conecte-se conosco


Estado

Seleção do Nossa Bolsa 2021 vai usar notas do Enem de 2015 a 2019

Publicados

em

 

Mesmo com o adiamento das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2020, que devem ser aplicadas neste mês de janeiro, o Governo do Espírito Santo vai garantir a realização do processo seletivo do Programa Nossa Bolsa para ingresso no ano letivo de 2021. Os alunos capixabas que já concluíram o Ensino Médio podem ingressar em um curso superior com as notas do Enem referentes aos anos de 2015 a 2019.

Em transmissão ao vivo pelas redes sociais nesta sexta-feira (15), o governador do Estado, Renato Casagrande, anunciou o lançamento da chamada pública do Nossa Bolsa 2021 na próxima segunda-feira (18). Serão ofertadas 1.021 bolsas em instituições de ensino privadas localizadas no Espírito Santo. A maior parte das bolsas cobre o valor integral da mensalidade, sendo que apenas 39 bolsas são parciais.

Os candidatos podem conferir o quadro total de vagas e faculdades nos anexos do edital que será publicado no site da Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Espírito Santo (Fapes). Os interessados devem ficar atentos ao cronograma do processo seletivo, que estará com inscrições abertas no período entre 25 e 29 de janeiro, pelo www.nossabolsa.es.gov.br.

“Todo ano ofertamos vagas para quem almeja estudar em instituições particulares. Na segunda-feira sai o edital com 1021 vagas em 15 municípios e 33 instituições de ensino. Importante destacarmos que estamos ofertando oportunidades, principalmente, para quem mais necessita neste momento de crise. A educação é o único caminho para diminuirmos a desigualdade em nosso País. São R$ 30 milhões de reais de investimento no Nossa Bolsa”, afirmou o governador Casagrande.

Para o diretor-presidente da Fapes, Denio Rebello Arantes, o Programa Nossa Bolsa é uma grande oportunidade para quem quer ingressar em um curso superior. “Os interessados têm uma série de diferentes graduações à disposição, que vão desde as engenharias até a área de saúde, passando por cursos, como Administração, Direito e Arquitetura”, disse. Segundo ele, a oferta das vagas está distribuída por diversas regiões capixabas para facilitar a vida dos cidadãos que moram no interior.

A secretária de Estado de Ciência, Tecnologia, Inovação e Educação Profissional, Cristina Engel, participou da transmissão ao vivo e comentou sobre a importância de oportunizar conhecimento para a população. “Nós procuramos envolver o maior número possível de instituições de ensino, atingindo o Estado todo, na medida do possível, e as exigências para poder participar do programa são poucas. A única coisa que a gente exige em troca é que esse aluno, que foi contemplado com a bolsa, se dedique aos estudos”, observou.

Cristina Engel também falou sobre a oferta das bolsas durante a pandemia do novo Coronavírus (Covid-19), que impacta o Estado. “Em época de pandemia, esse programa adquire uma importância ainda maior, porque é o tempo de as pessoas poderem se qualificar, se especializar, de se tornarem aptas para desenvolver atividades profissionais, inclusive em áreas que tem muita demanda de mercado. A bolsa de estudo vai possibilitar que os cidadãos possam ter sua formação superior e exercer uma profissão no mundo do trabalho, que está cada vez mais concorrido”, frisou.

Quem pode?

O Programa Nossa Bolsa concede bolsas em cursos de graduação ofertados por instituições privadas e é dirigido aos estudantes egressos do Ensino Médio da rede pública ou particular, que estiveram na condição de bolsistas integrais. Para o processo seletivo deste ano, o candidato deverá ter realizado uma das provas do Enem aplicadas entre os anos de 2015 e 2019.

Se o grupo familiar do candidato tem renda per capita de até um salário mínimo, ele poderá concorrer a bolsas integrais que correspondem a 100% da mensalidade; se a renda per capita for de até três salários mínimos, o aluno poderá concorrer a bolsas parciais de 50%.

O processo seletivo do Nossa Bolsa prioriza o ingresso de pessoas que moram em bairros com alto índice de vulnerabilidade social e de quem se autodeclara afrodescendente no ato da inscrição. Por isso, é preciso informar o Código de Endereçamento Postal (CEP) para verificar se o candidato está em um bairro atendido pelo Programa Estado Presente em Defesa da Vida.

Vagas

O processo seletivo do Programa Nossa Bolsa oferta 1.021 bolsas em 33 instituições particulares de Ensino Superior, presentes no território capixaba, para ingresso em 2021.

Só serão aceitas as inscrições de candidatos que alcançarem média global de 500 pontos, considerando as provas objetivas e de redação do Enem realizado pelo candidato entre os anos de 2015 e 2019.

Os interessados devem morar no Espírito Santo e precisam ter concluído o Ensino Médio no Estado, seja na rede pública ou na rede particular, na condição de bolsista integral.

Também podem participar do processo candidatos que concluíram o curso técnico em um Centro Estadual de Educação Técnica (CEETs) do Espírito Santo e também os que cursaram o Ensino Médio ou Técnico nas escolas do Movimento de Educação Promocional do Espírito Santo (Mepes).

Não é permitida a participação de candidatos que já têm outro diploma de graduação, nem de selecionados em edições anteriores do programa e que abandonaram o curso.

O programa também não realiza a contratação de selecionados que estejam matriculados em outro curso superior, nem dos que já foram contemplados por outros programas de bolsa de graduação ou de financiamento estudantil.

Lista de espera

Desde o último processo seletivo do Nossa Bolsa, para ingresso em 2020, houve a inclusão de uma terceira fase de matrícula, além da convocação dos candidatos aprovados nas etapas regulares. A Fapes criou a lista de espera para as vagas que não forem preenchidas, mesmo após as duas chamadas iniciais previstas.

Porém, é necessário que o candidato manifeste interesse, novamente, na vaga por meio do site do Nossa Bolsa. Caso contrário, o interessado não participará da lista de espera, mesmo que sua pontuação seja superior à pontuação dos convocados nessa fase.

SERVIÇO:
Chamada pública do Programa Nossa Bolsa 2021
Lançamento do edital em 18 de janeiro
Inscrições de 25 a 29 de janeiro
Site: www.nossabolsa.es.gov.br.

Fonte: Governo ES

Comentários Facebook
Propaganda

Estado

CineMarias: confira a programação e lista de selecionadas do laboratório audiovisual

Publicados

em


O mês de março marca a luta pelos direitos da mulher e, para reforçar a importância de debater o protagonismo feminino, o projeto CineMarias abre ao público parte do seminário A tela por elas, que será transmitido on-line. A programação tem início na segunda-feira (08), Dia Internacional da Mulher.

 O seminário é o ponto de partida do laboratório imersivo audiovisual do CineMarias, formação que será voltada para 60 mulheres selecionadas por meio de inscrição prévia. Até a próxima sexta-feira (12), o público geral poderá acompanhar ao vivo parte da programação, que inclui a roda de bate-papo Deixa a mina falar!, mediada pelo coletivo Nação Mulher ES e pela empreendedora, bacharel em Direito e policial Manuela Amaral; três mesas-redondas, que abordarão temas como direitos das mulheres, combate à violência, imprensa e empoderamento.

Também estará disponível o primeiro dia de atividades do workshop “A tela por elas: resistência, poesia e representação da mulher no audiovisual”, facilitado pela jornalista e documentarista Eliza Capai.

 Segundo a diretora de programação Luana Laux a decisão da abertura do seminário veio como forma de democratizar o acesso e fomentar o diálogo sobre temas como enfrentamento à violência de gênero e protagonismo de mulheres no cinema, na política e na sociedade em uma data tão importante para a luta feminina.

 “O foco do projeto é atender jovens mulheres residentes de comunidades da Grande Vitória, nossas futuras cineastas, como as chamamos. Mas, abrir parte da programação para o público não-bolsista e democratizar o seu acesso faz parte do nosso objetivo principal de fomentar o diálogo e novas narrativas com a sociedade sobre o enfrentamento à violência contra as mulheres e o protagonismo e representação feminina no cinema, nas redes e na TV”, explica Luana Laux.

 A ação cultural é uma realização do Instituto Vida Nova (Movive) e Puri Produções, com produção da Lúdica Audiovisual e apoio do Centro Universitário Faesa, da Agenda Mulher, com recursos da Lei Aldir Blanc por meio da Secretaria da Cultura (Secult), direcionada pela Secretaria Especial da Cultura do Ministério do Turismo.

Laboratório audiovisual: lista de selecionadas

 As inscrições para a etapa formativa do CineMarias foram encerradas no dia 1º de março e contaram com mais de 170 inscritas. A comissão avaliadora selecionou as 60 jovens que receberão bolsa-auxílio de até R$ 600 para participarem das atividades.

 Foram selecionadas mulheres entre 18 e 29 anos, residentes da Grande Vitória e, prioritariamente, moradoras de comunidades atendidas pelo programa Estado Presente em Defesa da Vida ou inscritas no CADÚnico.

 Os dados mostram que, entre as inscritas, 78,8% se autodeclaram negras (pretas e pardas) e a maioria tem renda de até um salário mínimo (40,6%). O levantamento também mostra que 71,8% estão desempregadas atualmente e que 80% já viveram ou presenciaram alguma situação envolvendo a Lei Maria da Penha.

Veja a lista de participantes selecionadas por ação:

Seminário CineMarias – A tela por elas: resistência, poesia e representação da mulher no audiovisual

Eliane de Fatima Inácio

Ingrid da Rocha Ricardo

Jéssica Elaine Moreira Sampaio

Luana Pereira dos Reis

Marcela Gomes do Nascimento

Michelli Francisco Da Silva

Michey Pereira Bravim Furtado

Natália dos Santos Ferreira

Suzana Nascimentos das neves

Thays Ferreira Santos

Curso 1 – Voz e introdução à criação de roteiro

Bruna da Silva Pereira

Clarissa Souza Santos

Franciele Rufino Saracura

Giovanna Novaes Xavier de Araújo Matoso

Karina Lima Soares

Kariny Peçanha Santos

Mariana Souza Costa

Rayssa da Silva Henrique

Stefane Lorrane de Jesus Lima

Vitória Bordon Santo

Curso 2 – O olhar, a tela e a linguagem cinematográfica

Esther Almeida Borges

Josélia Andrade Santos

Juliana Almeida Santos

Marcela do Nascimento Ferraz

Maria Antônia Oliveira

Marianna Eilert Gonçalves

Rayssa de Andrade Norbim

Thairiny Alves Franco

Veronica Campanussio

Yasmin Toretta Ferreira da Silva

Curso 3 – Somos todas montadoras: pensamento, teoria da montagem e técnicas de edição

Alice Sales Vieira

Andressa Riguête Pereira

Brenda Brazil Santos

Daniela Santos Ribeiro

Erika Aparecida da Silva

Géssica Loureiro Pereira Lopes

Helen de Souza Silva

Isadora Caprini

Ronalda Santos Araujo

Rosimery Soares Loiola

Modalidade Lab imersivo | Oficina de realização de filmes-poesia Existo porque resisto

Adriele Nascimento Coelho

Anna Carolina Campos Arandjelovic Schmith

Bárbara Galvão Silva

Cristiane Soares Abelha

Elisândra Eler Machado

Gabriely Rangel Nascimento

Geovana Silva Bernadina

Géssica Barbosa das Virgens

Giovanna de Oliveira

Ingrid Nascimento da Silva

Jaiara Dias Soares

Kelli Pereira Simoura

Kendolly Pianca Storch Messias

Mariany de Paiva faria

Priscila Santos Vieira 

Rayane Jesus de Oliveira

Rucka de Lacaia

Sielly dos Santos Soares

Simone Santos Silva

Sthefany Rodrigues de Brito Silva

Programação: mulheres de representatividade na tela

As telas do computador e do celular serão palco para as falas de mais de 15 mulheres convidadas para integrar o seminário A tela por elas. Participarão profissionais e pesquisadoras das mais variadas frentes, como Direito, Educação e Comunicação Social.

Data: 08/03 (segunda-feira) 

De 9h às 10h

Abertura e leitura do manifesto CineMarias com a jornalista Karolina Lopes

De 10h às 13h30 

Workshop 1 A tela por elas: resistência, poesia e representação da mulher no audiovisual com Eliza Capai

De 14h às 17h 

Roda de bate-papo Deixa a mina falar!, mediada pelo coletivo Nação Mulher ES e por Manuela Amaral (empreendedora, bacharel em direito e policial)

09/03 (terça-feira)

De 17h às 18h30

Mesa redonda 1: Imprensa, voz e a agenda de direito das mulheres. A mesa irá abordar as tendências e práticas da cobertura jornalística sobre a violência de gênero e das novas narrativas criadas por mulheres ocupando espaços de poder.

Participantes: Elaine Silva (editora-chefe do Jornal A Gazeta), Renata Bravo (advogada e idealizadora do coletivo Juntas e Seguras), Gla Carrareto (repórter de A Gazeta) e Mayra Bandeira (produtora da TV Vitória)

Mediação: Katilaine Chagas (jornalista)

11/03 (quinta-feira)

De 10h às 12h

Mesa redonda 2: Direitos e segurança da mulher.  As participantes vão debater os desafios para a garantia da vida e dos direitos das mulheres e os serviços e acolhimento às vítimas de violência. 

Participantes: Catarina Cecin Gazele (procuradora de Justiça e professora de Direito da Ufes), Luizane Guedes (doutora em Psicologia e militante do Núcleo Estadual de Mulheres Negras do Espírito Santo) e Nara Borgo (secretária de Estado de Direitos Humanos)

Mediadora: Aline Alves (jornalista e produtora cultural)

 

12/03 (sexta-feira)

 

De 10h às 12h

Mesa redonda 3: A dona da história. A mesa vai conversar sobre o espaço, direito à voz e o protagonismo feminino na construção de suas próprias narrativas.

Participantes: Jacqueline Moraes (vice-governadora do Estado), Bárbara Cazé (doutoranda e pesquisadora do Núcleo de Estudos Afro Brasileiros da Ufes) e Gabriela Alves (professora de Comunicação Social da Ufes) 

Mediadora: Sthefany Duhz (jornalista e pesquisadora)

Serviço

  CineMarias

Seminário “A tela por elas”

Realização: de 08 a 12 de março

Local: www.cinemarias.com.br e canal do CineMarias no YouTube

Imprensa

Sthefany Duhz (27) 99876-0508

Aline Alves (27) 99983-3390

[email protected]

Informações à Imprensa:
Assessoria de Comunicação da Secult
Aline Dias / Danilo Ferraz / Erika Piskac
(27) 3636-7111/99753-7583/99902-1627
[email protected]
[email protected]
https://www.facebook.com/SecultES/
https://www.instagram.com/secult.es/

Fonte: Governo ES

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana