conecte-se conosco

Nacional

Imprensa internacional repercute crise da água no Rio

Publicado

source
Cedae está com dificuldades em normalizar a situação da água no Rio de Janeiro arrow-options
Divulgação/Cedae

Cedae está com dificuldades em normalizar a situação da água no Rio de Janeiro


A crise no abastecimento da água no Rio de Janeiro — que já atinge 69 bairros da capital e outros seis municípios da Baixada Fluminense — foi destaque em veículos internacionais de imprensa. O jornal inglês ” The Guardian ” aponta que o problema no fornecimento ocorre a poucos dias da realização do Carnaval e durante um verão que já atingiu recordes de temperatura.

A publicação também ressaltou que apesar das declarações da Cedae , atestando que a água pode ser bebida, moradores do Rio reclamam que já adoeceram após o consumo.

Leia também: Cedae promete água limpa na próxima semana

“A companhia pública de água da cidade disse que o gosto estranho foi causado por um composto orgânico chamado geosmina, encontrado naturalmente no solo, e insistiu que a água é segura para beber. Mas os moradores se queixaram de adoecer depois de bebê-la e os ambientalistas culparam a crise nos rios poluídos, a falta de saneamento básico e décadas de má gestão”.

Não cumprida

A reportagem recorda ainda que a expensão da rede de saneamento básico no estado foi um promessa de legado olímpico que não saiu do papel.

“Em julho passado, promotores do Rio assinaram um acordo com o Cedae para finalizar as obras de saneamento olímpico que foram congeladas quando o estado declarou uma ’emergência financeira’ semanas antes do início dos jogos. Alguns projetos foram concluídos, mas grandes obras deverão levar mais quatro anos”, lembra a publicação.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Proibição de operações policiais reduz mortes em mais de 70% no Rio de Janeiro

Publicado


source
Proibição de operações policiais reduz mortes em mais de 70% no Rio de Janeiro
Rovena Rosa/Agência Brasil

Proibição de operações policiais reduz mortes em mais de 70% no Rio de Janeiro

A proibição de operações policiais em favelas pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF), no início de junho (5) resultou na diminuição da criminalidade e violência no Rio de Janeiro. O dados são do relatório “Operações policiais e ocorrências criminais: Por um debate público qualificado” da Universidade Federal Fluminense (UFF).


O documento aponta que desde a aprovação da medida houve uma redução de 72% das mortes decorrentes de incursões e que o número de feridos caiu em 49,6% em relação à média dos anos anteriores. A pesquisa do Grupo de Estudos dos Novos Ilegalismos (Geni) analisa dados registrados entre 2007 e 2020.

A polícia do Rio é contrária a decisão de Fachin e alega que a proibição dificulta o combate ao crime organizado . Apesar disso, os pesquisadores mostram que pelo menos 30 vidas foram salvas nas favelas, inclusive a de policiais. A média de morte desses profissionais era de 10 e caiu pela metade este ano.

Segundo Daniel Hirata, professor da UFF e um dos autores do documento, o estudo indica ainda a ineficiência da ação policial nas favelas. “Houve uma redução significativa das operações policiais e consequentemente no número de mortos, feridos, sem aumento das ocorrências. Inclusive com a diminuição da morte de policiais”, comentou para O Dia.

A Polícia Militar (PM) continua realizando operações consideradas urgentes, como no caso do dia 28 de julho, em que a polícia precisou agir pelo fim de um tiroteio que envolvia o Comando Vermelho, a maior facção de tráfico do Rio de Janeiro.

A pesquisa também enumera os tiroteios que ocorreram no período analisado e registra uma diminuição de 61% desde a aprovação da medida. Se examinados apenas os casos em que policiais estavam envolvidos na troca de tiros, o número sobe para 82%. 

A UFF contou com o auxílio da plataforma Fogo Cruzado e do Instituto de Segurança Pública (ISP) para organizar os dados da pesquisa.

O STF deve analisar a liminar favorável a suspensão das atividades policiais durante a pandemia essa semana, que marca o fim do recesso do Judiciário. Até então Alexandre de Moraes foi o único que votou contra a proibição das operações nas favelas durante a pandemia, enquanto Edson Fachin, Ricardo Lewandowski, Marco Aurélio Mello e Rosa Weber se mostraram favoráveis. O julgamento é virtual e os ministros têm até terça-feira, 4, para publicar seus votos.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana