conecte-se conosco

Mundo

Médico é preso acusado de filmar pacientes e vender vídeos para site pornô

Publicado

source
Médico arrow-options
Reprodução

Câmera escondida registrava as pacientes durante as consultas com o médico

Um médico ginecologista da cidade de Odessa, na Ucrânia, foi preso no último final de semana após imagens de exames realizados por ele surgirem em um site pornô.

Segundo informações do jornal britânico Daily Mail, o médico  Vyacheslav Tripolko foi preso e encaminhado para uma delegacia da cidade, onde foi interrogado pelas autoridades do país após os vídeos, que mostram suas pacientes nuas e durante a realização de exames, serem descobertos por uma das vítimas, que não teve a identidade revelada.

Leia também: Mãe de vítima de Paraisópolis acha que filho não foi pisoteado: “foi chacina”

Ainda de acordo com a publicação, após receberem as denúncias, os policiais foram ao consultório do acusado e descobriram uma câmera escondida no local, exatamente no ângulo em que os vídeos descobertos eram registrados.

Após o escândalo, Tripolko teve a licença cassada e foi demitido da clínica em que trabalhava. Além disso, mesmo não tendo ficado preso após o interrogatório, enfrentará um processo pelo crime de produção e distribuição de conteúdo pornográfico, que pode render até sete anos de prisão.

Leia mais:  Na mão grande: entenda o método Evo Morales de se perpetuar no poder

Médico se diz vítima

Em uma troca de mensagens com uma das vítimas , o médico disse ter sido alvo de um esquema armado por outro médico da clínica, com a intenção de prejudicá-lo. No texto, ele afirma ter sido apenas um “peão” na história e negou que tenha sido o responsável pelos vídeos.

“Qualquer um poderia ter instalado aquela câmera e registrados os vídeos . É preciso que as acusações sejam provadas, para que o verdadeiro culpado pague por este crime”, afirmou a paciente.

Em sua defesa, o ginecologista chegou a afirmar que a instalação pode ter acontecido durante uma reforma no local, que aconteceu no último mês de julho, quando um novo sistema de alarmes foi colocado. Entretanto, há vídeos que foram registrados antes desta data, o que inviabiliza essa opção.

Leia também: “Não recebemos nada do DiCaprio”, dizem brigadistas de Alter do Chão

Além dos envolvidos, a polícia conversou com o responsável pela área de tecnologia do hospital oncológico em que o doutor Tripolko também atuava de forma independente. Entretanto, o homem disse que ele não tem qualquer reponsabilidade sobre o circuito interno da clínica ginecológica, uma vez que este é um espaço alugado pelo acusado e usa um provedor de internet diferente do restante do complexo.

Leia mais:  Acusada de matar filha, mãe é presa sob suspeita de forjar doença terminal de vítima para receber doações

Em entrevista, o chefe do hospital em que a clínica está baseada, doutor Oleg Lukyanchuk, lamentou o ocorrido: “inicialmente, achei que fosse uma piada de mau gosto de alguém. Agora, sabendo da gravidade do caso, como médico e como ser humano, fico chocado e entristecido que isso tenha acontecido”.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
publicidade

Mundo

Mais de 500 crianças venezuelanas cruzaram fronteira com o Brasil sozinhas

Publicado

source
Crianças venezuelanas arrow-options
Divulgação/ONUBrasil

Ao menos 529 jovens entraram no Brasil desacompanhados.



Pelo menos 529 crianças e adolescentes venezuelanos cruzaram a fronteira do estado de Roraima desacompanhados de pais ou responsáveis, mostra um relatório elaborado pela ONG Humans Right Watch com base em dados da Defensoria Pública da União (DPU) divulgado nesta quinta-feira (5). De acordo com o documento, 90% dos jovens têm entre 13 e 17 anos de idade.

Leia também: O Estado não existe na terra indígena mais letal para os guardiões da floresta

O relatório aponta que muitos viajaram sozinhos para fugir de situações de extrema pobreza e de ambientes familiares abusivos. O documento aponta ainda que os dois abrigos existentes em Roraima tem a capacidade para abrigar apenas 15 meninos e 13 meninas com idade entre 12 e 17 anos. Uma decisão judicial de setembro proibiu o local de receber novas pessoas.

Devido ao elevado número de jovens para as poucas vagas em abrigos, muitos dos adolescentes e crianças são atendidos pela Operação Acolhida, criada pelo governo federal para auxiliar imigrantes e refugiados venezuelanos que estejam em situação de vulnerabilidade social. 

Leia mais:  Cavalo se finge de morto toda vez que alguém tenta montar nele

Por fim, o relatório diz ainda que o número real de crianças que cruzam a fronteira entre Brasil e Venezuela  é subnotificado e pode ser ainda maior, já que muitas delas não passam pelos postos da Defensoria Pública na fronteira.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana