caso máscara seja utilizada de maneira correta, há 2 a 3 vezes mais chances de proteção


O Brasil está há cinco meses convivendo com a pandemia do novo coronavírus. Logo, a  máscara não é mais uma novidade do cotidiano das pessoas. Ela se tornou, junto do distanciamento social, medida obrigatória para que o convívio com outras pessoas seja seguro.


Em alguns outros países no mundo, o uso de máscara quando alguém está doente já era comum antes do surgimento da Covid-19 .

É o caso do Japão, cujos cidadão aprenderam, desde o período da gripe espanhola (1918 – 1920), que o acessório é necessário para cuidar de si mesmo e de pessoas ao redor.

No Brasil, esse costume vingou só agora, já que é a primeira vez que o País é atingido por uma epidemia tão forte. Por se tratar de um costume novo, uma das grandes perguntas que ficam na cabeça dos brasileiro é: até quando vou precisar usar a máscara?

A consultora em controle de infecção do Hospital Sino-Brasileiro e responsável pelo serviço de infectologia da Rede D’Or, Raquel Muarrek, as máscaras vieram para ficar. “O uso da máscara tem que ser rotina para quem tem sintomas respiratórios. Talvez a gente consiga parar de usar quando não tiver mais sintoma, mas não tem como dizer com precisão”, explica.

Quem pensa que o uso do acessório será menor depois que uma vacina for aprovada e começar a ser distribuída também está enganado. “A vacina vem para diminuir uma doença grave, mas não vem para diminuir a infecção. Quem diminui a infecção é o tratamento, algo que ainda não temos” diz.

“A gente ainda vai ter muitos casos, só não serão tão graves caso a gente consiga a vacina”, acrescenta Raquel.

Para que seja possível começar a pensar em um Brasil livre da obrigatoriedade do uso da máscara, é necessário que haja uma barreira imunológica — ou seja, que o máximo de pessoas possíveis tenham imunidade, fenômeno que é chamado de imunidade de rebanho. Isso só será possível quando grande parte da população tiver anticorpos contra o novo coronavírus (Sars-Cov-2).

A médica reforça a importância de pessoas que não apresentam sintomas gripais usarem a máscara neste momento. Segundo ela, pessoas assintomáticas ou que contraem o novo coronavírus de maneira fraca não tiveram o vírus no organismo por tanto tempo a ponto de criarem anticorpos.

Por esse motivo, o organismo cria uma “imunidade cruzada” ou “imunidade por lembrança”. “Só que a gente não sabe até quanto tempo essa imunidade cruzada ou de lembrança dura”, afirma Raquel.

Portanto, até que seja seguro e grande parte das pessoas já tenham formado essa barreira imunológica, é preciso que todas as pessoas façam o uso correto da máscara.

Qual é a máscara ideal e como usá-la corretamente?

Raquel orienta que as máscaras eficazes para proteger contra o novo coronavírus são as de algodão, tricoline e TNT. Todas essas têm a dupla camada e um forro interno, necessários para conter as gotículas respiratórias , transmissoras da Covid-19.

As máscaras que possuem as camadas corretas podem conter até 95% das partículas, enquanto uma que não possui contém apenas de 50% a 70%.

Raquel destaca ainda que, mais que o design, é importante que a máscara seja segura. “A máscara tem que ser ideal para o seu rosto, não pode ser só bonita”, reforça. Além disso, é importante que o acessório seja usado corretamente, posicionada na metade do nariz e abaixo do queixo.

“Se estiver caindo não serve, porque você vai precisar ajustar com a mão. Ao colocar a mão, a máscara se torna inadequada”, diz. “É preciso manipular a máscara pelo elástico.”

Após a utilização, é importante que as máscaras sejam lavadas com água e sabão. Raquel aconselha que sejam adicionadas na mistura duas a três gotas de hipoclorito de sódio (água sanitária) em um litro. “É só deixar a máscara submersa por 15 minutos e colocar para secar”, ensina a médica.

Quais as chances de me contaminar com a máscara?

Pessoas que não usam a máscara têm duas a três vezes mais chances de pegar a Covid-19. Essa estimativa salta para três a quatro vezes mais chances se o indivíduo estiver sem máscara em um ambiente fechado com alto nível de transmissão.

Pessoas que usam a máscara de vez em quando ou fazem uso inadequado (deixam a máscara no queixo, não cobrem nariz e boca ou colocam a mão a todo instante) têm duas vezes mais chances de contaminação.

“Um caso leva de dois a três casos. Pense nesses casos se multiplicando, depois triplicando, quadruplicando, e assim por diante. É o que acontece quando alguém não usa a máscara”, explica.

Em quanto tempo devo trocar de máscara?

A infectologista alerta que o ideal é usar a mesma máscara por duas horas. É possível utilizar por quatro horas caso a pessoa não estiver em ambiente muito aglomerado, não ande ou não fale. “O ideal é que a pessoa tenha duas a três máscaras para passar o dia”, orienta.

Se for preciso retirar a máscara para fazer refeições, por exemplo, é importante que essa máscara seja descartada. “Não se deve guardar no bolso ou deixar na mesa. Reserve um pote para máscaras sujas e outra para máscaras limpas”, sugere Raquel.

Fonte: IG SAÚDE

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana