conecte-se conosco


Estado

Pesquisadoras capixabas criam observatório obstétrico com apoio da Fapes e da Fundação Gates

Publicados

em

 

O Espírito Santo receberá, em breve, o Observatório Obstétrico Brasileiro com o propósito de manter uma plataforma contendo informações qualificadas e auxiliar os gestores do Estado nas tomadas de decisões que envolvam a saúde materna, fetal e infantil. A iniciativa foi selecionada na chamada internacional Grand Challenges Explorations (GCE), lançada em agosto de 2020, e receberá o total de R$ 686,7 mil, resultado da parceria entre a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes), a Fundação Bill & Melinda Gates e o Governo Federal.

Desse valor, serão repassados R$ 137,5 mil pela Fapes, R$ 399,8 mil pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e R$ 149,4 mil vêm da Fundação Gates.

A coordenadora da proposta é a professora Agatha Sacramento Rodrigues, do Departamento de Estatística da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes). Segundo a pesquisadora, os envolvidos no projeto desenvolverão uma plataforma interativa para monitoramento e análise de dados públicos e para disseminação de informações da área obstétrica de todo Brasil.

“Serão disponibilizadas as análises exploratórias dos dados, com visualização on-line, dinâmica e com filtragens escolhidas pelo usuário, além dos resultados de análises e modelos preditivos”, explica.

A página eletrônica do observatório contará com uma seção destinada à criação de indicadores obstétricos obtidos a partir de bases de dados públicas, assim como às análises de associação entre indicadores socioeconômicos e indicadores obstétricos já existentes e os que serão criados. A equipe envolvida na proposta também planeja a produção do livro “Ciência de Dados Aplicada à Saúde da Gestante, Fetal e Neonatal”, que será disponibilizado gratuitamente para disseminar ainda mais o conhecimento gerado.

Agatha Rodrigues também destaca a intenção de avaliar os impactos das pandemias da gripe A, em 2009, provocada pelo vírus H1N1, e da Covid-19, em 2020, causada pelo novo Coronavírus (SARS-CoV-2), assim como identificar as diferenças entre elas e suas consequências na saúde materna e infantil para que seja possível desenhar políticas públicas para crises futuras.

“Por meio da chamada internacional, incentivamos pesquisadores a proporem projetos inovadores para a resolução de problemas em ciência de dados para melhoria da saúde das mulheres, das mães e das crianças no Brasil. Projetos nestes temas possuem grande relevância social, pois proporcionam dados que permitirão definir políticas públicas relacionadas à saúde materno e infantil, sendo estas muito importantes para melhoria da saúde e por consequência da qualidade de vida das mulheres e das crianças”, declarou a diretora técnico-científica da Fapes, Denise Rocco de Sena.

Ciência de Dados para Saúde Materno-Infantil

Foi lançada em agosto de 2020 a chamada internacional “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil, saúde da mulher e da criança no Brasil” para financiar propostas inovadores que utilizem análises de bancos de dados e técnicas de machine learning para entender os principais fatores que impactam a saúde materno-infantil, a saúde das mulheres e das crianças no Brasil.

A chamada faz parte do Grand Challenges Explorations (GCE), iniciativa da Fundação Bill & Melinda Gates, que neste edital contou com a parceria do Ministério da Saúde, do CNPq e do Conselho Nacional das Fundações Estaduais de Amparo à Pesquisa (Confap).

Grand Challenges Explorations

Em 2007, a Fundação Gates lançou o Grand Challenges Explorations para apoio a projetos inovadores em todo o mundo. Duas vezes ao ano, são lançadas chamadas públicas para receber propostas de projetos de alto risco e alta recompensa em diversos desafios propostos. No Brasil, uma parceria com o Confap, por meio das fundações estaduais de amparo à pesquisa, proporciona um aporte financeiro adicional.

Entre os 12 projetos selecionados na Chamada “Ciência de dados para melhorar a saúde materno-infantil, saúde da mulher e da criança no Brasil”, três receberão apoio financeiro das fundações estaduais. Além da proposta contemplada no Espírito Santo, projetos selecionados na Bahia e no Rio Grande do Sul também contarão com financiamento das agências estaduais de fomento à pesquisa.

 

Fonte: Governo ES

Comentários Facebook
Propaganda

Estado

Atendimentos via App Procon-ES cresceram 159% em 2020

Publicados

em

 

A internet tem facilitado o acesso do consumidor aos seus direitos e o atendimento on-line, que já é uma tendência, continua crescendo, principalmente em tempos de pandemia. Em 2020, as demandas recebidas via App Procon-ES cresceram 159%, se comparado ao mesmo período de 2019, totalizando 5.618 atendimentos realizados pelo aplicativo, com índice de solução de 65%.

Em 2019, foram concluídas 2.162 demandas. As principais queixas estão relacionadas a compras pela internet, seguros, vendas casadas (inclusão de seguro em vendas sem a autorização do consumidor), empréstimos e companhias aéreas.

O diretor-presidente do Procon-ES, Rogério Athayde, informou que, por meio do aplicativo, disponível para Android, é possível tirar dúvidas, registrar denúncias e reclamações de qualquer lugar e a qualquer hora. O aplicativo permite que o consumidor envie fotos que comprovem a denúncia e dos seus documentos pessoais para a abertura da reclamação.

“Os consumidores, moradores da Região Metropolitana da Grande Vitória, são os que mais utilizam o aplicativo. Essa é uma excelente ferramenta para que consumidores moradores de outras regiões do Estado, principalmente dos municípios onde não tem uma unidade do Procon resolvam os seus problemas de consumo sem precisar se deslocar”, ressaltou Athayde.

Como usar o App Procon-ES

O App está disponível na plataforma Android e o uso da ferramenta é bastante simples. Ao acessá-la, o usuário visualiza uma mensagem informando que as demandas são respondidas em até 72 horas úteis pela equipe Procon-ES.

Na tela, é preciso clicar em “Acessar” para iniciar a inserção dos dados. Em seguida, deve-se preencher as informações cadastrais (nome, CPF, RG, data de nascimento, telefone, e-mail, endereço, cidade, entre outras).

Posteriormente, é preciso inserir o assunto da demanda (alimentos, financeiro, habitação, produtos, saúde, serviços essenciais e serviços privados). Após essa etapa, é necessário relatar o fato e clicar em enviar. Para a abertura da reclamação, é importante enviar fotos dos documentos pessoais, como RG, CPF e documentos que comprovem a relação de consumo, como nota fiscal, ordem de serviço, faturas, boletos, contrato etc., para a notificação do fornecedor.

Fonte: Governo ES

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana