conecte-se conosco


Destaque

Quase 200 kg de carne impróprios para consumo são apreendidos em Iúna, ES

Quase duzentos quilos de carne bovina, embutidos e pescado, que estavam sendo transportados com temperatura inadequada, foram apreendidos e destruídos pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), na sexta-feira (8), em Pequiá, Iúna, região do Caparaó. De acordo com o Instituto, os alimentos, que deveriam ser transportados congelados, com temperatura interna […]

Publicados

em

Quase duzentos quilos de carne bovina, embutidos e pescado, que estavam sendo transportados com temperatura inadequada, foram apreendidos e destruídos pelo Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Espírito Santo (Idaf), na sexta-feira (8), em Pequiá, Iúna, região do Caparaó.

De acordo com o Instituto, os alimentos, que deveriam ser transportados congelados, com temperatura interna variando entre – 12°C e – 18°C, encontravam-se entre – 2ºC e – 4ºC. Isso fez com que eles ficassem impróprios para consumo.

O subgerente de Fiscalização de Produtos de Origem Animal, Raoni Cezana Cipriano, explicou que, com os produtos descongelados, não é possível garantir a segurança dos alimentos.

“A qualidade dos produtos ficou comprometida, pois a velocidade das reações químicas, bioquímicas e microbiológicas está diretamente relacionada à temperatura. Isso cria condições para que exista o desenvolvimento microbiano e o início da degradação do produto, portanto, com risco para o consumidor”, alertou Cipriano.

A carga era de uma empresa distribuidora de Cariacica e seria comercializada em diferentes municípios do Sul do Espírito Santo. Todo o material foi destruído. O responsável pela carga foi autuado.

Comentários Facebook
Propaganda

Destaque

Mercado financeiro prevê queda de 1,96% na economia este ano

Publicados

em

Com a pandemia de covid-19, o mercado financeiro tem piorado a estimativa para a queda da economia este ano. A previsão de recuo do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – passou de 1,18% para 1,96%. Essa foi a nona redução consecutiva.

A  previsão para o crescimento do PIB em 2021 subiu de 2,50% para 2,70%. As previsões de expansão do PIB em 2022 e 2023 permanecem em 2,50%.

Dólar

A cotação do dólar deve fechar o ano em R$ 4,60, contra R$ 4,50 na semana passada. Para 2021, a expectativa é que a moeda americana fique em R$ 4,47, contra R$ 4,40 da semana passada.

Inflação

As instituições financeiras consultadas pelo BC reduziram a previsão de inflação para 2020 pela quinta vez seguida. A projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) caiu de 2,72% para 2,52%.

Para 2021, a estimativa de inflação segue em 3,50%, assim como para 2022 e 2023.

A projeção para 2020 está praticamente no limite inferior da meta que deve ser perseguida pelo BC. A meta, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é de 4% em 2020, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo, ou seja, o limite inferior é 2,50% e o superior, 5,50%. Para 2021, a meta é 3,75% e para 2022, 3,50%, também com intervalo de 1,5 ponto percentual em cada ano.

Selic

Para alcançar a meta de inflação, o Banco Central usa como principal instrumento a taxa básica de juros, a Selic, estabelecida atualmente em 3,75% ao ano pelo Comitê de Política Monetária (Copom).

Para o mercado financeiro, a expectativa é que a Selic tenha mais uma redução e encerre 2020 em 3,25% ao ano a mesma previsão da semana passada.

Para o fim de 2021, a expectativa é que a taxa básica chegue a 4,50% ao ano. A previsão anterior era de 4,75% ao ano. Para o fim de 2022 e 2023, as instituições mantiveram a previsão em 6% ao ano.

Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando o Copom aumenta a taxa básica de juros, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Comentários Facebook

Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana