conecte-se conosco


Saúde

Principais vacinas e reações em bebês

Publicados

em

Fotos: Divulgação

Ao nascer, o bebê tem poucas defesas para combater infecções e as vacinas são muito importantes pois ajudam a estimular o sistema de proteção do organismo. Com isso, diminui o risco de a criança ficar doente pois ela passa a ter menos chances de adquirir infecções severas as quais afetariam seu neurodesenvolvimento.

A vacinação infantil protege de inúmeras doenças e faz parte dos cuidados básicos. Durante o primeiro ano, o bebê tomará mais vacinas do que ao longo de toda a sua vida e historicamente esta medida demonstrou ser a mais eficaz para reduzir a mortalidade. Entretanto, alguns podem apresentar reações adversas, mas que costumam ter pouca intensidade e permanecem por um curto período de tempo.

Ao nascer, em 15 dias, deve-se tomar a BCG em dose única. Ela pode resultar em efeitos que podem ser locais e regionais, como úlcera local, uma ferida que pode demorar para cicatrizar e ter a presença de linfadenopatia regional (gânglios). A BCG quase sempre deixa uma cicatriz característica no local em que foi aplicada.

A vacina da Hepatite B deve ser aplicada ao nascer, aos 2 e aos 6 meses de vida. Suas reações mais comuns são dor, enduração local, febre nas primeiras 24 horas, fadiga, irritabilidade e desconforto gastrointestinal leve. Raramente ocorrem reações alérgicas graves. Na tríplice bacteriana, aplicada com 2, 4 e 6 meses, pode ocorrer febre baixa a moderada, irritabilidade, vermelhidão, dor e inchaço no local da aplicação.

Com 2, 4 e 6 meses, o bebê deve tomar a vacina contra a Haemophilus influenzae tipo B (HiB). Ela é dada em uma vacina combinada, a pentavalente. Sua aplicação pode levar aos mesmos efeitos colaterais da tríplice bacteriana, febre de até 39 graus e desconforto no local da aplicação. Com o mesmo tempo de vida, o bebê deve tomar a do Rotavírus. Essa pode trazer os mesmos sintomas da vacina da poliomielite. Também pode levar a febre, fraqueza, irritabilidade, perda de apetite e vômitos.

A Poliomielite é aplicada com 2, 4 e 6 meses. Nesse caso pode ser o vírus atenuado, oral, e a VIP, de vírus inativo, injetável. Na injetável pode ocorrer vermelhidão, endurecimento e dor no local da aplicação e raramente febre moderada. Já a vacina oral, em geral, é bem tolerada, mas há chances do bebê ter reações alérgicas, como urticária e erupções na pele com coceira. A Pneumocócica conjugada deve ser aplicada com 2, 4, 6 e 12 meses. Pode causar dor, edema, vermelhidão, nódulo no local da injeção e irritabilidade.

Aos 3, 5, 7 e 12 meses são aplicadas as vacinas antimeningocócicas. Na meningocócica conjugada as reações são edema, endurecimento, dor e vermelhidão no local; perda de apetite, irritabilidade, sonolência, febre e dor muscular. Na meningocócica B, as reações mais comuns são sensibilidade e eritema no local, febre e irritabilidade. As reações mais incomuns a essas vacinas são as de caráter neurológico, já a Síndrome de Guillain-Barré, neuropatias e crises convulsivas são ocorrências raras. Outros efeitos que podem acontecer são choro inconsolável, convulsões febris e anafilaxia. Caso tenha alguma dúvida, procure o pediatra da criança.

Para prevenir ou amenizar as reações faça compressa gelada na região por 5 minutos, 3 vezes ao dia, no dia da aplicação da vacina. Não faça massagem nem comprima a região da aplicação e hidrate o bebê.

Lembre-se que por mais desconfortável que possa parecer, as reações são passageiras. A não vacinação pode resultar em doenças com consequências irreversíveis para a criança, inclusive graves sequelas neurológicas e problemas permanentes de locomoção e deficiências diversas. É um direito da criança ser vacinada. E vacinar também é um ato de amor. Vacinem seus filhos!

Dr. Clay Brites é Pediatra e Neurologista Infantil (Pediatrician and Child Neurologist); Doutor em Ciências Médicas/UNICAMP (PhD on Medical Science); Membro da ABENEPI-PR e SBP (Titular Member of Pediatric Brazilian Society); Integrante e palestrante do Instituto Neurosaber.

Comentários Facebook

Saúde

Rotina equilibrada de sono deve ser praticada para manter o corpo saudável

Publicados

em

Por

O sono é responsável por uma série de funções no corpo humano e é fundamental para manter o organismo funcionando corretamente. Com isso, a atividade mantém o equilíbrio emocional, restabelecendo a disposição para realizar as atividades do dia a dia. O humor também é afetado drasticamente, já que um sono de má qualidade pode gerar estresse e irritabilidade.

Segundo dados de um estudo recente, envolvendo membros da Associação Brasileira do Sono e analisando a rotina de 2.635 adultos de várias regiões do país, 65,5% deles foram classificados como “maus dormidores”, ou seja, pessoas que não têm uma boa qualidade de sono. No repouso noturno o organismo desempenha funções como o reparo dos tecidos e o crescimento muscular. É nesse momento que ocorre a reposição de energias e a regulação do metabolismo, fatores determinantes para manter corpo e mente saudáveis.

A otorrinolaringologista e especialista em medicina do sono da Unimed Vitória Zuleika Paim explica que uma noite de sono equilibrada auxilia na consolidação da memória, principalmente na fase REM, que é o estágio final do ciclo do sono e quando os sonhos acontecem, com duração entre 10 e 20 minutos. Os principais benefícios são o fortalecimento do sistema imunológico e a liberação de alguns hormônios, como o responsável pelo crescimento. “Na fase REM do sono, durante os sonhos, os acontecimentos são repassados e os traumas são reprocessados. Com isso, o sono é essencial também para saúde mental”.

É possível saber, com sinais no dia a dia, quando se está dormindo mal. Os indícios são: sonolência excessiva durante o dia; facilidade para dormir a qualquer hora e lugar; dificuldade de concentração e foco durante o dia; memória ruim e alterações no humor. Por exemplo, dormir mais nos fins de semana pode ser a consequência de poucas horas de sono durante os dias da semana. Praticar uma rotina com redução de horas de sono é nocivo à saúde, porque enfraquece o sistema imunológico, aumenta os riscos cardiovasculares e de distúrbios metabólicos, como o maior risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2, além de aumentar os riscos associados a alguns tipos de câncer.

Zuleika alerta que as necessidades de um repouso noturno variam conforme cada época da vida e vai diminuindo com a idade. Os recém-nascidos devem dormir por mais de 14 horas por dia, adolescentes de 8 a 10 horas, adultos de 7 a 9 horas e idosos entre 7 e 8 horas. “Dormir cronicamente menos de 6 horas por dia é considerado uma forma grave de insônia. Uma pequena parcela da população pode ter uma necessidade de sono menor que seis horas, determinada geneticamente e sem prejuízo para saúde, mas isso é raro. Se a pessoa tem o sono noturno reparador, em quantidade adequada, não deveria sentir sonolência durante o dia”.

Insônia

Segundo a Associação Brasileira do Sono (ABS), a insônia atinge 73 milhões de brasileiros. A insônia não é apenas um incômodo. É um distúrbio relacionado ao aumento do risco de doença cardiovascular, morte, depressão, obesidade e presença de índices elevados de gordura no sangue, além de ansiedade, fadiga e hipertensão. Em quadros crônicos, tem relação com os acidentes de trânsito, domésticos e no trabalho.

O diagnóstico é realizado por meio do histórico clínico do paciente. Deve ser procurado um médico para que o profissional investigue os aspectos emocionais da pessoa, se há sinais de depressão ou ansiedade, e os hábitos que podem causar mudanças no sono, como consumo excessivo de café e a prática de exercícios físicos perto da hora de dormir.

Dicas para uma melhor rotina de sono:

– Não dormir durante o dia

– Fazer refeições leves à noite

– Evitar cafeína (café, mate, chocolates, refrigerantes) após as 16 horas

– Manter um horário regular para dormir e acordar todos os dias, inclusive aos finais de semana

– Se expor à claridade durante o dia, principalmente pela manhã. A luz é o principal sincronizador do relógio biológico

– Reduzir os estímulos luminosos durante a noite, incluindo as telas, sobretudo nas duas horas que antecedem o sono

– Praticar atividades físicas regularmente. Se possível evitar o período da noite

– Escrever os afazeres do dia seguinte em um papel, cerca de duas horas antes de dormir, para ajuda a acalmar a mente

– Atenção para o quarto de dormir: deve estar escuro e silencioso. Temperaturas mais frias favorecem o sono

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana