conecte-se conosco


Estado

Indústria de calçados instala centro de distribuição no Espírito Santo

Publicados

em

 

O governador do Estado, Renato Casagrande, se reuniu, na tarde desta segunda-feira (03), com representante de empresa líder no segmento de calçados de conforto e moda no País, que anunciou o início de operações da marca no Espírito Santo, com a instalação de um centro de distribuição no município da Serra para atender ao seu canal de e-commerce. Até o final do ano, a estimativa é de que 250 mil pares de calçados sejam distribuídos. Em 2022, esse fluxo deve ser ampliado para alcançar 400 mil pares distribuídos no ano.

O processo de operação no Centro de Distribuição, localizado no Serra Park, por meio de empresa terceirizada começou entre os meses de dezembro de 2020 e janeiro deste ano, visando a atender à crescente demanda do e-commerce da marca. A vinda para o Estado foi motivada pela existência de polo logístico eficiente, agilidade no processo de abertura e funcionamento da operação, além da concessão de incentivos fiscais, como o Compete-ES. A Usaflex sinalizou que tem planos futuros para o Estado e deve consolidar sua operação em solo capixaba.

“Somos um Estado com boa organização, com ótimo equilíbrio fiscal e temos os instrumentos de atração de investimentos. Temos um Fundo Soberano, sendo o único estado do País, que agora chegou a meio bilhão de reais. Uma parte de nossa receita de petróleo está sendo colocada no Fundo para que possamos atrair empresas e aumentar nossa competitividade. Para vocês que estão instalados em Serra, temos expectativa que o Contorno do Mestre Álvaro traga ainda mais competitividade ao Estado”, afirmou o governador, durante a reunião por videoconferência.

Casagrande também listou outros investimentos no município serrano, como as obras do Trevo de Carapina, que teve o contrato assinado com a empresa vencedora em dezembro passado. “Começamos um investimento importante também em logística na cidade, onde daremos mais mobilidade a quem passa por Carapina. Boa parte dos investimentos do Estado acontece na Serra e os planos de ampliação da empresa são muito bem-vindos. Para que vocês possam ser cada vez mais capixabas”, declarou.

O secretário de Estado de Inovação e Desenvolvimento, Tyago Hoffmann destacou as potencialidades do Estado, como o equilíbrio fiscal, que permite a consolidação de parcerias para o desenvolvimento econômico, a transparência nas ações e o diálogo constante com o setor produtivo.

“Desde 2012, alcançamos a Nota A no Tesouro Nacional, com um resultado da condução responsável em eficiência na gestão. Estamos em 5° lugar no Ranking de Competitividade dos Estados e é importante frisar que o Espírito Santo tem a melhor avaliação do Ensino Médio da Rede Pública no Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Todos estes aspectos têm sido decisivos para a atração das empresas”, pontuou Hoffmann.

A fábrica está localizada no Rio Grande do Sul. Atualmente, a empresa possui três franquias no Estado, sendo uma em Vitória e duas em Vila Velha e mais 200 pontos de vendas multimarcas espalhados pelos municípios.

O CEO da Usaflex, Sergio Bocayuva, destacou a importância do diálogo com o Governo do Estado e a aproximação da marca com o mercado capixaba. “Agradecemos todo o envolvimento das autoridades da Secretaria da Ciência, Tecnologia, Inovação, Educação Profissional e Desenvolvimento Econômico (Sectides), bem como o envolvimento direto do governador Renato Casagrande e do prefeito da Serra, Sérgio Vidigal, na agilidade para a aprovação estrutural da operação logística no Espírito Santo. Operação essa, inicialmente focada no e-commerce, com potencial expansão de Hub logístico para canais multimarcas e franquias para as regiões Norte e Nordeste”, completou.

Sobre a empresa

Em atividade desde 1998, a Usaflex é a pioneira na fabricação de calçados de conforto e moda. Líder no segmento, a Usaflex mantém unidades produtivas nas cidades de Igrejinha, Campo Bom, Dois Irmãos e Parobé, todas situadas no Vale dos Sinos, além de Paranhana, no estado do Rio Grande do Sul. A marca está presente em mais de 7 mil pontos de venda e conta com mais de 200 franquias e uma loja virtual.

Plano Espírito Santo — Convivência Consciente

É um conjunto de ações envolvendo órgãos do poder público e do setor produtivo para promover o desenvolvimento econômico, priorizando as pessoas, com o objetivo de reduzir os impactos sofridos pela população capixaba em decorrência da pandemia da Covid-19. São previstos mais de R$ 32 bilhões em investimentos dos Governos Federal, do Estado e do setor privado até o final de 2022. A estimativa é de que sejam criadas mais de 100 mil vagas de emprego.

Foto: Hélio Filho/Secom

Fonte: Governo ES

Comentários Facebook
Propaganda

Estado

MPES divulga nota a respeito do retorno das aulas presenciais

Publicados

em

Por

Desde o início da pandemia de Covid-19, o Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES) vem acompanhando todas as medidas adotadas pelo Governo Estadual, pelas prefeituras municipais e demais segmentos da sociedade para auxiliar nas ações de enfrentamento da pandemia e preservar os direitos constitucionais dos cidadãos. No decorrer desse acompanhamento, o MPES realiza reuniões e dialoga com diversos setores da sociedade.

Durante a decretação da quarentena e da situação de risco extremo em todos os municípios capixabas, no final de março, o MPES defendeu o fechamento das escolas e de outros setores, por se mostrar a medida mais eficaz, naquela circunstância, para frear o crescimento aceleradíssimo da contaminação, reduzir a lotação de UTIs por pacientes de Covid-19 e o número de mortos, o que se demonstrou acertado, diante das informações técnicas de que o quantitativo de óbitos seria muito maior.

Em razão dos novos indicadores apurados entre meados e o final de abril que apontavam a queda na transmissão, além da menor ocupação dos leitos de UTIs destinados à Covid-19, o MPES intensificou o diálogo, de forma virtual, com diversos segmentos da sociedade, ouvindo especialistas das áreas da saúde, representantes dos professores e profissionais da educação, dos pais e responsáveis de alunos, do Governo do Estado e dos municípios, para discutir a reabertura das escolas e o retorno das atividades escolares presenciais em municípios não incluídos na classificação de risco extremo.

Em paralelo, o MPES recebeu informações e documentos de diversas fontes em relação ao assunto, como o “Retorno Seguro nas Escolas”, da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP); a “Carta aberta às prefeitas e aos prefeitos eleitos (as) para que priorizem a reabertura segura das escolas”, do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef), além do posicionamento Sociedade Espiritossantense de Pediatria (Soespe) e da Sociedade de Infectologia do Espírito Santo (SIES) em relação ao retorno presencial das atividades de Educação Infantil e do Ensino Fundamental no Estado, datado de 29 de abril de 2021. Esses documentos, em síntese, alertam para os impactos educacionais significativos do fechamento das escolas e para a acentuada defasagem na aprendizagem causada pela pandemia de Covid-19, o que também sempre foi objeto de atenção pelo próprio Ministério Público, ponderando todos os direitos fundamentais envolvidos.

Assim, o MPES, de forma apartidária e partindo de premissas científicas, tem buscado conciliar os interesses dos diversos setores ouvidos, inclusive do próprio Estado, responsável pelas diretrizes e políticas públicas de saúde e educação referentes à pandemia, buscando equilibrá-los.

Portanto, sopesando todos os riscos envolvidos, o Ministério Público entende que no atual cenário é possível fazer movimentação cautelosa, organizada e equilibrada para o retorno das aulas presenciais, desde que com o devido cumprimento de todos os protocolos sanitários para evitar o contágio da doença. O retorno deve propiciar segurança a todos os envolvidos, liberdade das famílias em escolher entre o modelo híbrido e presencial, em busca de um estágio de maior normalidade das aulas, a fim de promover o efetivo cumprimento do art. 6º da Constituição Federal, que consagrou a saúde e a educação como direitos fundamentais sociais.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana