conecte-se conosco

Nacional

Mais uma criança é vítima de bala perdida no Rio de Janeiro

Publicado

source
prédio arrow-options
Daniel Castelo Branco/Agência O Dia

Fato ocorreu na Cidade de Deus

Uma criança foi vítima de bala perdida na Cidade de Deus, na Zona Oeste, na tarde desta segunda-feira. Policiais militares do 18º BPM (Jacarepaguá) realizaram uma operação na comunidade e houve intenso tiroteio. A PM apura as circunstâncias nas quais a criança foi ferida.  As informações são do jornal O Dia.

Segundo dados do aplicativo Onde Tem Tiroteio (OTT-RJ), houve registro de tiroteio nas localidades conhecidas como Predinhos e Karatê, às 18h e 18h20, respectivamente. De acordo com a Polícia Militar, a operação acabou às 18h30 com a prisão de um suspeito e a apreensão de uma pistola Glock calibre 9mm, além de um carregador.

Leia também: Menina de oito anos morre após ser atingida por bala perdida no Rio de Janeiro

A corporação informou que, uma hora depois do término da ação policial, que contou com um blindado, chegou ao conhecimento do comando do 18º BPM a criança foi atingida por projetil na localidade de Tangará. Ela foi socorrida por moradores para a UPA da Cidade de Deus. A identidade, idade e estado de saúde dela ainda é desconhecido.

Leia mais:  Com nariz de palhaço, servidores do Rio protestam contra atraso de salário

Os relatos de tiroteio na Cidade de Deus começaram ainda durante a madrugada de segunda-feira, se estendendo por parte da manhã, com tiroteios também na localidade Karatê. Apesar de informações de que o 18º BPM esteve no local, a PM negou a realização de operação neste período.

Comentários Facebook
publicidade

Nacional

Decisão de Gilmar Mendes proíbe investigação sobre Glenn no caso da “Vaza Jato”

Publicado

source
Jornalista Glenn Greenwald é alvo de denúncia do Ministério Público Federal arrow-options
Aloisio Mauricio/Fotoarena/Agência O Globo – 27.8.19

Jornalista Glenn Greenwald é alvo de denúncia do Ministério Público Federal


O ministro Gilmar Mendes , do Supremo Tribunal Federal ( STF ), proibiu que o jornalista Glenn Greenwald fosse investigado pelas mensagens publicadas em reportagens do site “The Intercept Brasil”. Na decisão, dada em agosto do ano passado, o magistrado diz que Greenwald não poderia ser alvo de qualquer ato que visasse sua responsabilização. O Ministério Público Federal apresentou uma denúncia nesta terça-feira contra sete pessoas, incluindo o jornalista, pela invasão do Telegram de autoridades públicas.

O caso é investigado na Operação Spoofing. De acordo com Gilmar, Greenwald não poderia ser investigado devido ao sigilo constitucional da fonte.

“Com base nesses fundamentos, concedo, em parte, a medida cautelar pleiteada, apenas para determinar que as autoridades públicas e seus órgãos de apuração administrativa ou criminal abstenham-se de praticar atos que visem à responsabilização do jornalista Glenn Greenwald pela recepção, obtenção ou transmissão de informações publicadas em veículos de mídia, ante a proteção do sigilo constitucional da fonte jornalística”, escreveu Mendes.

Leia mais:  Sobe para três o número de mortos em explosão de casa no Alemão

Leia também: MPF denuncia Glenn Greenwald por invasão de celulares e associação criminosa

Para o procurador Wellington Divino Marques de Oliveira, da Procuradoria da República no Distrito Federal, Glenn Greenwald foi “partícipe” nos crimes de invasão de dispositivos informáticos e monitoramento ilegal de comunicações de dados, além de ter cometido o crime de associação criminosa. O procurador apresentou a denúncia contra o jornalista argumentando que a decisão de Gilmar não foi descumprida porque Glenn não foi investigado. Segundo ele, durante o inquérito foram encontrados os diálogos, que acabaram fundamentando a acusação.

Suspensão

A decisão do ministro foi tomada a pedido do Rede Sustentabilidad e. O partido pediu a suspensão de qualquer investigação contra o jornalista sobre a divulgação da conversa, por respeito à liberdade de imprensa. Na ocasião, o ministro ressaltou que é necessário proteger o sigilo da fonte jornalística, assegurado pela Constituição . O site publicou diálogos atribuídos a procuradores da Operação Lava-Jato e ao então juiz federal Sergio Moro, atual ministro da Justiça.

Agora, a defesa pode, em tese, entrar com uma reclamação no STF alegando que a decisão de Mendes foi descumprida. Eventual pedido seria analisado pelo ministro Luiz Fux , vice-presidente da Corte. Durante a parte final do recesso, ele está responsável pelo julgamento de causas urgentes.

Leia mais:  Papai Noel gigante desaparece e dona oferece recompensa de R$ 2 mil

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana