conecte-se conosco

Polícia

Operação Marduque contra notas falsas no Espírito Santo

Publicado

OPERAÇÃO MARDUQUE

 

A Polícia Federal no Espírito Santo, através da Delegacia de combate aos Crimes Fazendários (Delefaz) deflagrou na manhã desta segunda-feira, 02/12/19, a Operação MARDUQUE, com objetivo de combater crime de fabricação de moeda falsa e venda das mesmas por intermédio do aplicativo WhatsApp para compradores em diversos Estados da Federação.

 

 

A operação contou com a participação de 17 Policiais Federais, sendo realizado o cumprimento de três mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva nas residências dos investigados nos Municípios de Vitória e Viana/ES.

 

No transcorrer do cumprimento foi localizada grande quantidade de cédulas falsas no domicílio do investigado preso preventivamente, resultando também na sua prisão em flagrante, uma vez que tal conduta configurou o crime de ter a guarda disposto no parágrafo 1º do art.289 do Código Penal Brasileiro.

 

Ademais, nos domicílios supracitados houve também a apreensão de equipamentos utilizados para contrafação (falsificação), bem como equipamentos de mídia em geral.

Leia mais:  Academia de Polícia Militar recebe visita técnica de comissão do Conselho Estadual de Educação

 

 

ENTENDA O CASO

Trata-se de investigação de esquema de falsificação de cédulas de real. A investigação partiu de notícia crime apresentada pelos Correios em virtude da interceptação de objetos postados em Vitória para diversos Estados contendo em seu interior as cédulas falsas de reais e postadas por um mesmo remetente que se utilizava de nome falso. O investigado se utilizava de grupos de whatsapp para a venda das cédulas em diversos Estados do Brasil.

 

Em outro caso investigado na Operação o investigado usava as cédulas falsas para compra de produtos anunciados em site de anúncio de vendas de produtos no Espírito Santo.

DO NOME DA OPERAÇÃO

MARDUQUE: foi o pseudônimo utilizado pelo principal investigado na prática dos crimes   de modo irônico, uma vez que significa deus protetor da cidade da Babilónia, pertencente a uma geração tardia de deuses da antiga Mesopotâmia, como também um nome utilizado como VILÃO em um game.

 

CRIMES INVESTIGADOS

Os investigados, responderão pelos crimes de falsificação e guarda de moeda falsa, presente no art.289 do Código Penal, em que a pena varia entre 03 a 12 anos de reclusão.

Leia mais:  Funcionário de distribuidora de bebidas é preso após furtar cerveja em restaurante de Vargem Alta, ES

 

        Art. 289 – Falsificar, fabricando-a ou alterando-a, moeda metálica ou papel-moeda de curso legal no país ou no estrangeiro:

        Pena – reclusão, de três a doze anos, e multa.

  • 1º – Nas mesmas penas incorre quem, por conta própria ou alheia, importa ou exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na circulação moeda falsa.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Acidente entre dois carros em Guarapari

Publicado

por

Um acidente na Rodovia do Sol, na altura de Porto Grande, em Guarapari, deixou duas pessoas feridas, na noite desta quinta-feira (16).

O acidente envolveu um veículo Pajero e um Fiesta. O Pajero seguia no sentido Anchieta, rodou na pista e capotou. O outro vinha no sentido contrário. De acordo com os moradores da região, os acidentes são constantes devido a falta de iluminação no local. Os feridos foram socorridos pela equipe do Samu 192.

Fonte: Tempo Real

Comentários Facebook
Leia mais:  Atingido por machadinha, aluno correu até hospital próximo à escola
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana