conecte-se conosco

Grande Vitória

Oficina de Doces Natalinos e Panetones segue a todo vapor na Inclusão Produtiva

Publicado

Carlos Antolini

Arlete

"Quero aprender receitas novas, com ingredientes diferentes", disse Arlete Maria, que já tem experiência na área de confeitaria

Quem passa pela rodovia Serafim Derenzi já pode sentir o cheiro dos confeitos quentinhos, saídos do forno, produzidos pelas alunas da oficina de Doces Natalinos e Panetones na Inclusão Produtiva.

A turma está aprendendo a fazer cookies, panetones, cupcakes, brownies, bombons e doces finos e, como as aulas são práticas, todos os dias há receita nova e degustação. “Está sendo muito bom dar aula para essa turma tão interessada, tão dedicada”, disse o instrutor Jackson Honorato Simões.

Entre as 20 alunas, há pessoas com pouca experiência em cozinha, que precisam de mais atenção no preparo de receitas mais delicadas. “Elas perguntam tudo, testam em casa e me trazem os resultados, em pouco tempo estarão preparadas para o mercado”, disse o instrutor.

Já alunas como Arlete Maria da Silva têm bastante experiência e, mesmo assim, estão aprovando o curso. “Quero aprender receitas novas, com ingredientes diferentes. Tudo faz a gente crescer”, disse Arlete, que participou da oficina de Confeitaria no ano passado.

“Primeiro eu pratiquei bastante em casa, com a família e os amigos. Depois comecei a produzir para vender e hoje já tenho minhas clientes”, conta, acrescentando que já atua como confeiteira para complementar a renda familiar.

A expectativa dela para a oficina de Doces Natalinos é muito positiva. “Eu mal comecei o curso e já tenho encomenda de panetone e de cupcake para o Natal”, conta.

A oficina foi iniciada na segunda-feira (4) e se estende até dia 14. 

Carlos Antolini

Oficina de Doces Natalinos e Panetones

(Ampliar imagem)

Comentários Facebook
publicidade

Grande Vitória

Termo de compromisso garante o bom funcionamento das feiras livres

Publicado


.

Para conter a disseminação do novo coronavírus (Covid-19) e garantir a saúde feirantes e dos clientes, foi elaborado um termo de compromisso entre a Prefeitura de Cariacica e os feirantes que atuam no município. No documento os comerciantes comprometeram-se a cumprir todas as exigências do decreto 065/2020, que dispõe sobre medidas de segurança para a realização das feiras. Diariamente são realizadas fiscalizações.  

“O termo é um documento que assegura que qualquer sanção sofrida por um feirante é de total conhecimento dele, que infringiu o decreto. Todos assinaram sem questionamentos, mostrando total apoio às medidas. Além disso, a Prefeitura tem um canal aberto com eles, para tomar decisões em comum acordo com os representantes deles”, garante o coordenador de Feiras Livres, Carlos Magno Freitas.

Cariacica possui 22 feiras livres e o trabalho de fiscalização segue o calendário de realização delas, amanhã, por exemplo, será fiscalizada a do bairro Santana. A equipe é composta por três servidores da Coordenação de Feiras Livres, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento da Cidade e Meio Ambiente (Semdec). Os trabalhos começam às 6h e seguem até por volta das 20h, em dias que acontecem muitas feiras.

Freitas afirma que as fiscalizações têm caráter orientativo, já que, em sua maioria, os feirantes tornaram-se parceiros, o que facilita o trabalho da coordenação. Ele conta que os descumprimentos ao decreto são pontuais.

“Semana passada, fizemos quatro notificações na feira de Cariacica Sede, duas barracas foram retiradas e dois feirantes foram notificados para se cadastrarem, pois já possuem barracas nas feiras”, explica.  

Decreto

Desde o dia 28 de março, as feiras livres estão funcionando com uma série de  exigências, conforme o decreto nº 065 de 27 de março de 2020. O documento prevê espaçamento lateral de, no mínimo, 1,5 meio entre as barracas e sem produtos ao redor, os mesmos devem ser depositados nos tabuleiros ou armazenados embaixo dos mesmos; proibição de pessoas com idade superior a 60 anos ou com sintomas de gripe e/ou resfriado entre os feirantes e pasteis, caldos de cana e outros alimentos devem ser comercializados em embalagens fechadas e próprias para o transporte, pois não podem ser consumidos no local  

Outras exigências dizem respeito à disponibilização de mesas e cadeiras para atendimento aos clientes, à utilização de áreas destinadas ao fluxo de pessoas e à higienização frequente das mãos e dos utensílios manuseados. Para auxiliar no cumprimento desta medida, a Prefeitura instalou pias sanitárias em todas as feiras.  

O feirante que infringir os termos do decreto terá o cadastro para participar de feiras na cidade excluído e será encaminhado à delegacia. Denúncias devem ser feitas pela Ouvidoria 162, de segunda a sexta-feira, das 12h às 17h.    

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana