conecte-se conosco

Entretenimento

Meghan Markle foi proibida de participar de reunião de crise com a Rainha

Publicado

source

Apesar de ter sido convidada, Meghan Markle não participou da reunião de crise com a Rainha Elizabeth II, na última segunda-feira (13), na propriedade de Sandringham.

Leia também: Meghan Markle e Príncipe Harry pensam em desistir de títulos reais, diz jornal

Príncipe Harry e Meghan Markle arrow-options
Reprodução/Instagram

Príncipe Harry e Meghan Markle

Especulava-se que Meghan Markle, que já está no Canadá, entraria na conversa por teleconferência. Todavia, oficiais do Palácio não permitiram por medo de espionagem. Segundo uma fonte próxima à Família Real, a decisão foi “devido à natureza sensível das negociações e que ninguém sabia quem poderia estar ouvindo”.

Leia também: Após renúncia, príncipe Harry e Meghan Markle podem perder R$ 10 milhões ao ano

“Essa foi uma discussão familiar altamente confidencial, não uma teleconferência”, disse a fonte da Família Real ao jornal Daily Mail .

O Príncipe Harry chegou para a reunião duas horas antes do combinado para ter um momento a sós com a avó. Mesmo desapontada com a decisão do neto e de Meghan de não serem mais “membros seniores” da realeza, a Rainha Elizabeth II deu seu apoio.

De acordo com o The Mirror , a Rainha espera que esse “problema” seja resolvido logo, mas admitiu que é um pouco “complexo” colocar em prática um plano viável para a independência financeira desejada pelo casal. Os detalhes ainda estão sendo discutidos. O site dos Sussex informa que 95% do orçamento de Meghan e Harry vem do Ducado da Cornualha, a propriedade privada do Príncipe Charles, que já deixou claro que não tem fundos ilimitados.

Depois da reunião, a Rainha disse “respeitar totalmente” o desejo de Harry e de sua mulher, a ex-atriz  Meghan Markle , de abandonarem suas posições como “membros sêniores” da nobreza. O comunicado da monarca, que deixou no ar uma concordância com relutância, foi divulgado após uma reunião com os integrantes mais importantes da família real e estabelece um “período de transição” para que o casal se afaste de suas obrigações oficiais.

Leia também: Cortar relações? Rainha quer solução rápida para “renúncia” de Harry e Meghan

“Minha família e eu respeitamos totalmente o desejo de Harry e  Meghan Markle de construir uma nova vida como uma jovem família. Embora nós preferíssemos que eles continuassem a trabalhar em tempo integral como membros da família real, respeitamos e entendemos seu desejo de viver uma vida mais independente como família, mantendo-se como uma parte valiosa da minha família”, disse a monarca de 93 anos.

Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
publicidade

Entretenimento

Jornalista da CNN dá show de homofobia ao falar sobre doação de sangue

Publicado


source

Leandro Narloch virou assunto por conta de um comentário dele durante a exibição do programa “Live CNN” desta quarta-feira (8). O comentarista afirmou ao vivo que a decisão do Supremo Tribunal Federal que libera homossexuais para doarem sangue é uma “mudança pequena” na sociedade e que “gays têm uma chance muito maior de ter Aids”. 


“A mudança na verdade é pequena, ela vai restringir mais a conduta, e não o tipo de pessoa, a opção sexual (sic) do indivíduo. Toda essa polêmica começou porque, não há dúvida disso, os gays, os homens gays, eles têm uma chance muito maior de ter Aids, né? Em 2018, uma pesquisa mostrou que 25% dos gays de São Paulo eram portadores de HIV”, começou Narloch, sem citar a fonte da pesquisa em questão.

“Mesmo que esse número seja exagerado, e de fato ele parece mesmo exagerado, o fato é que é dezenas de vezes maior, maior a chance do que na população geral. A questão é que outros critérios para exclusão já restringem os gays que têm comportamento promíscuo, né?”, continuou Leandro, piorando mais ainda a situação.

Os apresentadores do programa, Marcela Rahal e Phelipe Siani, ficaram sem reação diante das frases ditas pelo comentarista. “Bom, é… A gente acabou de falar sobre essa mudança de protocolo. 2020 e só agora a gente teve retirado de fato esse impedimento de homossexuais fazendo doação de sangue”, falou Siani. “Gente!”, limitou-se a falar Marcela, mudando repentinamente de assunto.

Na internet, a fala do jornalista da CNN Brasil foi bastante criticada. “Rapaz, nunca ouvi tanta merda na minha vida. E olha que acompanho Bolsonaro desde 2013, mas essa supera todas as merdas que o presidente já disse”, disse um usuário do Twitter.


Fonte: IG GENTE

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana