conecte-se conosco

Polícia

PCES deflagra operação para coibir exploração sexual de adolescentes na Grande Vitória

Publicado


.

A equipe da Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), em conjunto com o Departamento de Investigações Criminais (Deic), deflagrou, nesta terça-feira (15), a 1ª fase da Operação “Escarlate”, que visa a coibir a prática do crime de favorecimento à prostituição de adolescentes da Grande Vitória. Ao todo, 10 mandados de busca e apreensão foram cumpridos nos cinco municípios da Região Metropolitana.

Durante a ação policial, foram apreendidos três notebooks, oito celulares, quatro HDs externos, dois tablets e um computador. “Chegou ao nosso conhecimento a existência de perfis falsos nas redes sociais, que estavam realizando contato com adolescentes para atraí-los à prostituição. Iniciamos as investigações para identificar os responsáveis por essa prática delituosa e agora esses equipamentos serão periciados e servirão para robustecer a investigação criminal”, explicou o titular da DPCA, delegado Diego Aleluia.

Ainda segundo o delegado, nessa primeira fase da operação foram solicitados apenas mandados de busca e apreensão. “As apreensões servirão para obtermos mais elementos informativos. Além disso, está previsto que outra fase da operação seja realizada nos próximos meses”, ressaltou.

Diego Aleluia ressaltou ainda que denúncias a respeito desse crime podem ser realizadas na DPCA. “Caso algum adolescente tenha sido contatado pelas redes sociais para que se submeta a alguma forma de exploração sexual, pedimos que procure a DPCA para registrar a ocorrência”, frisou.

 

Serviço:  Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA)

Endereço: Rua Lizandro Nicoleti, s/nº, Jucutuquara, Vitória-ES;
Horário de funcionamento: De segunda a sexta-feira, das 8h às 18h;     
Telefone: (27) 3132-1916.

 

Texto: Fernanda Pontes

 

Assessoria de Comunicação Polícia Civil

Comunicação Interna – (27) 3137-9024

Agente de Polícia Fernanda Pontes

[email protected]

 

Atendimento à Imprensa:

Olga Samara/ Camila Ferreira
(27) 3636-1536/ (27) 99846-1111/ (27) 3636-9928 / (27) 99297-8693

[email protected]

 

 

Comentários Facebook
publicidade

Polícia

Dia do auxiliar de Perícia Médico-Legal celebra a competência e o profissionalismo na PCES

Publicado


.

Entre os profissionais da Polícia Civil do Espírito Santo (PCES) o Auxiliar de Perícia Médico-Legal (APML) é o responsável por identificar vítimas fatais, a causa da morte, o recolhimento de informações sobre crimes diversos e receber a população. Tarefas extremas, que lidam, principalmente, com o cuidado às vítimas e suas famílias, exigem profissionais preparados. Nesta quarta-feira (16), é celebrada a competência e o profissionalismo desses servidores tão importantes para o funcionamento da nossa PCES.

Ellen Poli, perita na área de antropologia do Departamento de Perícia Médico-Legal (DML) de Vitória, desde 2007, trabalha no atendimento aos familiares que procuram por seus entes que estão desaparecidos há mais de 30 dias e no reconhecimento de cadáveres que exigem exames complementares para serem identificados. “Isso significa que preciso lidar com famílias em luto. Por isso, em muitos casos, o trabalho exige uma atenção especial e precisamos ouvir suas histórias para conseguirmos identificar e localizar essas vítimas. Nosso trabalho exige um olhar extremamente técnico, mas também um agir humanizado”, disse.

Para essas identificações, a perita e seus três colegas na antropologia trabalham em conjunto à Delegacia Especializada de Homicídio – Pessoas Desaparecidas (DEPD), para buscarem elementos que facilitem na localização. “Mesmo com as dificuldades, agimos em conjunto e buscamos todas as provas que temos catalogadas. Lembro-me de dois casos em que as famílias nos procuraram para localizar seus parentes desaparecidos há anos. Em um dos episódios, uma filha, que não via o pai há cinco anos, descobriu que o pai havia falecido, após exames de DNA. Assim, damos um conforto para a família, pois a incerteza, às vezes, dói mais do que a verdade”, afirmou a perita.

Oberdan de Castro, auxiliar de perícia que trabalha no DML há mais de 13 anos, narra um caso de uma necropsia que fez em uma criança com histórico de queda de escada. “Aconteceu que, durante a perícia, percebemos que ela foi vítima de homicídio por espancamento, além de maus tratos, devido às lesões internas e as condições gerais do corpo da criança. De imediato, ligamos para a Delegacia de Homicídios e o pai, que era o autor do crime, foi preso logo na recepção do departamento. Quando você consegue ajudar a uma pessoa que passa por uma situação como essa, de uma certa forma, se sente realizado. É um sentimento de dever cumprido”, relatou.

Atualmente, o auxiliar de perícia trabalha no atendimento ao público no DML. Segundo ele, para evitar o acúmulo de estresse, ele e os cinco peritos da equipe criam um ambiente leve. “Fora do serviço, cada um tem seu hobby, atividades físicas, intelectuais, viagens, enfim, cada um libera o estresse à sua maneira. Pela própria natureza do trabalho, algumas tarefas trazem estresse e tristezas inevitáveis. Entretanto, realizar um trabalho essencial, para pessoas em um momento muito complicado de suas vidas, nos ajuda a passar por estas situações difíceis no trabalho”, destacou.

Ainda segundo Ellen Poli e Oberdan de Castro, além dos cuidados que já tinham diariamente, várias adaptações tiveram que ser feitas no ambiente de atendimento à população do DML, por conta da pandemia, para evitar a exposição da população e dos funcionários. “Nosso objetivo é atender a população com segurança, então redobramos os nossos cuidados com máscaras N95, utilização extensiva de álcool e a reorganização da recepção das famílias para evitarmos a propagação do vírus”, destacou o auxiliar de perícia. “Apesar dos medos impostos pela pandemia, nosso serviço não pode parar. Continuamos a prestar o serviço à população, com profissionalismo, ética e competência, para trazermos algum conforto para essas famílias”, ressaltou Ellen Poli.

 

Texto: Fernanda Pontes

 

Assessoria de Comunicação Polícia Civil

Comunicação Interna – (27) 3137-9024

Agente de Polícia Fernanda Pontes

[email protected]

 

Atendimento à Imprensa

Olga Samara/ Camila Ferreira

(27) 3636-1536/ (27) 99846-1111/ (27) 3636-9928 / (27) 99297-8693

[email protected]

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana