conecte-se conosco

Polícia

Operação Marduque contra notas falsas no Espírito Santo

Publicado

OPERAÇÃO MARDUQUE

 

A Polícia Federal no Espírito Santo, através da Delegacia de combate aos Crimes Fazendários (Delefaz) deflagrou na manhã desta segunda-feira, 02/12/19, a Operação MARDUQUE, com objetivo de combater crime de fabricação de moeda falsa e venda das mesmas por intermédio do aplicativo WhatsApp para compradores em diversos Estados da Federação.

 

 

A operação contou com a participação de 17 Policiais Federais, sendo realizado o cumprimento de três mandados de busca e apreensão e um mandado de prisão preventiva nas residências dos investigados nos Municípios de Vitória e Viana/ES.

 

No transcorrer do cumprimento foi localizada grande quantidade de cédulas falsas no domicílio do investigado preso preventivamente, resultando também na sua prisão em flagrante, uma vez que tal conduta configurou o crime de ter a guarda disposto no parágrafo 1º do art.289 do Código Penal Brasileiro.

 

Ademais, nos domicílios supracitados houve também a apreensão de equipamentos utilizados para contrafação (falsificação), bem como equipamentos de mídia em geral.

Leia mais:  Novo aplicativo APP 190 ES é apresentado e já está disponível para a população

 

 

ENTENDA O CASO

Trata-se de investigação de esquema de falsificação de cédulas de real. A investigação partiu de notícia crime apresentada pelos Correios em virtude da interceptação de objetos postados em Vitória para diversos Estados contendo em seu interior as cédulas falsas de reais e postadas por um mesmo remetente que se utilizava de nome falso. O investigado se utilizava de grupos de whatsapp para a venda das cédulas em diversos Estados do Brasil.

 

Em outro caso investigado na Operação o investigado usava as cédulas falsas para compra de produtos anunciados em site de anúncio de vendas de produtos no Espírito Santo.

DO NOME DA OPERAÇÃO

MARDUQUE: foi o pseudônimo utilizado pelo principal investigado na prática dos crimes   de modo irônico, uma vez que significa deus protetor da cidade da Babilónia, pertencente a uma geração tardia de deuses da antiga Mesopotâmia, como também um nome utilizado como VILÃO em um game.

 

CRIMES INVESTIGADOS

Os investigados, responderão pelos crimes de falsificação e guarda de moeda falsa, presente no art.289 do Código Penal, em que a pena varia entre 03 a 12 anos de reclusão.

Leia mais:  Avô acusado de abuso sexual com a própria neta

 

        Art. 289 – Falsificar, fabricando-a ou alterando-a, moeda metálica ou papel-moeda de curso legal no país ou no estrangeiro:

        Pena – reclusão, de três a doze anos, e multa.

  • 1º – Nas mesmas penas incorre quem, por conta própria ou alheia, importa ou exporta, adquire, vende, troca, cede, empresta, guarda ou introduz na circulação moeda falsa.

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Homem é morto a tiros no Village da Luz, em Cachoeiro

Publicado

O jovem Cassiano Corrêa Oliveira foi morto a tiros na noite desta quinta-feira (05), no bairro Village da Luz, na região conhecida como Pombal, em Cachoeiro de Itapemirim.

O homicídio, mais um na guerra do tráfico que assola o bairro, assusta moradores que estão sendo obrigados a conviverem com trocas de tiros e assassinatos frequentes na região.

A Policia Militar está no bairro e aguarda a chegada da Perícia Técnica no local do crime. A motivação do homicídio ainda é desconhecida, assim como a autoria.

Fonte: Da Horaes

Comentários Facebook
Leia mais:  Mais uma adolescente é detida por ameçar ataque a uma escola, desta vez, no RS
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana