conecte-se conosco


Cidades

Vargem Alta tem quatro casos de Covid-19 confirmados em cinco dias

Publicados

em

Por Tiago Rocha – Da Hora ES

Mais dois casos de infecção pela Covid-19 foram confirmados pela Secretaria Municipal de Saúde de Vargem Alta na noite desta segunda-feira (11). Ao todo, o município já tem quatro confirmações da doença.

Os dois novos casos são de moradores do Centro de Vargem Alta. Uma mulher e uma criança do sexo masculino, ambos da mesma família. Já estão em isolamento domiciliar.

O Boletim número 49, divulgado pela Prefeitura Municipal de Vargem Alta, nesta segunda-feira (11), informa que os novos pacientes têm vínculo com casos confirmados na cidade. Ou seja, trata-se de transmissão comunitária confirmada na cidade de Vargem Alta.

Segue os dados do Boletim Oficial 49 do coronavírus (Covid-19) em Vargem Alta.

Os dois casos positivados desta segunda-feira (11), foram assim estipulados junto a conduta estabelecida com o Centro de Informações Estratégicas e Respostas em Vigilância em Saúde (CIEVS), e embasado na NOTA TÉCNICA COVID-19 N° 29/2020 – GEVS/SESA/ES, assim, classificados como positivos por critério clínico-epidemiológico (paciente com vinculo a casos confirmados, não tendo critério de coleta laboratorial).

Reforçamos a importância do isolamento social, do uso de máscara e da higienização das mãos. 😷

Os exames são realizados no Laboratório Central do Espírito Santo – Lacen-ES, único credenciado pelo Ministério da Saúde no Estado.

#ficaemcasavargemalta #combatendocoronavírus

Comentários Facebook
Propaganda

Cidades

Alunos da rede municipal de Cachoeiro voltam a ter aulas sem rodízio

Publicados

em

Por

Outras medidas de prevenção contra Covid-19 seguem sendo adotadas - Foto: Márcia Leal

Foram retomadas, nesta quarta-feira (20), as aulas presenciais nas escolas da rede municipal de Cachoeiro, sem o sistema de rodízio de estudantes, medida que havia sido adotada como parte do protocolo de segurança contra a Covid-19.

O retorno às salas de aula sem revezamento foi celebrado por educadores, alunos e responsáveis. Na escola municipal Athayr Cagnin, no bairro Nossa Senhora de Fátima, a volta agradou Cleonice Marques Medeiros, avó de dois estudantes.

“Apesar de preocupada por causa da pandemia, confio bastante na segurança da escola, os profissionais estão trabalhando para isso. Os meus netos já estavam com saudade e, além disso, estudar em casa era difícil, pois eu não tinha tempo suficiente para ajudar e não somos capacitados como os professores. Em casa, também reforço as medidas de segurança e, até agora, está dando certo”, explica.

“Eu estava com saudade da aula presencial sem rodízio. É bom para rever os amigos e, também, para estudar, bem melhor que on-line. Acredito que os alunos vão colaborar também, respeitando as regras”, afirma a aluna Ana Clara Semeão Maia, de 13 anos.

Dulcinéia Peres, gestora da Athayr Cagnin, que atende alunos do 1º ao 5º ano do ensino fundamental em tempo integral, afirma que a escola está seguindo todas as medidas de prevenção.

“Continuamos com o uso de máscara, álcool em gel e o distanciamento necessário neste retorno. Os pais e alunos aderiram bastante, estão satisfeitos com as aulas presenciais. Os responsáveis não precisam se preocupar, pois estamos fazendo o nosso trabalho, para garantir a segurança dos alunos e funcionários”, frisa.

O fim do revezamento foi autorizado pelo governo estadual, com a publicação da Portaria Conjunta Sedu/Sesa nº 07-R, de 06 de outubro.

Foram consideradas, para o retorno sem rodízio, a ampla cobertura vacinal contra a Covid-19 no estado – em especial, entre os trabalhadores da educação; a efetividade dos protocolos preventivos adotados; as condições de testagem em massa e as experiências consolidadas, em diversas nações, com o retorno seguro das atividades escolares em contextos de baixa transmissão da doença associada ao avanço da vacinação nos territórios.

Segue sendo obrigatório, para alunos e servidores, o uso de álcool em gel, máscaras e demais equipamentos de proteção individual. As unidades de ensino deverão priorizar atividades em áreas externas, com espaços amplos e arejados, além de garantir medidas que respondam às necessidades dos estudantes público-alvo da educação especial.

O distanciamento físico, nas salas de aula, será de 1,5 m² por criança, na educação infantil, e de 1,2 m² por estudante nos demais níveis de ensino.

“Estamos felizes com o retorno e mantendo todas as medidas de segurança necessárias no ambiente escolar. O contato entre professor e aluno e a interação pedagógica no retorno às aulas presenciais são essenciais para o desenvolvimento da aprendizagem dos nossos estudantes”, ressalta a secretária municipal de Educação, Cristina Lens.

De acordo com a Secretaria Municipal de Educação (Seme), os estudantes que tenham laudo médico, contraindicando a atividade presencial, estarão autorizados a continuar em aulas remotas.

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana