conecte-se conosco


Saúde

Moto barulhenta aumenta risco de perda auditiva em piloto

Publicados

em

O problema se agrava porque é comum motociclistas alterarem o sistema de escapamento, elevando ainda mais o nível de ruído - Foto: Carlos Grevi

Nas grandes cidades, eles já são uma febre. São os motociclistas, que driblam o trânsito e disparam entre os carros. Motociclistas gostam de ouvir o ronco de sua moto, seja por prazer, ou para “avisar” pedestres e motoristas que ‘estão na área’. Mas há quem exagere e aí, as consequências podem ser sérias. Primeiro, por causa das multas; segundo, porque tiram o sossego das ruas e assustam os motoristas com suas acelerações repentinas; e terceiro, porque tanto ruído traz riscos à saúde auditiva.

Ainda em 2020, com a chegada da pandemia de covid-19, o número de motoboys circulando pelas ruas cresceu enormemente devido ao aumento nas entregas de refeições e mercadorias. Isso acabou gerando um efeito colateral: cresceu o risco de perda auditiva entre esses pilotos em decorrência do barulho contínuo da moto em períodos ainda maiores do dia.

Pesquisa do National Institute on Deafness and Other Communication Disorders (Instituto Nacional de Surdez e Outras Doenças de Comunicação), nos Estados Unidos, comprovou que o ruído de motocicletas pode comprometer a saúde auditiva dos pilotos. Especialistas são unânimes em afirmar que, dependendo do tempo de exposição, ruídos acima de 85 dB podem causar alterações na estrutura interna da orelha. Como efeito de comparação, uma conversação normal atinge 60 dB.

O problema se agrava porque é comum motociclistas alterarem o sistema de escapamento, utilizando ponteiras esportivas ou personalizadas, que elevam ainda mais o nível de ruído emitido pelas motos. Muitos adeptos alegam que o uso do escapamento nas motos ajuda os motoqueiros porque chama a atenção dos motoristas de carro e pedestres desatentos.

Outra fonte de ruído perigosa para a audição é a buzina, que não deve ser usada de maneira intermitente, como hoje fazem os motoboys para abrir caminho no trânsito. E para piorar a situação, muitos ainda usam fones de ouvido para ouvir música em volume alto enquanto pilotam. Tudo isso junto pode causar danos ainda mais graves à audição.

Perda gradual

A fonoaudióloga Rafaella Cardoso, da Telex Soluções Auditivas, chama atenção para os riscos. “A exposição frequente a níveis sonoros elevados pode causar danos à audição. A perda é gradual e progressiva. Não é perceptível em um primeiro momento. Vai-se perdendo a audição de acordo com a maior intensidade de ruído e com tempo de exposição, ao longo dos anos. Isso depende também de outros fatores, como predisposição genética”, esclarece.

Estudo realizado pela Doutora em Engenharia de Produção Juliana de Conto, na Universidade Federal de Santa Catarina, também comprovou o problema. A pesquisa, que avaliou a exposição ao ruído de 17 mototaxistas de Balneário Camboriú (SC), mostrou que eles estão expostos a um nível de pressão sonora superior a 82,1 dB, com dose de ruído acima do permitido para o tempo de trabalho – doze horas diárias. Dos mototaxistas estudados, oito apresentaram limiares auditivos dentro dos padrões de normalidade e nove apresentaram alteração dos limiares tonais.

É importante lembrar que motocicleta barulhenta gera multa de trânsito no valor de R$ 195,23, além de retenção do veículo. Pelo Código de Trânsito Brasileiro (CTB), todos os veículos devem ter suas características originais.

Embora ainda exista pouca fiscalização, em muitas cidades brasileiras policiais e agentes municipais estão nas ruas autuando motociclistas por causa do escapamento irregular.

Por tudo isso, é importante que os motociclistas tomem consciência desses riscos e se cuidem, começando por zelar pela boa manutenção da moto. A máquina bem cuidada faz menos barulho. É preciso observar vibrações, regulagem, descarga, amortecedores, suspensão. Afinal, se a motocicleta é, muitas vezes, instrumento de trabalho, a saúde auditiva também é fundamental para garantir o emprego por muitos e muitos anos.

Comentários Facebook

Saúde

Rotina equilibrada de sono deve ser praticada para manter o corpo saudável

Publicados

em

Por

O sono é responsável por uma série de funções no corpo humano e é fundamental para manter o organismo funcionando corretamente. Com isso, a atividade mantém o equilíbrio emocional, restabelecendo a disposição para realizar as atividades do dia a dia. O humor também é afetado drasticamente, já que um sono de má qualidade pode gerar estresse e irritabilidade.

Segundo dados de um estudo recente, envolvendo membros da Associação Brasileira do Sono e analisando a rotina de 2.635 adultos de várias regiões do país, 65,5% deles foram classificados como “maus dormidores”, ou seja, pessoas que não têm uma boa qualidade de sono. No repouso noturno o organismo desempenha funções como o reparo dos tecidos e o crescimento muscular. É nesse momento que ocorre a reposição de energias e a regulação do metabolismo, fatores determinantes para manter corpo e mente saudáveis.

A otorrinolaringologista e especialista em medicina do sono da Unimed Vitória Zuleika Paim explica que uma noite de sono equilibrada auxilia na consolidação da memória, principalmente na fase REM, que é o estágio final do ciclo do sono e quando os sonhos acontecem, com duração entre 10 e 20 minutos. Os principais benefícios são o fortalecimento do sistema imunológico e a liberação de alguns hormônios, como o responsável pelo crescimento. “Na fase REM do sono, durante os sonhos, os acontecimentos são repassados e os traumas são reprocessados. Com isso, o sono é essencial também para saúde mental”.

É possível saber, com sinais no dia a dia, quando se está dormindo mal. Os indícios são: sonolência excessiva durante o dia; facilidade para dormir a qualquer hora e lugar; dificuldade de concentração e foco durante o dia; memória ruim e alterações no humor. Por exemplo, dormir mais nos fins de semana pode ser a consequência de poucas horas de sono durante os dias da semana. Praticar uma rotina com redução de horas de sono é nocivo à saúde, porque enfraquece o sistema imunológico, aumenta os riscos cardiovasculares e de distúrbios metabólicos, como o maior risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2, além de aumentar os riscos associados a alguns tipos de câncer.

Zuleika alerta que as necessidades de um repouso noturno variam conforme cada época da vida e vai diminuindo com a idade. Os recém-nascidos devem dormir por mais de 14 horas por dia, adolescentes de 8 a 10 horas, adultos de 7 a 9 horas e idosos entre 7 e 8 horas. “Dormir cronicamente menos de 6 horas por dia é considerado uma forma grave de insônia. Uma pequena parcela da população pode ter uma necessidade de sono menor que seis horas, determinada geneticamente e sem prejuízo para saúde, mas isso é raro. Se a pessoa tem o sono noturno reparador, em quantidade adequada, não deveria sentir sonolência durante o dia”.

Insônia

Segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS), a insônia atinge 73 milhões de brasileiros. A insônia não é apenas um incômodo. É um distúrbio relacionado ao aumento do risco de doença cardiovascular, morte, depressão, obesidade e presença de índices elevados de gordura no sangue, além de ansiedade, fadiga e hipertensão. Em quadros crônicos, tem relação com os acidentes de trânsito, domésticos e no trabalho.

O diagnóstico é realizado por meio do histórico clínico do paciente. Deve ser procurado um médico para que o profissional investigue os aspectos emocionais da pessoa, se há sinais de depressão ou ansiedade, e os hábitos que podem causar mudanças no sono, como consumo excessivo de café e a prática de exercícios físicos perto da hora de dormir.

Dicas para uma melhor rotina de sono:

– Não dormir durante o dia

– Fazer refeições leves à noite

– Evitar cafeína (café, mate, chocolates, refrigerantes) após as 16 horas

– Manter um horário regular para dormir e acordar todos os dias, inclusive aos finais de semana

– Se expor à claridade durante o dia, principalmente pela manhã. A luz é o principal sincronizador do relógio biológico

– Reduzir os estímulos luminosos durante a noite, incluindo as telas, sobretudo nas duas horas que antecedem o sono

– Praticar atividades físicas regularmente. Se possível evitar o período da noite

– Escrever os afazeres do dia seguinte em um papel, cerca de duas horas antes de dormir, para ajuda a acalmar a mente

– Atenção para o quarto de dormir: deve estar escuro e silencioso. Temperaturas mais frias favorecem o sono

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana