conecte-se conosco

Mundo

Posições sobre celibato causam guerra interna no Vaticano

Publicado

source

Agência Brasil

Papa emérito Bento XVI está no centro da discussão sobre celibato no Vaticano arrow-options
Reprodução/Twitter

Papa emérito Bento XVI está no centro da discussão sobre celibato no Vaticano


Bento XVI não teria aprovado a publicação do livro escrito em conjunto com o cardeal Robert Sarah, no qual o celibato dos sacerdotes é defendido, disseram fontes próximas ao papa emérito a veículos de comunicação.

Uma guerra interna travou-se no Vaticano na noite passada, quando alguns meios de comunicação, incluindo o Corriere della Sera, publicaram uma versão de alguém que não se quis identificar, mas se disse próximo do papa emérito, afirmando que Bento XVI não teria escrito o livro “a quatro mãos” e que se trata de uma operação editorial midiática a que ele é totalmente alheio.

A mesma fonte explicou que o papa emérito “apenas disponibilizou a Sarah um texto sobre o sacerdócio que estava escrevendor” e que “não sabia nada sobre a capa de um livro, nem o aprovara”.

Essas declarações provocaram uma reação dura do cardeal prefeito da Congregação para o Culto Divino, que afirmou no Twitter que acusá-lo de mentir era “difamação de extrema gravidade”.

“Hoje à noite, eu comprovei a minha estreita colaboração com Bento XVI para escrever este texto a favor do celibato. Falarei amanhã, se necessário”, acrescentou Sarah, que publicou as fotos de três cartas que Bento XVI lhe enviou.

Leia também: Indianos protestam contra construção de Cristo Redentor igual ao do Rio

Formato

As cartas confirmam que o papa emérito enviou um texto sobre o sacerdócio e o autorizou a publicar “da maneira que pretendia”, mas não especificam em nenhum momento se é um livro, com uma introdução e uma conclusão assinada por ambos.

A polêmica no Vaticano s urgiu no domingo (12), quando foi anunciado um novo livro assinado por Bento XVI e Sarah – um dos principais líderes da ala conservadora que critica as posições do papa Francisco -, no qual o celibato é defendido, diante da decisão que terá de ser tomada pelo papa argentino sobre a proposta de ordenar homens casados, feita no Sínodo da Amazónia.

Trechos do livro foram publicados domingo no site do jornal francês Le Fígaro.

Oposição a Francisco

A obra, em francês, tem como título “Das profundezas dos nossos corações” (Des profondeurs de nos coeurs) e chegará às livrarias esta semana, enquanto o papa encerra a sua exortação apostólica após o Sínodo da Amazónia . Para muitos, esse é um movimento para pressionar Francisco.

Assim, surgiram novamente acusações de que Ratzinger, 92 anos, que há anos se limita a breves aparições gravadas ou fotografadas por um jornalista ou amigo que o visitou, nas quais quase nunca faz declarações e se percebe que fala com grande dificuldade, pode estar a ser manipulado pela área mais conservadora da Igreja.

Bento XVI rompe silêncio e diz que celibato é indispensável

Comunicado

Os veículos oficiais do Vaticano limitaram-se a garantir que no livro “os autores expõem as suas intervenções no debate sobre o celibato e a possibilidade de ordenar homens casados” e que Ratzinger e Sarah se definem como dois bispos que mantêm “obediência ao papa Francisco”, de acordo com um artigo do diretor editorial Andrea Tornielli.

O responsável pela assessoria de imprensa, Matteo Bruni, disse que o papa Francisco sempre se opôs à eliminação do celibato, mas não se pronunciou sobre se Ratzinger concordou ou não com a publicação desse volume.

*Emissora pública de televisão de Portugal

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
publicidade

Mundo

Viagem aérea: 55% dos passageiros vão esperar 6 meses pós-pandemia para viajar

Publicado


source
avião levantando voo
Agência Brasil

Pela pandemia, setor aéreo perdeu cerca de US$ 84 bilhões em 2020


Segundo pesquisa realizada pela Associação Internacional de Transporte Aéreo (Iata), 55% de passageiros de 11 países afirmaram que só devem voltar a usar aviões seis meses após a estabilização da pandemia do novo coronavírus . Foram entrevistadas 4.700 pessoas que usaram serviços aéreos entre julho de 2019 e junho de 2020.


Dessa fatia, 36% informaram que esperariam seis meses, enquanto 14% devem esperar até um ano e 5% afirmaram não ter planos de usar avião nos próximos anos. Somente 12% afirmaram que não aguardariam a estabilização da Covid-19 no mundo para embarcar.

A pesquisa também abordou outros aspectos de segurança sanitária dos passageiros. Entre elas, a higienização das mãos em menor intervalo de tempo (77%), evitar aglomerações (71%) e utilizar máscara em ambientes públicos (67%).

Os passageiros também informaram a Iaca os momentos em que se sentiriam vulneráveis e propensos a serem infectados. Cerca de 65% têm medo de compartilhar o assento com uma pessoa positiva, 59% sentem receio de serem contaminados durante o deslocamento até o avião e 42% informaram que sentem risco nas filas de embarque e de check-in.

Trinta e sete por cento dos passageiros afirmam que se sentiriam mais seguros se as companhias aéreas realizarem triagem antes do embarque; 34% acreditam que é preciso tornar o uso de máscara obrigatório; e 33% afirma que é necessário manter distanciamento social nos assentos de passageiros.

O setor de viagens aéreas é um dos que foi diretamente impactados pela pandemia. O presidente da Iata, Alexandre de Juniac, afirma o déficit foi de US$ 84 bilhões.

Fonte: IG Mundo

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana