conecte-se conosco


Polícia

Vídeos – Paulinho Piquira é condenado a 17 anos de prisão por assassinato em Vargem Alta

Publicados

em

Por Tiago Rocha – Da Hora ES

O Tribunal do Júri da Comarca de Vargem Alta condenou, nesta terça-feira (23), o açougueiro Paulo Giovani Augusto da Silva, mais conhecido como Paulinho Piquira, de 38 anos, a cumprir em regime fechado a pena de 17 anos e sete dias de prisão, pelo assassinato de Gilberto Conceição dos Santos, de 36 anos, ocorrido no dia 28 de janeiro de 2020.

Foto: Paulo Giovani Augusto da Silva, 38 anos, esfaqueou Gilberto Conceição dos Santos após uma briga de bar

Na ocasião, após uma briga num bar no Centro de Vargem Alta, Paulinho desferiu um golpe de faca entre o tórax e o pescoço da vítima, que chegou a sair de moto do local até o Pronto Atendimento de Vargem Alta, de onde foi transferido para a Santa Casa de Misericórdia de Cachoeiro de Itapemirim, onde não resistiu ao ferimento e morreu.

O açougueiro chegou a ser preso em flagrante no mesmo dia do crime, sendo conduzido pela Polícia Militar (PM) até a Delegacia Regional de Cachoeiro, onde o delegado de plantão não o manteve preso.

Posteriormente, após confirmar o óbito de Gilberto, devido à gravidade da facada, a Polícia Civil (PC) solicitou à Justiça a prisão de Paulinho, que foi concedida pelo juiz. Considerado foragido, o açougueiro foi preso no dia 19 de julho, na cidade de Guarapari, após fazer uma postagem em sua conta do Facebook, o que foi primordial para que a Polícia o localizasse.

O Julgamento

Acusado pelo Ministério Público por homicídio duplamente qualificado, a defesa de Paulo Giovani tentou desqualificar os autos do processo, alegando que se tratava de lesão corporal seguida de morte, da mesma forma como foi feito o flagrante inicial quando Paulo foi preso e solto no mesmo dia pelo delegado de plantão na Delegacia Regional de Cachoeiro.

O advogado de defasa de Paulinho, Thiago Canholato Cazotte, que atuou no Júri juntamente com a advogada Márcia Cancela, tentaram convencer os jurados sobre a motivação do crime, alegando que o autor sofria perseguição da vítima, por ser homossexual, e que a briga em questão não havia sido a primeira entre Paulinho e Giovani, tendo essa rixa se estendido por cerca de dois anos.

O Ministério Público, representado pelo Promotor de Vargem Alta, Daniel de Andrade Novaes, teve como assistente de acusação o advogado Fernando Nascimento Filho. A acusação buscou a todo o momento mostrar para os jurados que o crime ocorreu de forma covarde, por motivo fútil e que impossibilitou a defesa da vítima.

Após a manifestação da defesa, o promotor ainda fez questão de tentar desqualificar o argumento utilizado pelos advogados do réu, contestando-os. Conforme o Ministério Público, a defesa utilizou uma tese sem provas, a qual não constava nos autos. O promotor Daniel Novaes finalizou chamando o réu de mentiroso, afirmando que ele mentiu em todas as fases do processo.
Desta forma, o corpo de jurados decidiu por maioria dos votos condenar o réu Paulo Giovani Augusto da Silva, o Paulinho Piquira, pelo homicídio duplamente qualificado de Gilberto Conceição dos Santos.

O juiz da Comarca de Vargem Alta, José Pedro de Souza Neto, que conduziu o julgamento, decretou a sentença em 17 anos e sete dias de reclusão em regime fechado. No entanto, como o réu já está preso há 1 ano e quatro meses, ele cumprirá o tempo restante, ficando condenado a 15 anos e oito meses de prisão.

Câmaras registraram o crime; assista abaixo:

Comentários Facebook
Propaganda

Polícia

Comandante do 11º Batalhão é homenageado pela Polícia Militar de Minas Gerais

Publicados

em


Na manhã desta sexta-feira (03), o tenente-coronel Rômulo Souza Dias, comandante do 11º BPM/ES, participou da solenidade de homenagens aos destaques da 18º Cia Independente da Polícia Militar de Minas Gerais.

Na ocasião, o tenente-coronel Rômulo, os militares pertencentes a 18º CIA IND/PMMG e demais autoridades foram agraciados com as devidas honrarias em decorrência dos excepcionais serviços prestados a sociedade mantenense.

Com a fala, o tenente-coronel Antônio José de Resende, comandante da 18º CIA IND., estendeu seus agradecimentos ao Oficial da PMES, pela parceria que vem sendo cultivada entre as coirmãs PMES e PMMG. Tendo auferido resultados ainda mais satisfatórios, através deste vínculo.

E para validar os efeitos positivos alcançados em conjunto, o comandante da Unidade Militar da cidade de Mantena homenageou o tenente-coronel Rômulo, e o Subtenente Edi Carlos com o certificado de “Parceiros e Destaques Operacionais” da 18º Cia Independente.

O tenente-coronel Resende pontuou a importância da semovente Kira, a cadela policial pertencente ao 11º BPM/ES, que auxiliou as forças militares mineiras em diversas ocorrências policiais, culminando no êxito de inúmeras apreensões de drogas e armas.

O tenente-coronel Rômulo agradeceu a honraria recebida e atribui a eficiência alcançada a todos que comungam no mesmo propósito. E, que por meio das parcerias entre Policias Militares, Polícia Civil, Poder Judiciário, sociedade e demais órgãos, é que conseguiremos cumprir nossa missão constitucional de preservação da ordem pública.

O 11º Batalhão da Polícia Militar do Espírito Santo acredita verdadeiramente na eficiência dos profissionais de segurança pública e crê que juntos somos mais fortes.

Informações à Imprensa:

Assessoria de Comunicação da PMES:
Tenente-coronel ANDERSON LOUREIRO BARBOZA
Tels. (27) 3636-8717 / 3636-8718
E-mail: [email protected]

Subseção de Jornalismo PMES:
Tel. (27) 3636-8715
E-mail: [email protected]

Fonte: PM ES

Comentários Facebook
Continue lendo

CIDADES

ESTADO

POLÍTICA

ENTRETENIMENTO

Mais Lidas da Semana