conecte-se conosco

Política Nacional

Subcomissão debate governança digital e saúde pública

Publicado

A Subcomissão Especial de Cidades Inteligentes, da Comissão de Desenvolvimento Urbano da Câmara dos Deputados, realiza uma audiência pública na próxima terça-feira (12) para discutir a aplicação de tecnologia no enfrentamento dos desafios na saúde pública.

Segundo o deputado Francisco Jr. (PSD-GO), que é presidente da subcomissão, o objetivo é debater experiências e possibilidades da utilização de tecnologia para melhoria da governança e do acesso à saúde pública, iniciativas de governo digital, transparência, comunicação com o cidadão, educação digital, soluções de gerenciamento de desastres, orçamento participativo, monitoramento de surtos e epidemias, comunicação e campanhas.

“Em tese, o processo de tomada de decisão para a incorporação de tecnologias na governança e gestão da saúde deve estar baseado nas melhores evidências científicas produzidas por estudos de Avaliação de Tecnologias em Saúde (ATS) e gestão de sua logística nas cidades. Contudo, nem sempre são adotadas as tecnologias que os estudos indicam como mais eficazes ou mais eficiente”, afirma o deputado, destacando que o este processo é permeado pela influência de diversos grupos de interesses, como médicos, provedores de serviços de saúde, instituições financiadoras, produtores das tecnologias, associações de pacientes, entre outros.

Leia mais:  Relator propõe que saque imediato nas contas do FGTS suba para R$ 998

Foram convidados para discutir o assunto com os parlamentares a gerente da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), Lara Brainer Magalhães Torres de Oliveira; o gestor da Unidade de Gestão de Promoção da Saúde (UGPS) de Jundiaí (SP), Tiago Teixeira; e representante do Ministério da Saúde.

A audiência está marcada para as 10 horas, no plenário 16. Os interessados poderão participar enviando perguntas, críticas e sugestões.

Da Redação – MB

Comentários Facebook
publicidade

Política Nacional

CCJ aprova sede de banco dos Brics e adia votação de segunda instância para terça

Publicado

Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
CCJ decidiu analisar nesta terça a PEC que permite prisão após condenação em 2ª instância

Depois de quase seis horas de obstrução por deputados da oposição, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ), deputado Felipe Francischini (PSL-PR), fechou acordo e a CCJ aprovou nesta noite o Projeto de Decreto Legislativo 657/19, que contém acordo firmado entre o Brasil e o Novo Banco de Desenvolvimento (NBD) para a criação do escritório regional do banco nas Américas (ERA).

No Brasil, o ERA será presidido por diretor-geral indicado pelo NDB e terá sede em São Paulo e unidade de representação em Brasília.

Pelo acordo, ficou para esta terça-feira (12) a votação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 410/18, que permite a prisão após condenação em segunda instância. Francischini convocou reunião com os coordenadores de bancada da CCJ para as 9 horas para tratar dos procedimentos para votação da PEC. A reunião da CCJ deve começar às 9h30, tendo a PEC como primeiro item da pauta.

Leia mais:  Davi lança Senado+Digital, que amplia acesso do cidadão ao trabalho legislativo

Banco dos Brics
O NBD tem sede em Xangai, na China, e foi criado em 2014 durante a 6ª Cúpula dos Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul – com o objetivo de mobilizar recursos para projetos de infraestrutura e desenvolvimento sustentável nesses países. O Brasil dispõe de 4 projetos dentre os 41 já aprovados pelo NDB.

Reportagem – Francisco Brandão
Edição – Pierre Triboli

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA NACIONAL

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana